domingo, 29 de março de 2015

É muito rei pra pouco reino.



Expressões monárquicas estão presentes em nossa vida desde cedo. “Como reina esse menino!”, “Que linda esse menina, parece uma rainha!”, “Fulano pensa que tem o rei na barriga!”, “Toda garota sonha com o príncipe encantado”, etc.

Vamos crescendo e os símbolos vão nos acompanhando com ícones da realeza sempre marcando presença e, dentre as muitas expressões, crendo ou não, de alguma forma todos nós somos apresentados ao Reino de Deus.

Tal Reino, ensinam as escrituras, deve ser buscado em primeiro lugar, porque tudo o mais é acrescentado depois. Dado o ideal perfeito que é prometido para os que conquistam o Reino, nos aprofundamos no tema querendo conhecê-lo melhor. Aí descobrimos que o Reino já chegou, está entre nós, vive em nós, porém não ainda de forma plena.

Neste ponto começam confusões e bagunças. Os mais variados interesses vêm a tona, tanto individuais quanto institucionais. Alguns interesses são bons, carregados de bons ideais. Já outros são maus, carregados de planos e cálculos para fazer seus agentes se darem bem, como dizem os malandros declarados. E isso é mal, muito mal.

E por que é mal? Porque na disputa por espaço, posição, status, preferência e domínio sobre o coração do povo, misturam-se os reinos de homens com o Reino de Deus. Se ainda não leu a história de Absalão, leia, você vai entender claramente o que escrevo, principalmente sobre roubar o coração do povo.

O complicado é que os homens que brigam por seus reinos jamais admitem que é isso que fazem. Afirmam categórica e “piedosamente” que o que fazem é para defender e edificar o Reino de Deus e não os reinos deles, que infelizmente é o que se descobre ao final de cada aventura que termina em escândalos revelados.

Enfim, é muito rei pra pouco reino. Teimosamente volto aos evangelhos para procurar pistas nas ações dAquele que implantou o reino, o rei Jesus. E não encontro nada parecido com a agenda eleitoreira da maioria das denominações, como a mão que se pesa feito abutre faminto na hora de se fazer justiça e, na mão rala, feita de vapor, na hora de exercitar um mínimo de amor.

Do reino de Jesus o que estes tais buscam se restringe as benesses do palácio, ao valor monetário da lã das ovelhas, as facilidades e aos confortos que determinadas posições garantem. Trocando em miúdos, querem o céu que idealizaram já, agora. Como se fosse possível definir o céu, a eternidade, a plenitude do Reino que esperamos, enfim, estes sentimentos que acomodamos na poesia da fé guardada em nossos corações.

Quando digo “pouco reino”, o faço para os homens que traem colegas e irmãos, torcem interpretações de leis e estatutos, chutam antigos amigos e lambem inimigos de outrora com vistas a garantir posições, passam como trator por cima de tudo e de todos que representem uma pálida ameaça aos seus planos. É para estes que uso a expressão “pouco reino”, pois apenas para a cabecinha maculada deles e seus doentes corações é que o reino é “pouco”. Então que briguem e se matem pelos anêmicos reinos que criam com seus slogans, frases aparentemente espirituais, “santas” vinganças justificadas em rasas teologias e discursos milimetricamente calculados para cada tipo de grupo e pessoa que se comunicam.

Vivemos tempos de crise em nossa nação. Tempos difíceis que abalam empresas, instituições educacionais, imprensa, associações, famílias. Ora, por que tal quadro de crise também não afetaria igrejas? Afeta com certeza. E são tempos assim que vivificam o que jamais deveria ser esquecido: temos uma cruz para carregar, a nossa. Tal cruz pode ser percebida nas mais variadas situações, dor, sofrimento, humilhação, doença, vergonha, calúnia, perseguição, fadiga espiritual, lágrimas.

Ou seja, não importa quão duro e difícil seja o momento atual, o Reino de Deus, e somente o Reino dEle, vale nossa entrega, nosso sonho, nossa luta, nossa esperança. O Reino que a fé bíblica vive, vislumbra e ao mesmo tempo aguarda, é gigante, é eterno e tem para todo o sempre um só Rei, o Senhor Jesus. O resto se resume a briga de homens por demandas e poderes em reinos mambembes e fugazes e, bem, é só o resto.

Paz!

Por: Pr. Edmilson Mendes no portal Sou da Promessa
Continue Reading…

segunda-feira, 23 de março de 2015

Um Mundo, Uma Crise, Uma Moeda Corrente

foto: epSos .de

Por Wilfred Hahn no portal Chamada

Ordem mundial protelada ou um desvio?

Uma nova ordem mundial? Dificilmente pareceria que sim. Admitimos que o globo tem estado um tanto desorganizado. Pânico e ações desesperadas definem melhor os tempos por toda parte, não a ordem e os soldados rasos. Em determinados momentos, pode-se pensar se já chegou aquele dia sobre o qual foi profetizado, no qual as pessoas jogarão suas pratas nas ruas (Is 2.20; Ez 7.19). Entretanto, aquele colapso final profetizado ainda não está aqui; as profecias de Ezequiel e de Isaías se referem a condições que ocorrerão nos últimos estágios da Tribulação, provavelmente mais perto do tempo do sexto selo.

Em minha opinião, a CFG (Crise Financeira Global) será um importante ponto de partida para a futura coalizão dos dez reis mencionados no Apocalipse que, durante uma hora, darão autoridade ao Anticristo. Este é o ponto extremo e o objetivo diabólico do globalismo que a Bíblia profetiza. A intenção da humanidade ao buscar “o céu na terra” deve chegar a este fim. Tal conclusão é inevitável à religião. Se a prosperidade material é a rota com a qual se concorda para chegar à paz mundial – esta sendo a agenda humanística – então tudo o mais estará comprometido com esta finalidade. Grandes crises globais certamente são expedientes para forçar um consenso e acelerar a velocidade para aquele ponto de destino.

Como esta é a cosmologia básica da profecia bíblica com respeito ao globalismo, devemos parar de comentar sobre a histeria “cristã” que tão freqüentemente é dirigida a este tópico.

A futura ordem mundial única

Montanhas de papel e oceanos de tinta já foram gastos nas especulações dos detalhes exatos, das pessoas e dos planejamentos futuros das elites globais que estão dirigindo o processo do globalismo mundial. Este autor preferiu ficar longe dessas especulações e da freqüente histeria associada a este tópico em geral. Ele não é necessário nem proveitoso. Logicamente, se você gosta de romances de ficção, ou simplesmente tem fascínio por teorias da conspiração, tem liberdade para se dar a esse direito. No que se refere à coalizão de poder mundial final dos dez reis, nada mais precisa acontecer a não ser que dez nações se unam com poder suficiente para dar ao Anticristo, permitindo a ele que subjugue os negócios mundiais e inicialmente coloque em vigor as propostas de paz. Embora seja verdade que os “sinais dos tempos” em geral, com respeito à rápida tendência de globalismo, sejam claramente observáveis hoje, não é provável que já encontremos um gráfico organizacional bom e nítido definindo o andamento de uma ordem mundial em desenvolvimento ou o surgimento dos últimos dez reis.

Muito sobre a vindoura ordem mundial escrito hoje é inventado e sensacionalista e pode nos atrair para um perigoso erro.
Nesse sentido, muito sobre a vindoura ordem mundial escrito hoje é inventado e sensacionalista e pode nos atrair para um perigoso erro. Por quê? Considere a identidade e a natureza do inimigo. Ele não é um mero ser humano. É importante nos lembrarmos de que “...a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças do mal, nas regiões celestes” (Ef 6.12). Se deixarmos de considerar essa hierarquia organizada de adversários espirituais nos assuntos das pessoas, o mundo enganosamente impedirá a nossa visão. Simplesmente analisar o que é visto ou lido nos jornais também não produzirá uma conclusão correta. Afinal, é esta recusa em ver além do âmbito físico tridimensional que fundamenta a cegueira que vemos hoje na maioria dos campos de atividade humana, especialmente na economia e na geopolítica. Portanto, os responsáveis pelas questões mundiais “...não sabem os pensamentos do Senhor, nem lhe entendem o plano que os ajuntou como feixes na eira” (Mq 4.12).

A seguir, reconhecemos que existe uma armadilha cuidadosamente planejada, dos últimos dias, a caminho, armadilha que vem se desenrolando há um longo tempo e levada adiante, sendo cada vez mais incrementada, por milhares de pequenos anticristos, pelo passar dos séculos (1 Jo 2.18; 4.3). E, de fato, se uma armadilha está sendo preparada, deve haver então tanto um “armadilhador” quanto um “armadilhado”. “Cairá a ave no laço em terra, se não houver armadilha para ela?” (Am 3.5). Amós chega a uma conclusão simples de que, se uma armadilha é montada, então deve haver uma presa em vista. Já ficou estabelecido que há uma armadilha. Quem é a presa? A Bíblia nos informa claramente que há dois recipientes separados (mas inter-relacionados) das promessas de Deus: a Igreja e Israel. Esses dois, tanto corporativamente como seus membros como indivíduos, são o alvo.

Finalmente, devemos reconhecer que existe uma inteligência muito capaz, um articulador diabólico, um acusador dos irmãos, um perseguidor dos fiéis, um inimigo de Cristo, em ação: o adversário mestre, que é o próprio Diabo. Portanto, o desvio, a distração e o engano são estratégias chave que devem ser percebidas com antecedência. Se os planejamentos nefastos e maus fossem tão óbvios ou ostensivos, Satanás não poderia facilmente armar uma armadilha enganosa e efetiva para o mundo.

Isto se encaixa no caráter geral dos últimos dias, a saber, os nossos tempos. A Bíblia diz que o mundo todo é tomado pelas trevas nos últimos dias. Uma série de profecias alerta-nos para essa característica do período do fim. “Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos” (Is 60.2). “Não será, pois, o Dia do Senhor trevas e não luz? Não será completa escuridão, sem nenhuma claridade?” (Am 5.20). As trevas e o mal são marcas desses tempos. O mal espreita sob a cobertura das trevas e o caráter do mal é agir na escuridão. “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras” (Jo 3.19-20).

Embora a Europa tenha se unificado de uma forma notável durante os últimos cinqüenta anos, a coalizão final das dez nações ainda não é óbvia.
Dadas tais condições do final dos tempos, é de se duvidar que fôssemos capazes de ver uma coalizão de dez reis se formando, certamente nada tão óbvio quanto uma estrutura governamental global monolítica ou uma única moeda corrente mundial. Embora a Europa tenha se unificado de uma forma notável durante os últimos cinqüenta anos, a coalizão final das dez nações ainda não é óbvia, certamente não é identificável em detalhes exatos. Embora nos sintamos pressionados a declarar uma resposta segura a muitas questões em aberto que ainda permanecem com relação à profecia do final dos tempos, não devemos fazer isso. Conclusões erradas podem levar a um mal maior e, pior de tudo, a uma vulnerabilidade grave e a uma cegueira letal para os acontecimentos que estão em andamento que podem estar bem debaixo do nosso nariz. É melhor continuar observando, discernindo as estações e permanecendo aberto a fatos comprovados, tanto antigos quanto atuais e o que a Bíblia revela de fato, nada mais.

Potencialmente, as interpretações mais enganosas das profecias do final dos tempos são aquelas que concluem que determinados acontecimentos devem ainda ocorrer, portanto, concentrando-se no cristão do futuro e não em sua atual preparação para o retorno de Cristo. Pode ser um ponto sutil, mas é muito importante. As teorias globais de conspiração, a vindoura nova ordem mundial e a moeda única para o mundo são todos temas que podem ter um papel de invocar a histeria, distraindo-nos de nosso enfoque adequado.

A moeda corrente única de fato já foi lançada

Já estamos muito avançados nos últimos dias. Não precisamos ser distraídos por eventos aguardados com relação às profecias. O retorno iminente do Senhor não é impedido por nenhum pré-requisito como acontecimento futuro. Embora o conceito de iminência signifique que o Senhor pode aparecer a qualquer momento, ainda que isso não seja tecnicamente correto, podemos dizer que Sua vinda é agora mais iminente do que nunca!

Todavia, é provável que a linha escatológica do tempo seja muito depois do que cremos. Neste sentido, há uma afirmação que se pode fazer de que o globalismo já avançou além do que possamos perceber, de forma que a Tribulação possa começar a qualquer momento.

Contudo, um acontecimento proeminente que muitos observadores afirmam ser necessário para precipitar determinados eventos do final dos tempos é o aparecimento de uma moeda corrente global. Esta é uma tentativa de desviar o assunto. Efetivamente, uma moeda corrente mundial única já existe. Você pode estar surpreso por ouvir este último comentário: o mundo já funciona como se tivesse uma única moeda corrente padrão. Como assim? Considere que virtualmente 99,9 por cento de todo o fluxo monetário entre fronteiras do mundo hoje são realizados por grandes instituições financeiras, bancos centrais, grandes fundos de pensão, fundos fechados de cobertura (hedge funds) e corporações. Para esses “importantes personagens”, o dinheiro já é líquida e certamente “dinheiro global”. Para aqueles que estão fora desse sistema, ele pode parecer confuso e complicado. Mas, na verdade, um sistema financeiro mundial firmemente interconectado funciona virtualmente através de todas as moedas correntes. Ainda há moedas separadas no nome, mas tudo é parte de um sistema monetário global. Vale a pena fazermos uma explicação breve sobre como isto funciona.

Você pode ficar surpreso ao ouvir este comentário: o mundo já funciona como se tivesse uma única moeda corrente padrão.
De acordo com uma pesquisa realizada pelo Bank of International Settlements (BIS), aproximadamente 90 por cento de todas as transações em moedas envolvem apenas dez moedas correntes. Todas essas moedas podem ser cobertas, trocadas, ou fixadas em um longo futuro através do uso de vários instrumentos financeiros sofisticados. Por exemplo, essas facilidades permitem que corporações multinacionais movam as peças do seu xadrez financeiro por todo o mundo como se houvesse apenas uma moeda corrente.

Onde está a evidência? Algumas fontes excelentes estão disponíveis ao público. Vários relatos desse tipo são fornecidos pelo BIS. Por exemplo, uma vez a cada três anos, essa agência publica um relatório sobre o comércio mundial de moedas correntes. O que esses relatórios revelam? Primeiro, que o câmbio de moedas estrangeiras é a maior, verdadeiramente enorme, atividade financeira dentre todos os tipos do mundo inteiro. Em 2004, mais de $1,9 trilhões em moedas correntes foram cambiados todos os dias úteis da semana. Certamente esses números aumentaram amplamente desde então.

Contudo, no início dos anos 1970, essas transações eram responsáveis por apenas US$ 18 bilhões por ano. Imagine! Hoje, no máximo trinta e cinco anos mais tarde, essa quantidade de câmbio é feita a cada treze minutos – um volume que cresceu 27.500 vezes em pouco mais que três décadas. (Esta é uma quantidade equivalente a mais que doze vezes o produto econômico mundial total do ano inteiro!)

O que vemos em ação nos mercados de câmbio internacionais hoje tomou forma muito rapidamente, acelerando marcadamente depois de 1970. Quando eu era um jovem diretor de pesquisas para uma importante empresa de Wall Street, fui alertado com relação a essas tendências muito cedo, simplesmente ao ler os relatórios disponibilizados pelo BIS e por outras organizações transnacionais. Já em meados dos anos 1980, a grande arquitetura tomando forma podia ser discernida. Observando essas rápidas tendências, lembrei-me quão estupefato fiquei. O que vem acontecendo desde aquele tempo é simplesmente espetacular, fazendo com que as tendências daqueles dias lá atrás se pareçam com meras gotas no oceano.

Discernindo entre floresta de dinheiro e árvores

Será que é provável que o mundo algum momento presencie a moeda corrente mundial única, significando aquela moeda corrente óbvia que podemos chamar pelo nome e depositar em um banco 24h em qualquer lugar do mundo? Em minha opinião, é certamente possível, mas não é necessário. Um sistema financeiro globalizado já está interconectado como se estivesse operando com uma única moeda padrão. Portanto, ficarmos com uma idéia fixa sobre a moeda mundial única e soarmos o alarme todas as vezes que há um relatório sobre um plano de unificação da moeda provoca um desvio da questão mais importante.

Alguém pode argumentar que uma moeda única é um indicador óbvio demais da hora avançada dos processos do final dos tempos. Será que Satanás permitiria que seus artifícios enganosos fossem tão transparentes, até mesmo para pessoas sem discernimento e não espirituais? Nessa visão, uma moeda única seria algo óbvio demais, o que não é necessário, em todo caso. No entanto, uma pessoa pode certamente viajar o mundo todo como se a moeda fosse única. Simplesmente vá a uma máquina de banco 24h em Tóquio ou em Tel-Aviv (ou em quase todas as cidades mais importantes do mundo) e a máquina vai convenientemente repassar a você notas de yen ou shekel, respectivamente, debitando em sua conta bancária em sua moeda local. Efetivamente, seu cartão de crédito ou de débito já funciona como uma moeda comum.

Na maioria, os “grandes” participantes financeiros gostam do sistema do jeito que ele é agora. Transações de câmbio entre as moedas existentes geram altos rendimentos para as instituições financeiras. Mais importante ainda é que um sistema de muitas moedas permite uma maior reserva financeira para manipulação e jogos nefastos a serem praticados ao redor do mundo.

Será que nós veremos a contínua convergência no número de moedas correntes no mundo? Isto é bem possível. Muitas novas moedas estão no quadro de desenhos. Por exemplo, os seis membros do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) quiseram formar uma moeda única, o khaliji, embora nos últimos momentos os Emirados Árabes Unidos tenham retirado seu apoio. Desde então eles acharam necessário adiar esses planos. Também, uma série de nações asiáticas concordou em acelerar seus planos para formar uma moeda comum. Poderíamos dedicar muitas páginas para documentar outros planos semelhantes ou os pontos de vista favoráveis de vários legisladores globais e economistas. Talvez, de maior significação nos tempos recentes seja a iniciativa das nações do G20 (Grupo dos Vinte) de expandir o uso do DES (direito especial de saque). Esta é uma unidade de princípios teóricos de contabilidade do Fundo Monetário Internacional que há muito representa um tipo de moeda única. Poderia esta ser a nova moeda única do mundo? Em certo sentido, já é, tendo sido apresentada pela primeira vez em sua forma atual em 1969.

Se você estiver aguardando uma nova ordem mundial monolítica ou uma moeda única, seus olhos podem estar fora da ação real.
A despeito do aparente empurrão para harmonizar as moedas correntes, hoje há, na verdade, mais moedas e bancos centrais no mundo do que havia cinqüenta anos atrás. Aproximadamente duzentas moedas diferentes ainda existem. Mas, há um sistema que funciona como uma moeda única mundial de fato? Definitivamente que sim. Existe um sistema de moeda única mundial em funcionamento que é mais do que adequado como ferramenta para uma coalizão de dez nações com o qual se pode ameaçar o mundo.

Tudo que é necessário, neste aspecto, para os acontecimentos dos últimos dias já está operativo exatamente agora. Se você estiver aguardando uma nova ordem mundial monolítica ou uma moeda única, seus olhos podem estar fora da ação real. Você precisa ser como Didi e Gogo da famosa peça de teatro de Beckett, inutilmente esperando que Godot chegasse. Esses acontecimentos não são apenas especificamente desnecessários profeticamente, mas os acontecimentos de real importância podem estar em uma forma inteiramente diferente do que a maioria das pessoas está esperando. Como é a nossa esperança, em todo caso, estamos esperando por algo muito diferente disso tudo: o retorno de Jesus Cristo, que permanece iminente.

Pensamentos para ponderar

Deus nunca permitirá à humanidade dar a desculpa de não ter conhecido a verdade da Sua existência. Ele revela mais àqueles que O buscam e que procuram conhecer a verdade. É o grande prazer de Deus que essas pepitas adicionais da verdade fiquem parcialmente escondidas. Elas são como pérolas preciosas reservadas para os que buscam e pelos de Beréia e não devem ser jogadas diante de escavadores e pensadores relaxados.

O fato estimulante é que toda a informação necessária para entendermos nossos tempos está mais disponível hoje do que jamais esteve. Tudo de que precisamos é um pouquinho de investigação e bom senso. E, temos o imperativo bíblico para fazer assim: “E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as” (Ef 5.11).

O mundo se apega obstinadamente a uma crença no progresso humano sem Deus a despeito dos reveses das guerras mundiais recorrentes, dos desastres naturais, das repetidas atrocidades humanas e das quedas dos ídolos dos sistemas monetários e econômicos.

Todas as realizações do homem – a tecnologia (técnicas de produção, aumento da produtividade) e o acúmulo de riqueza – não são simplesmente resultado do nosso esforço e determinação. Deus é o autor de toda a criação, seus ciclos, suas propriedades naturais, tanto do que há no mundo quanto embaixo da terra e todas as possibilidades da tecnologia. A tecnologia e os sistemas financeiros possuem seus bons usos. Ao contrário, o coração do homem é o problema – a atitude idólatra de autodeterminação e de independência de Deus.

A tecnologia e os sistemas financeiros possuem seus bons usos. Ao contrário, o coração do homem é o problema.
Finalmente, as escolhas da humanidade serão julgadas. Um período de tribulação está adiante. Depois dele, vem a restauração. Isaías confirmou algumas das condições para depois desse tempo. Por exemplo, o sistema monetário baseado na Babilônia será destruído e “Nunca, jamais será habitada, ninguém morará nela de geração em geração” (Is 13.20); o governo das elites e dos ímpios terminará (Is 14.5); condições de paz prevalecerão (Is 14.7) e nenhuma atividade voraz destruirá a terra em sua busca por lucros (Is 14.8).

Aqueles que crêem no Deus de Israel e aceitam o dom da salvação através de Seu Filho cantarão em alta voz: “Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor!” (Ap 5.12).

E, definitivamente, o mundo está procurando um salvador campeão neste exato momento. Assim alardeia o título de uma recente reportagem econômica: “China: o Salvador do Mundo!”[1] A capa da revista Forbes recentemente proclamou em alta voz o título: “O Capitalismo Nos Salvará!” Um famoso jornalista escreveu recentemente: “Estamos salvos. Em meio aos entulhos dos mercados financeiro mundiais, podemos captar uma visão dos fundamentos de uma nova ordem internacional. A grande lição da crise foi aprendida: não podemos escapar de nossa dependência mútua”.[2]. Estes comentários revelam que o mundo está procurando por um salvador econômico, não o Eterno.

Procuramos nosso Salvador em todos os lugares. O apóstolo Paulo disse aos filipenses: “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória” (Fp 3.20-21).

Enquanto o mundo debanda em direção a uma maior interconectividade global e a estados extremos de idolatria comercial em sua busca pela segurança dos grãos e do pão, ele ignora completamente o verdadeiro pão. “Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo” (Jo 6.33). “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente” (Jo 6.51).


Notas:

Global Economic Research, “Economic Cycles”, October 31, 2008, Société General.
Philip Stephens. “Globalisation and the New Nationalism Collide”, Financial Times, October 24, 2008.



Continue Reading…

sexta-feira, 20 de março de 2015

Está Consumado! As Últimas Palavras de Jesus


Por Marcel Malgo no portal Chamada

Vejamos três aspectos das duas últimas palavras de Jesus na cruz: a obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta já passou!

João 19.28-30 relata: “Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca. Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito”.

Essas últimas palavras de nosso Senhor – “Está consumado!” – poderiam ser traduzidas por: “Está concluído!”, “Está feito!”, “Acabou!” Partindo das últimas palavras de Jesus, vamos pensar um pouco mais sobre o sentido delas.

Está consumado, a obra está concluída!

Quando Jesus Cristo morreu na cruz do Gólgota, estava concluída a maior obra já iniciada nesta terra. Foi uma obra tão infinitamente grande – e acima de tudo tão difícil –, que deixava Jesus muito angustiado antes mesmo de começar. Quando todo o caminho de sofrimentos ainda se encontrava à Sua frente, Ele falou as comoventes palavras: “Eu vim para lançar fogo sobre a terra e bem quisera que já estivesse a arder. Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize! (Lc 12.49-50).

Jamais deveríamos nutrir a concepção errônea de que foi algo fácil para o Filho de Deus começar essa grande obra de salvação aqui na terra – e principalmente finalizá-la plenamente. Quando Jesus falou sobre o grão de trigo que deve morrer antes de produzir frutos, confessou abertamente: “Agora, está angustiada a minha alma...” (Jo 12.27). Angustiada, abalada, consternada estava a alma de nosso querido Salvador ao pensar no que iria enfrentar.

É estranho que Ele tenha se expressado dessa forma? Não. Bem antes da cruz Ele já sofria indizivelmente. A luta no Getsêmani custou muito suor, lágrimas e até gotas de sangue ao nosso Senhor. Ali Ele foi tomado de uma agonia tão grande que sentiu angústias de morte, literalmente. E pensemos ainda na Sua condenação e em tudo o que fizeram com Ele antes de morrer. Teve de suportar a terrível flagelação romana, um sofrimento que muitos condenados nem suportavam e morriam ainda antes da execução. Foi colocado um manto púrpura sobre Seus ombros machucados e uma coroa de espinhos em Sua cabeça. Essa coroa de espinhos não foi depositada gentilmente, mas com força bruta que fez o sangue jorrar. Apanhou com uma vara, que enterrou ainda mais os espinhos da coroa em Sua cabeça. E a própria execução, na cruz, ainda nem havia começado!

Precisamente com este propósito vim para esta hora. Pai, glorifica o teu nome...
Essa cruz era tão terrível, a escuridão tão profunda, as dores tão infernais, a sede tão insuportável, a solidão tão excruciante que o coração do martirizado Cordeiro de Deus clamou ao Pai: “Tu, Senhor, não te afastes de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. Livra a minha alma da espada, e, das presas do cão, a minha vida. Salva-me das fauces do leão e dos chifres dos búfalos; sim, tu me respondes”. Esse é o Salmo 22, um salmo profético que fala do sofrimento do Messias, especialmente nos versículos 19-21, onde esse clamor do Cordeiro de Deus já transparece antecipadamente.

Não devemos pensar, contudo, que em algum momento nosso Salvador tenha perdido o juízo ou tentado se desviar do caminho de sofrimentos que esperava por Ele. Jesus explicou em João 12.27-28: “Agora, está angustiada a minha alma, e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Mas precisamente com este propósito vim para esta hora. Pai, glorifica o teu nome...”. Em momento algum Jesus tentou desistir. Seu propósito era consumar a obra que Lhe estava destinada. O caminho era indizivelmente doloroso, a angústia era enorme, mas Ele seguiu Seu rumo até a morte, e morte de cruz. Das profundezas de sua tortura Ele conseguiu dizer: “Está consumado!” Sim, a obra estava concluída, de uma vez por todas. Consumá-la exigiu um altíssimo preço, mas Jesus agüentou até o amargo fim e realizou-a plenamente.

Está consumado, a tarefa foi cumprida

Com a morte de nosso Salvador na cruz do Calvário estava cumprida a mais grandiosa missão jamais entregue a alguém. Nosso Senhor morreu como Filho de Deus na cruz, mas como homem legítimo suportou toda a tortura envolvida no cumprimento de Sua incumbência. O tempo passava, hora após hora, e Ele se mantinha firme, padecendo as dores mais cruéis para cumprir a maior e mais difícil tarefa jamais imposta a algum homem sobre esta terra.

O Filho de Deus foi incumbido da difícil tarefa de salvar a humanidade ainda antes da fundação do mundo. Quem já existia antes da fundação do mundo? Deus, o Pai. E quem mais? Ninguém menos do que o Filho de Deus, Jesus Cristo. Miquéias, ao anunciar a vinda do Messias, diz que Suas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade (Mq 5.2). Nosso Senhor já existia antes da criação do mundo. Naquele tempo, um profundo amor caracterizava a comunhão entre Pai e Filho. Na Oração Sacerdotal o próprio Jesus disse a Seu Pai: “tu me amaste antes da fundação do mundo” (Jo 17.24). Quando ainda não havia nada do que viria a ser criado, o Pai e o Filho já existiam, ligados em um amor imenso. Nesse tempo o Filho foi encarregado da mais árdua tarefa de todos os tempos. Ele, o mais amado do Pai, foi feito Cordeiro de Deus. Apocalipse 13.8 explica que Ele “foi morto desde a fundação do mundo”.

Nesse ponto somos confrontados com um contraste muito forte: por um lado, o Pai ama Seu Filho acima de tudo. Mas, por outro lado, é justamente esse Filho o predestinado ao matadouro, para vir a ser o Cordeiro de Deus. É assim que se expressa o amor de um pai por seu filho? Ainda antes da fundação do mundo aconteceu mais um fato que alvoroçaria de forma indescritível tanto o céu como a terra. Esse evento tinha um vínculo muito próximo com a grande e pesada tarefa de Jesus Cristo. Paulo a descreve assim: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo... como nos escolheu antes da fundação do mundo... e, em amor, nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo...” (Ef 1.3-5). Antes da fundação do mundo Deus o Pai, em Seu insondável amor, já decidira que nós, pessoas deste mundo, nos tornaríamos filhos Seus! Mas para que isso viesse a se concretizar, alguém tinha de cumprir uma tarefa imensamente pesada e árdua: expiar os pecados que todos nós cometemos.

Sem expiação jamais poderíamos clamar “Aba, Pai!” (veja Romanos 8.15). Nós mesmos jamais poderíamos realizar essa tarefa, pois expiar pecados diante do Deus santo significa morrer. E dessa forma jamais teríamos nos tornado filhos de Deus, uma vez que teríamos morrido por causa dos nossos pecados. Portanto, alguém teve de morrer em nosso lugar para expiar nossa culpa, alguém que não tivesse pecado e não precisasse ser castigado por seus próprios pecados. E existe somente um, no céu e na terra, que preenche esse requisito, e este alguém é o amado e único Filho de Deus, Jesus Cristo.

Não é de admirar que Pedro tenha exclamado cheio de júbilo: “sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós” (1 Pe 1.18-20).

Antes da fundação do mundo o Pai amava seu Filho primogênito, Jesus Cristo. E antes da fundação do mundo nós também fomos escolhidos para sermos filhos de Deus; o reino do Pai foi preparado para nós, os herdeiros. E antes da fundação do mundo o amado primogênito foi eleito para cumprir a mais difícil de todas as tarefas: morrer como Cordeiro de Deus na cruz do Calvário – em nosso favor.

Diante de uma obra de salvação tão maravilhosa, só nos resta expressar toda a nossa adoração, nossa admiração e nossa gratidão. Como foi que nosso Senhor e Salvador reagiu quando confrontado com a tarefa que iria lhe custar a vida de uma forma tão horrível? Sua reação foi quase inacreditável: “Então, eu disse: eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito; agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração está a tua lei” (Sl 40.7-8). “Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou a realizar a sua obra” (Jo 4.34). “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou” (Jo 6.38). É impressionante ver que o Filho amado do Pai demonstrasse tamanha disposição de se tornar o Cordeiro de Deus! Jesus Cristo morreu na cruz do Gólgota cumprindo a mais difícil tarefa de todos os tempos. E hoje todos nós podemos testemunhar com muita alegria: A tarefa está cumprida! Está consumado!

Está consumado, a luta terminou!

A obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta do Cordeiro de Deus já passou, definitivamente! O que isso deve ter significado para o Senhor no momento em que falou: “Está consumado!”? Como Ele deve ter se sentido quando chegou ao final de Sua dolorosa e cruenta jornada e Sua luta chegou ao fim? Com nossa mente limitada nem conseguimos compreender esse grandioso fato. Mas sem dúvida houve triunfo imenso nos céus quando o Cordeiro de Deus venceu no Gólgota. O próprio Jesus Cristo havia explicado que haveria muita alegria entre os anjos de Deus por um pecador que se arrepende (Lc 15.10). Quanto maior deve ter sido a alegria dos céus, quanto mais grandioso deve ter sido o júbilo quando o Cordeiro de Deus retornou como herói triunfante!

Percebemos um pouco desse triunfo no novo cântico que os vinte e quatro anciãos entoam em honra ao Cordeiro de Deus: “Digno és de tomar o livro e abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação” (Ap 5.9).

Qual é o objeto do grande triunfo de nosso Senhor? Qual é seu despojo de vitória? Apocalipse 5.9 responde muito bem a essas perguntas quando posto lado a lado com o versículo 10: “e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes e reinarão sobre a terra”. O grande triunfo de nosso Senhor, aquilo que fazia Sua vitória tão magnífica, tão grandiosa e tão incomparável, somos nós. Nós somos Seu triunfo, nós somos Sua recompensa, a parte que Lhe cabe por direito!

Nós somos a recompensa pelas Suas dores indizíveis. Você faz parte dos comprados pelo sangue do Cordeiro?
Mas tem ainda mais: Nós somos a recompensa pelas Suas dores indizíveis: “Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si” (Is 53.11). Por ter se empenhado, Ele verá o fruto e receberá a plenitude, que é a multidão de pessoas que têm a vida eterna por meio de Sua morte. Sim, a luta findou, o Cordeiro venceu, Sua recompensa é imensa.

Você faz parte?

Você faz parte dos comprados pelo sangue do Cordeiro? Você é parte da recompensa que o Salvador recebeu por Suas dores indescritíveis? A morte dEle já se tornou vida para você? Por favor, entenda bem o que aconteceu lá no Gólgota: Cristo morreu por você, por você pessoalmente. Ele morreu porque o Pai celestial lhe ama a ponto de entregar Seu amado Filho à morte (Jo 3.16).

Você já foi até Jesus com toda a sua carga de pecados? Quando Jesus exclamou “Está consumado!”, uma anistia geral foi proclamada a todas as pessoas do mundo inteiro. A partir desse momento qualquer pessoa, por mais ruim, pecadora ou suja que esteja, pode vir a Jesus e receber dEle a garantia de estar liberta para todo o sempre! Essas duas últimas palavras de Jesus na cruz do Gólgota são capazes de transformar pobres pecadores, pecadores perdidos e imundos, em filhos de Deus perdoados e felizes. Diante dessas palavras magníficas, diante de todo o profundo significado que elas representam, eu pergunto: você está salvo hoje e por todo o sempre?

Você pode testemunhar e confessar que essas duas palavras transformaram completamente a sua vida? Quando Jesus declarou “Está consumado!”, Sua luta tinha chegado ao fim. E você? Sua luta também já terminou? Você também pode exclamar com júbilo “Está consumado!” e refugiar-se no Salvador. Ele sofreu por você, Ele sangrou por você, Ele lutou por você. Nele você encontra a paz. Ele espera por você. Sua obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta já passou! Agora o céu está aberto para cada um de nós!
Continue Reading…

sexta-feira, 13 de março de 2015

Uma sociedade cada vez mais descrente


Por Alderi Souza de Matos em Ultimato

Um fenômeno que vem sendo detectado no Ocidente há bastante tempo é o crescimento do ceticismo religioso, da indiferença por preocupações de natureza transcendente. Por diferentes razões apontadas pelos sociólogos e antropólogos, o chamado “homem moderno” é bem menos religioso que os seus antepassados. Claro, esse não é um fato generalizado. Existem grupos, especialmente étnicos, em que a religião continua atraindo a atenção da grande maioria dos indivíduos. No entanto, a secularização da sociedade como um todo é um fato inquestionável e tende a crescer no futuro previsível, inclusive em países como o Brasil. Essa constatação representa um grande desafio e uma valiosa oportunidade para os cristãos.

Exemplos norte-americanos

A questão de fé e incredulidade varia muito de um lugar para outro, de uma época para outra. É interessante considerar o que ocorreu na Nova Inglaterra puritana do final do século 17. Quando os puritanos (calvinistas ingleses) chegaram à América do Norte, a partir de 1620, eles eram extremamente fervorosos em suas convicções religiosas. A leitura da Bíblia, as devoções domésticas e a freqüência aos cultos eram características marcantes desse grupo. Em certo sentido, o puritanismo foi um avivamento contínuo, em que as atividades religiosas ocupavam um lugar extremamente importante na vida da maior parte das pessoas. Todavia, algumas gerações mais tarde, depois que os puritanos prosperaram grandemente na nova terra, sua religiosidade experimentou um acentuado declínio, lamentado pelos pregadores da época.

O final do século 18 também foi um período de declínio religioso nos Estados Unidos. Décadas antes havia ocorrido uma série de avivamentos conhecida como o Primeiro Grande Despertamento. Findo esse período, as pessoas passaram a ter maior interesse por questões políticas e econômicas do que por assuntos religiosos. Foi a época da Revolução Americana, seguida pela independência dos Estados Unidos. É um fato conhecido que entre os pais da nova nação estavam homens bem pouco religiosos, pelo menos no sentido tradicional, como Thomas Jefferson e Benjamin Franklin, influenciados pelo deísmo iluminista. Verifica-se que há uma relação entre o nível socioeconômico e intelectual das pessoas e a sua religiosidade ou irreligiosidade. Todavia, essa regra tem exceções. Enquanto a Europa atual experimenta um fortíssimo processo de secularização e aumento do ateísmo, isso não ocorre com tanta intensidade nos Estados Unidos.

A situação brasileira

Como fica nessa questão o Brasil, um país tradicionalmente muito religioso? A religiosidade brasileira tem sofrido profundas transformações desde as últimas décadas do século 20, com o declínio numérico dos católicos, o pequeno crescimento dos espíritas e protestantes históricos e a acelerada expansão das igrejas pentecostais e neopentecostais. Outro dado revelador é o contínuo crescimento percentual daqueles que não se identificam com nenhuma confissão religiosa. Segundo o último Censo Geral do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado no ano 2000, 12,5 milhões de habitantes se declararam “sem religião” (de um total de 170 milhões). A título de comparação, o número estimado de pentecostais no mesmo ano era de 17,6 milhões. De lá para cá é provável que esse número tenha aumentado.

É claro que, em matéria religiosa, os levantamentos são sempre relativos e devem ser encarados com cautela. Muitas pessoas podem declarar aos recenseadores que não possuem nenhuma religião no sentido de não estarem formalmente filiadas a nenhuma confissão religiosa, o que não significa que não tenham a sua própria religiosidade privada, individual e informal. É provável que muitas delas freqüentem ocasionalmente cultos neopentecostais, sessões espíritas ou terreiros de umbanda, movidas pela curiosidade, desejo de contatos sociais ou por algum interesse supersticioso. Todavia, em certas camadas da sociedade certamente o sentimento religioso e a filiação religiosa estão em declínio.

Ao se falar a respeito de irreligião, é importante fazer algumas distinções. Em primeiro lugar, existem os incrédulos no sentido absoluto, aqueles que não possuem nenhuma convicção religiosa, nenhum senso de um ser transcendente, tais como ateus, materialistas e agnósticos de diferentes tipos. Há também os descrentes no que diz respeito ao cristianismo, ou seja, adeptos de outras religiões ou das novas religiosidades ou espiritualidades dos tempos pós-modernos. Finalmente, existem os descrentes práticos, aqueles que crêem teoricamente, mas vivem como se não cressem, isto é, são crentes meramente nominais. Os seus filhos tendem a se afastar por completo da fé.

Causas da incredulidade

Nem sempre é fácil identificar as causas do ceticismo ou do desinteresse religioso, mas algumas possibilidades são as seguintes: (a) prosperidade socioeconômica: a posse de bens e privilégios materiais dá às pessoas uma sensação de poder, segurança e auto-suficiência; (b) a influência da mídia: programas de televisão, livros e revistas populares defendem abertamente um ideário secular, materialista e, por vezes, anticristão; (c) a educação secundária e a superior transmitem uma visão de mundo em que não há nenhum lugar para a transcendência, para a espiritualidade; os departamentos de muitas universidades são controlados por materialistas de diversos tipos; (d) a popularização das teorias científicas naturalistas sobre as origens do ser humano, da vida e do universo; (e) dificuldades e perplexidades existenciais: muitas pessoas têm dificuldade de conciliar tragédias e sofrimentos com a existência de Deus.

Um fator adicional muito importante é o freqüente mau exemplo ou incoerência das religiões e dos religiosos. As guerras religiosas e a intolerância da época da Reforma Protestante (séculos 16 e 17) contribuíram para o surgimento do Iluminismo, com sua rejeição do cristianismo histórico. Nos dias atuais, vê-se o ressurgimento do fanatismo, extremismo e fundamentalismo religioso, que têm resultado em algumas das mais horrendas manifestações de violência do mundo contemporâneo. Esses fatos produzem antipatia para com a religião em muitas mentes. Por outro lado, multiplicam-se no Brasil os casos de curandeirismo, charlatanismo e exploração emocional e financeira das pessoas por diferentes grupos religiosos. Além disso, tornaram-se corriqueiras as irregularidades éticas de muitas igrejas e líderes religiosos, fazendo com que muitos associem a religião com toda espécie de coisas condenáveis.

Conclusão

Essas realidades representam um sério desafio para as igrejas evangélicas. Se elas quiserem restaurar a credibilidade da fé cristã diante do mundo incrédulo, devem, em primeiro lugar, praticar um evangelismo íntegro e bíblico. Isso implica anunciar não só as promessas, mas as exigências do evangelho; mostrar não só um interesse pelas almas, mas pelo ser humano integral; buscar não só a transformação de indivíduos, mas da sociedade como um todo. Outra necessidade imperiosa é a ênfase na boa apologética, ou seja, o esforço de proporcionar às pessoas argumentos sólidos sobre a veracidade e relevância do cristianismo, de uma visão cristã da vida. Finalmente, é preciso haver coerência entre fé e conduta, lembrando que os exemplos valem mais que muitas palavras. A realidade de uma sociedade cada vez mais incrédula -- e ao mesmo tempo mais angustiada e perplexa diante de tantos problemas e indagações -- exige um renovado empenho dos seguidores de Cristo em testemunhar da sua fé, das boas novas de vida e esperança presentes no evangelho.
Continue Reading…

sexta-feira, 6 de março de 2015

O Meu Viver é Cristo


Por Thomas Lieth no portal Chamada

Talvez para você essa declaração nem seja muito significativa. “O meu viver é Cristo. Cristo é minha vida” – claro que é. Se não fosse Ele, quem seria? Mas pare um pouco e pense. Não seja tão rápido em concordar comigo.

Paulo escreveu a carta que contém essa afirmação à igreja de Filipos: “para mim, o viver é Cristo” (Fp 1.21). Quando a lemos, percebemos que é um texto cheio de alegria, onde Jesus é engrandecido e glorificado. Resumindo, é um livro cheio de encorajamento para os crentes da igreja em Filipos. Por isso ficamos tão surpresos quando descobrimos que Paulo era prisioneiro quando a escreveu. É completamente extraordinário e surpreendente que ele escreveu um texto tão encorajador, cheio de tanto louvor a Deus, naquela situação. O normal seria esperar justamente o oposto da parte de um prisioneiro: Paulo precisando urgentemente de encorajamento e alento. Mas era ele quem animava os cristãos de Filipos.

Em Filipenses 1.12-14 podemos ler como ele até tirava proveito de sua prisão para espalhar o Evangelho: “Quero ainda, irmãos, cientificar-vos de que as coisas que me aconteceram têm, antes, contribuído para o progresso do evangelho; de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a guarda pretoriana e de todos os demais; e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a palavra de Deus”. Você consegue exclamar com a mesma paixão de Paulo: “para mim, o viver é Cristo!”?

Essa é uma prova bem evidente de que, na prisão, Paulo não amaldiçoava seu destino nem estava desesperado por estar ali. Mesmo naquelas circunstâncias, ele tinha só um alvo em mente, que era falar aos outros do amor de Jesus. Pela carta ficamos sabendo que ele era cheio do Espírito Santo e, por isso, tinha condições de dizer conscientemente: “para mim, o viver é Cristo”. Essa não era uma frase vazia, que vinha fácil aos seus lábios. Basta relembrar um pouco do ministério de Paulo, de tudo o que ele desejava alcançar no campo missionário, das viagens que planejava fazer, dos lugares que ainda queria visitar para pregar o Evangelho – e agora, de repente, no meio de intensa atividade para Deus, todos os seus planos foram frustrados e ele encontrava-se confinado entre as paredes de uma prisão. Apesar disso, ele ainda tinha a convicção de que “Cristo é minha vida”.

Cristo é sua vida também? Para você, o viver é somente Cristo? Quem condiciona e dirige sua vida? Você consegue exclamar com a mesma paixão de Paulo: “para mim, o viver é Cristo!”?

Não seria o dinheiro o que desempenha o papel central na nossa vida tão agradável? Ou, se não for o dinheiro, talvez seja nossa aparência, nossa fama ou aquilo que os outros pensam de nós? Será que o mais importante é ver os outros falando bem de nós e nos saudando com deferência? “Olhem para mim! Eu sou tão legal! Vejam como me oferecem o melhor lugar!” Ou será que a essência da nossa vida é nos divertir até não poder mais? O lazer está no topo da nossa lista de prioridades?

Em Lucas 12.34 está escrito: “Onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração”. Onde está o seu tesouro? Onde está seu coração? No banco, junto da conta número 4875? Ou no mundo, com as celebridades e os famosos? No campo de futebol? Na televisão? Na internet?

Nosso tesouro está nos céus – pelo menos é ali que ele deveria estar – e por isso nosso coração deveria ser direcionado para as coisas celestiais e não para as terrenas. Amar a Jesus, segui-lO e obedecê-lO deveria condicionar nossa vida, não outra coisa qualquer.

Cada um examine a si mesmo! Dizer na teoria: “para mim, o viver é Cristo” , é fácil e não representa nenhum problema para nós, cristãos; mas se nos examinarmos pensando no que isso realmente quer dizer, ficaremos vermelhos de vergonha. Eu fico! Por quê? Porque sei que nem sempre o meu viver é exclusivamente Cristo.

E você? Essa confissão também está longe de ser realidade no seu viver? São palavras bonitas mas representam apenas uma declaração banal, sem qualquer vínculo com sua vida real? Na vida de Paulo isso não era apenas uma declaração da boca para fora. Ele vivia o que dizia. E só tinha um alvo em mente: falar do amor de Jesus, independentemente do lugar, da hora e das circunstâncias! Eu desejo muito que essa também seja nossa experiência real!
Continue Reading…

quinta-feira, 5 de março de 2015

As orações de alguns cristãos têm mais eficácia que de outros?


Por Mark Jones em Reforma 21

Todos os cristãos professos oram com a mesma eficácia? Nossa santidade ou a falta dela afetam nossas orações em termos da influência que elas têm sobre a resposta de Deus a elas? Não há dúvida de que nosso pecado tem o poder de criar obstáculos para nossas orações (Sl 66.18; Pv 28.9; Is 59.2; Jo 9.31; Tg 4.3; 1 Pe 3.7). Então, se o pecado pode criar uma barreira invisível entre Deus e o seu povo ou um indivíduo, e quanto ao contrário?

Quando falamos sobre as orações de um justo em Tiago 5.16, por exemplo, eu creio que não estamos falando necessariamente de todo cristão professo. (Embora todo cristão possa e deva aproximar-se do trono de graça em nome de Cristo). Tiago parece estar abordando algo diferente. Provavelmente, ele tem em mente a ideia de que alguns cristãos possuem uma eficácia peculiar em suas orações porque eles são peculiarmente piedosos. Essas pessoas têm grande fé e possuem um dom para orar frequente e fervorosamente. Nem todos os cristãos têm o mesmo dom de oração fervorosa no Espírito. Se ele não tinha isso em mente, ele poderia simplesmente dizer: “ore por você mesmo”.

Pense nisso a partir da perspectiva de Cristo, o homem de oração par excellence.

As orações de Cristo eram eficazes por diversas razões. Ele orava fervorosa e frequentemente, sempre em fé. Mas ele também entendia a vontade de Deus. Muito antes de Cristo, Elias orou para que a chuva fosse detida. Ele não pediu isso porque lhe pareceu uma boa ideia. Pelo contrário, sua petição se baseava nas Escrituras: Deus ameaçou várias maldições contra o povo, inclusive seca (Dt 28.22,24). Tiago menciona a exemplar “oração feita por um justo”, Elias, para mostrar que ela “pode muito em seus efeitos” (Tg 5.16). Se Elias continua sendo esse exemplo para nós, quanto mais Jesus em suas orações terrenas.

Em João 17, Jesus pediu que Deus cumprisse suas promessas feitas a ele como o Filho. Ele não era presunçoso, uma tendência particularmente abominável que aflige o povo de Deus, mas diligente em “lembrar” seu Pai de suas promessas a Jesus e seu povo. Essa persistência não parou depois que ele ofereceu sua oração sumo-sacerdotal, mas continua no céu até que tudo esteja consumado (conforme corretamente argumentou Jacob Armínio!).

Cristo foi prometido aos gentios (Is 49.1-12), então ele intercedeu por eles (Jo 17.20). A ele foi prometido glória (Dn 7.13,14), então ele a pediu (Jo 17.1-5). Nós não temos razão para duvidar que ele, durante sua vida terrena, pediu por tudo que foi legitimamente prometido a ele.

Falta de fé impediu os discípulos de conseguir expulsar um espírito imundo de um garoto (Mc 9.17-23). Cristo, o homem de oração e homem de fé, pôde fazer o que os discípulos incrédulos não poderiam. As orações e fé de Cristo foram responsáveis, juntamente com o Espírito (veja Mt 12.28), pela expulsão do demônio. Em outras palavras, Cristo não esperava uma coisa dos discípulos e algo diferente para si.

Em outro lugar, lemos sobre as orações de Cristo e a razão por que ele era ouvido: ele era ouvido por causa de sua reverência (Hb 5.7).

Esse princípio também tem relação conosco ou Tiago está simplesmente se referindo a todos os cristãos porque todos os cristãos possuem a justiça imputada de Cristo?

Considere as palavras do Apóstolo João: “… E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista” (1 Jo 3.22). Esse verso deixa claro que receber de Deus está conectado com obedecer a Deus.

Em outras palavras, ambicione as orações dos justos (Lc 1.6, 23.50). Ambicione as orações daqueles que cumprem a vontade de Deus, não daqueles que afirmam pertencer a Deus mas negligenciam sua vontade (Mt 7.21).

Deus ouve o piedoso e ele responde suas orações. Mas, quanto àqueles que não cumprem sua vontade, as Escrituras não poderiam ser mais claras.

Assim, concordo plenamente com Sinclair Ferguson, que escreve: “É por isso que a verdadeira oração nunca pode ser divorciada de santidade real. A oração da fé somente pode ser feita pelo homem ‘justo’ cuja vida está sendo mais e mais alinhada com a graça da aliança e os propósitos de Deus. No domínio da oração também… a fé sem obras é morta”.

Portanto,

Há alguns cujas orações são impedidas por várias razões.
Há alguns que conhecem a vontade de Deus, oram com grande fé, guardam os mandamentos de Deus e, assim, têm orações eficazes. É por isso que o homem, Jesus Cristo, orou com tanta eficácia.
Se Satanás treme quando vê o mais fraco cristão de joelhos, imagine quando Cristo estava de joelhos.


Traduzido por Josaías Jr | Original aqui




Continue Reading…

terça-feira, 3 de março de 2015

Teologia Bíblica e o Culto de Adoração


Por Bobby Jamieson em Ministério Fiel

O que exatamente nós estamos fazendo quando nos congregamos como igreja para a adoração? E como nós sabemos o que devemos fazer nesses ajuntamentos semanais?

Naturalmente, cristãos evangélicos se voltam para a Escritura a fim de obter orientação nessas questões, mas em que lugar da Escritura nós procuramos? Há muito sobre adoração no Antigo Testamento – sobre orações, sacrifícios, corais, címbalos e tanto mais. Mas será que todo aquele material de fato se aplica aos ajuntamentos de crentes na nova aliança?

A fim de responder essas questões, nós precisamos de uma teologia bíblica da adoração.[1] Teologia bíblica é a disciplina que nos ajuda a observar tanto a unidade como a diversidade, tanto a continuidade como a descontinuidade, em meio ao vasto enredo da Escritura.

Neste artigo esboçarei, muito brevemente, uma teologia bíblica da adoração corporativa. Quatro passos nos levarão até lá: (1) a adoração congregacional no Antigo Testamento; (2) o cumprimento em Cristo; (3) a adoração congregacional no Novo Testamento; (4) lendo toda a Bíblia para a adoração corporativa.

1. A adoração congregacional no Antigo Testamento

Desde que o povo de Deus foi banido de sua presença depois da queda, em Gênesis 3, Deus tem trabalhado para ajuntá-los novamente para si mesmo.[2] Assim, quando Israel sofria em cadeias no Egito, Deus o resgatou não apenas para que ele fosse liberto da opressão, mas para que ele o adorasse em sua presença (Êxodo 3.12, 18). Deus guiou o seu povo para fora do Egito e os trouxe ao lugar da sua própria habitação (Êxodo 15.13, 17).

Onde é esse lugar de habitação? No princípio, é o tabernáculo, a elaborada tenda na qual os sacerdotes ofereciam sacrifícios pelos pecados e impurezas do povo. Nós lemos em Êxodo 29.44-46: e consagrarei a tenda da congregação e o altar; também santificarei Arão e seus filhos, para que me oficiem como sacerdotes. E habitarei no meio dos filhos de Israel e serei o seu Deus. E saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, que os tirou da terra do Egito, para habitar no meio deles; eu sou o SENHOR, seu Deus.

O objetivo do êxodo era que Deus habitasse no meio do seu povo. Ele faz isso por meio do santo lugar (tabernáculo) e de indivíduos (sacerdotes) designados para aquele propósito.

Quando Deus tirou Israel do Egito, ele o tomou para si como o seu povo. E o modo como ele confirmou esse novo relacionamento com Israel foi firmando uma aliança com ele, geralmente chamada de “aliança mosaica”. Em Êxodo 19, o Senhor lembra ao povo o que havia feito por ele ao resgatá-lo do Egito e, então, promete que, se ele obedecer aos termos da sua aliança, será a sua possessão peculiar (Êxodo 19.1-6).

O Senhor confirmou essa aliança com o povo em Êxodo 24 e todas as leis de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio expõem os termos dessa aliança. Todos esses detalhes especificam como o povo de Deus deve viver com Deus e uns com os outros nessa aliança específica que Deus firmou com ele. Assim, os detalhados sacrifícios e os rituais de purificação descritos em Levítico são um meio de reparar as brechas na comunidade da aliança. O culto mantém a aliança.

Algumas vezes ao ano, todos os israelitas eram ordenados a se congregarem perante o Senhor no seu tabernáculo, para as festas da Páscoa, das primícias, e assim por diante (Levítico 23). À parte dessas festas, a oferta regular dos sacrifícios era conduzida pelos sacerdotes e os indivíduos israelitas vinham ao tabernáculo (e, posteriormente, ao templo) apenas quando precisavam oferecer um sacrifício específico pelo pecado ou pela impureza.

Em outras palavras, para Israel, a adoração corporativa era uma ocasião especial, que se dava apenas poucas vezes no ano. A adoração, entendida como devoção exclusiva ao Senhor, era algo que os israelitas eram chamados a fazer em todo tempo (Deuteronômio 6.13-15). Mas, no sentido de ter íntimo acesso à presença de Deus, a adoração estava restrita a pessoas, lugares e ocasiões específicos. Deus habitava no meio do seu povo, sim, mas essa presença estava restrita ao tabernáculo e era protegida pelos sacerdotes.

2. O cumprimento em Cristo

O ponto de virada no enredo da Escritura é a encarnação de Deus o Filho, o nosso Senhor Jesus Cristo. Todas as promessas de Deus se cumprem nele (2Coríntios 1.20). Todos os tipos do Antigo Testamento – as instituições do sacerdócio, do templo e da monarquia, os eventos do êxodo, do exílio e do retorno – encontram seu cumprimento nele. Então, a fim de entender a teologia da adoração no todo da Escritura, temos que entender como Jesus cumpre e transforma a adoração da aliança mosaica.

O tabernáculo, e posteriormente o templo, era onde Deus manifestava a sua presença no meio do seu povo; Jesus cumpre e, portanto, substitui essas estruturas da antiga aliança. João nos diz que a Palavra se fez carne e – literalmente – “tabernaculou” entre nós (João 1.14). Jesus prometeu: “Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei” (João 2.19). Em outras palavras, o corpo de Jesus agora é o templo, o lugar onde Deus encontra o seu povo, manifesta a sua presença e lida com os seus pecados (João 2.21-22). É por isso que Jesus pode dizer que vem a hora na qual os verdadeiros adoradores não mais precisarão adorar em Jerusalém, mas adorarão em espírito e em verdade (João 4.21-24).

Jesus cumpre e substitui o templo terreno de Jerusalém. Ele agora é o “lugar” onde os verdadeiros adoradores adoram a Deus.[3]

Jesus também cumpre e substitui por inteiro o sistema sacrificial associado à aliança mosaica e o seu tabernáculo e templo. A Epístola aos Hebreus nos diz que, diferentemente dos sacerdotes que precisavam oferecer sacrifícios diários, Jesus expiou os pecados do povo “uma vez por todas, quando a si mesmo se ofereceu” (Hebreus 7.27). A oferta única de si mesmo feita por Jesus não apenas purifica a carne, como os sacrifícios da antiga aliança, mas, em vez disso, purifica a nossa consciência, renovando-nos interiormente (Hebreus 9.13-14). Porque Jesus aperfeiçoou o seu povo com uma única oferta, não há mais necessidade ou ocasião para a oferta de touros e de bodes (Hebreus 10.1-4, 10, 11-18).

Jesus cumpre e substitui os sacrifícios levíticos. O seu sangue agora assegura a nossa eterna redenção (Hebreus 9.12).

Eu poderia seguir indefinidamente nessa direção. O ponto é que a obra salvadora de Jesus introduz uma virada radical no modo como Deus se relaciona com o seu povo. A nova aliança que Jesus inaugura torna obsoleta a antiga aliança, que Deus fez no Sinai, por intermédio de Moisés (Hebreus 8.6-7, 13). Agora, o povo de Deus tem os seus pecados perdoados por meio da fé no sacrifício de Jesus. Agora, o povo de Deus experimenta a sua graciosa presença por meio da fé em Cristo e na habitação do Espírito. Agora, todo o povo de Deus tem íntimo acesso a Deus (Hebreus 4.16, 10.19-22), não apenas um pequeno número de sacerdotes.

3. A adoração congregacional no Novo Testamento

O que tudo isso significa para a adoração congregacional na era da nova aliança? A primeira coisa a observar é que os termos do Antigo Testamento para a adoração são aplicados a toda a vida dos crentes. Em Romanos 12.1, Paulo escreve: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”. Agora nós não oferecemos animais como sacrifícios, mas o nosso próprio eu. A vida inteira do cristão é um ato de serviço sacrificial a Deus.

Ou considere Hebreus 13.15: “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome”. Louvor é o nosso sacrifício, o qual nós oferecemos sempre – não apenas por uma hora nos cultos oficiais de nossa igreja. O fruto de lábios que confessam o nome de Deus inclui cânticos de louvor, mas também muito mais: confessar ousadamente o evangelho em público, falar palavras de verdade e amor ao próximo, trazer toda palavra que dizemos cativa ao domínio de Cristo.

Isso significa que “adoração” não é algo que fazemos primordialmente na igreja. Em vez disso, a adoração deve permear a nossa vida inteira. Para o cristão, a adoração não está confinada a ocasiões e lugares sagrados, porque nós estamos unidos pela fé a Cristo, aquele que é o templo de Deus, e nós somos habitados pelo Espírito Santo, que nos faz tanto individualmente como coletivamente o templo de Deus (1Coríntios 3.16-17; 6.19; cf. Efésios 2.22).

O que então caracteriza a adoração corporativa na nova aliança? A leitura e pregação da Escritura (1Timóteo 4.14); o canto congregacional de salmos, hinos e cânticos espirituais (Efésios 5.18-19; Colossenses 3.16); a oração (1Timóteo 2.1-2, 8); a celebração das ordenanças do batismo e da ceia do Senhor (Mateus 28.19; 1Coríntios 11.17-34); o estímulo mútuo ao amor e às boas obras (Hebreus 10.24-25).

Uma das coisas mais admiráveis acerca da adoração corporativa na nova aliança é a persistente ênfase na edificação de todo o corpo. Paulo escreve: “Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração” (Colossenses 3.16). Nós instruímos e aconselhamos uns aos outros à medida que cantamos ao Senhor. Enquanto louvamos a Deus, nós edificamos uns aos outros. Paulo chega ao ponto de dizer que todas as coisas na assembléia reunida devem ser feitas com o objetivo de edificar o corpo de Cristo (1Coríntios 14.26).

O que há de único na reunião semanal da igreja não é que aquele é o momento de adorarmos, mas que aquele é o momento no qual nós edificamos uns aos outros ao adorarmos a Deus conjuntamente.

Por causa da nova aliança que Cristo inaugurou, a adoração congregacional na era da nova aliança tem uma feição completamente diferente da adoração congregacional na antiga aliança. Em vez de ocorrer algumas vezes no ano, a adoração corporativa é agora semanal. Em vez de se reunirem no templo em Jerusalém, os crentes se reúnem em igrejas locais onde quer que eles vivam. Em vez de a presença de Deus restringir-se ao Santo dos Santos, onde é protegida pelos sacerdotes, Deus agora habita em todo o seu povo por meio do Espírito e Cristo está presente com seu povo onde quer que eles se reúnam (Mateus 18.20). Em vez de executarem uma elaborada série de sacrifícios e ofertas, os cristãos se reúnem para ouvir a Palavra, pregar a Palavra, orar a Palavra, cantar a Palavra e ver a Palavra nas ordenanças. E tudo isso tem por objetivo a edificação do corpo em amor, para que todos nós cheguemos à maturidade em Cristo (Efésios 4.11-16).

4. Lendo toda a Bíblia para a adoração corporativa

Como então devemos nós olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine o que fazer na adoração corporativa?

Primeiro, acredito que é importante afirmar que a Escritura de fato nos ensina o que nós devemos fazer nas assembléias regulares da igreja. Lembre-se de que, embora a vida inteira seja adoração, a reunião semanal da igreja ocupa um lugar especial na vida cristã. Todos os cristãos são ordenados a se reunirem com a igreja (Hebreus 10.24-25); frequentar a igreja não é opcional para o cristão. Isso significa que, efetivamente, tudo o que uma igreja faz no culto se torna uma prática exigida dos seus membros. E Paulo insta os cristãos a não permitirem que quaisquer regras ou práticas de culto inventadas pelos homens sejam impostas à sua consciência (Colossenses 2.16-23).

Eu sugiro que esses princípios bíblicos convergem na direção daquilo que historicamente se tem chamado de “princípio regulador” do culto.[4] Em outras palavras, em suas reuniões corporativas, as igrejas devem realizar apenas aquelas práticas que são positivamente prescritas na Escritura, seja por um mandamento explícito ou por um exemplo normativo. Fazer qualquer outra coisa seria comprometer a liberdade cristã. Assim, as igrejas devem olhar para a Escritura, a fim de que ela nos ensine a adorar juntos, e devem fazer somente o que a Escritura nos ordena fazer.

Mas isso levanta a pergunta: o que exatamente a Escritura nos ordena fazer? Para ser mais preciso, como nós sabemos qual material bíblico acerca da adoração é normativo e obrigatório? Responder essa pergunta exaustivamente demandaria um livro; aqui, apresentarei apenas um esboço muito breve.

Discernir quais ensinamentos bíblicos acerca da adoração são obrigatórios exige alguma destreza, uma vez que a Escritura em nenhum lugar nos apresenta, por exemplo, uma “ordem de culto” completa e confessadamente normativa. Mas há alguns mandamentos no Novo Testamento os quais são claramente obrigatórios a todas as igrejas. O fato de as igrejas em Éfeso e em Colossos serem ambas ordenadas a cantar (Efésios 5.18-19; Colossenses 3.16), bem como a referência ao canto na igreja de Corinto (1Coríntios 14.26), sugere que todas as igrejas devem cantar. O fato de Paulo ordenar Timóteo a ler e pregar a Escritura em uma carta destinada a instruir Timóteo acerca de como a igreja deve se conduzir (1Timóteo 3.15; 4.14) sugere que a leitura e pregação da Escritura são a vontade de Deus não apenas para aquela igreja em particular, mas para todas as igrejas.

Por outro lado, alguns mandamentos, como “Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo” (Romanos 16.16), parecem expressar um princípio universal (“recebam uns aos outros com amor cristão”) em uma forma que pode não ser culturalmente universal.

Além disso, alguns mandamentos contextuais podem ter uma aplicabilidade mais ampla, como o fato de Paulo dizer aos coríntios para separarem dinheiro no primeiro dia da semana. Aquilo era para uma oferta específica aos santos em Jerusalém, mas todas as igrejas são ordenadas a sustentar financeiramente os seus mestres (Gálatas 6.6), de modo que a oferta bem pode ter lugar na adoração corporativa.

Até aqui, porém, nós lidamos apenas com o Novo Testamento. O que dizer do Antigo? Afinal, o Antigo Testamento está repleto de mandamentos acerca da adoração:

Louvai-o ao som da trombeta; louvai-o com saltério e com harpa.
Louvai-o com adufes e danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas.
Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes. (Salmo 150.3-5)

Isso significa que, para serem bíblicos, os cultos de nossas igrejas precisam incluir trombetas, saltérios, harpas, tamborins, danças, instrumentos de cordas, flautas e címbalos? Eu sugiro que não.

Lembre-se que os salmos são expressões de adoração sob a aliança mosaica, referida por alguns dos escritores do Novo Testamento como a “antiga aliança” (Hebreus 8.6). Agora que a nova aliança prometida em Jeremias 31 foi estabelecida, a antiga aliança é obsoleta. Nós não estamos mais sob a lei de Moisés (Romanos 7.1-6; Gálatas 3.23-26). Portanto, formas de adoração atreladas à era mosaica não são mais obrigatórias a nós. O templo era servido por sacerdotes, alguns dos quais especializados na música litúrgica (1Crônicas 9.33). De fato, são eles que nós vemos tocando os mesmos instrumentos mencionados no Salmo 150 (2Crônicas 5.12, 13; 9.11). Assim, o Salmo 150 não está provendo um modelo para a adoração cristã; em vez disso, está invocando uma forma específica de adoração da antiga aliança, associada ao templo e ao sacerdócio levítico.

Isso não define, por si só, a questão de quais instrumentos podem servir de acompanhamento apropriado ao canto congregacional da igreja. Mas significa que o simples apelo a um precedente do Antigo Testamento não tem lugar, assim como o apelo a um precedente do Antigo Testamento não pode legitimar o sacrifício de animais. É aqui que muitas tradições cristãs falham em alcançar uma teologia bíblica da adoração, ao apelarem de modo seletivo a precedentes do Antigo Testamento, como se certos aspectos do sacerdócio levítico e da adoração do templo adentrassem na era da nova aliança.

Certamente, muito do Antigo Testamento informa o modo como adoramos. Os Salmos nos ensinam a adorar com reverência e temor, alegria e admiração, gratidão e júbilo. Mas o Antigo Testamento não prescreve nem os elementos nem as formas da adoração na igreja da nova aliança.

Nesse sentido, o Novo Testamento provê uma nova constituição para o povo de Deus da nova aliança, assim como muito do Antigo Testamento serviu como a constituição para o povo de Deus sob a antiga aliança. Deus tem um único plano de salvação e um único povo a salvar, mas o modo como o povo de Deus se relaciona com ele mudou radicalmente após a vinda de Cristo e o estabelecimento da nova aliança.

É por isso que precisamos empregar todas as ferramentas da teologia bíblica – agregando as alianças, traçando as conexões entre tipo e antítipo, observando promessas e cumprimentos, delineando continuidades e descontinuidades – a fim de chegarmos a uma teologia da adoração congregacional. Como o povo de Cristo da nova aliança, habitados pelo Santo Espírito da promessa, nós adoramos em Espírito e em verdade, de acordo com os termos que o próprio Deus especificou na Escritura.

Notas:

[1] Para uma teologia bíblica da adoração que influenciou profundamente minha abordagem neste texto, ver David Peterson, Engaging with God: A Biblical Theology of Worship (Downers Grove: InterVarsity Press, 1992) [N.T.: Sem tradução em português].
[2] Para uma introdução básica ao enredo bíblico que usa como lente primária o tema de Deus congregando o seu povo, ver Christopher Ash, Remaking a Broken World: A Fresh Look at the Bible Storyline (Milton Keynes, UK: Authentic, 2010) [N.T.: Sem tradução em português].
[3] Para mais acerca da trajetória do templo no decorrer de todo o cânon, ver G. K. Beale, The Temple and the Church’s Mission: A Biblical Theology of the Dwelling Place of God, New Studies in Biblical Theology 17 (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2004) [N.T.: Sem tradução em português].
[4] Para breves defesas do princípio regulador, ver Jonathan Leeman, “Regulative Like Jazz,” [N.T.: Sem tradução em português], e os três primeiros capítulos do livro Give Praise to God: A Vision for Reforming Worship, ed. Philip Graham Ryken, Derek W. H. Thomas, e J. Ligon Duncan, III (Phillipsburg, NJ: Presbyterian & Reformed, 2003) [N.T.: Sem tradução em português] [N.E.: em português, veja o artigo O Princípio Regulador do Culto de Matthew McMahon].

Tradução: Vinícius Silva Pimentel
Revisão: Vinícius Musselman Pimentel



Continue Reading…

segunda-feira, 2 de março de 2015

Atributos de um homem de Deus


Por Hernandes Dias Lopes em Palavra da Verdade

A viúva de Sarepta, dirigindo-se ao profeta Elias, disse: “Agora sei que és homem de Deus…” (1Rs 17.24). Quais foram os atributos desse homem de Deus?

Elias foi um homem que andou na presença de Deus (1Rs 17.1). 

Elias era um homem desconhecido, de uma família desconhecida, de um lugar desconhecido, mas um homem levantado por Deus em tempo de crise política e apostasia religiosa. Elias apresentou-se ao ímpio rei Acabe, para trazer-lhe uma palavra de juízo. Porque Israel estava rendido à idolatria, servindo a Baal, o deus da prosperidade, Deus fechou as comportas do céu e as chuvas foram retidas por três anos e meio. A seca implacável não foi apenas um fenômeno da natureza, mas um juízo divino ao povo rebelde. Elias disse ao rei: “Tão certo como vive o Senhor, Deus de Israel, perante cuja face estou, nem orvalho nem chuva haverá nestes anos, segundo a minha palavra”. Elias é um homem de Deus, porque vive na presença de Deus em vez de andar segundo os ditames do mundo.

Elias foi um homem que orou por grandes causas (1Rs 17.19-22). 

Inobstante Elias ser um homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos (Tg 5.17), foi poderosamente usado por Deus tanto na oração como na pregação. Elias falou a Deus e falou ao povo. Ele orou com instância para não chover, e não choveu (Tg 5.17). Ele orou, e o filho único da viúva de Sarepta ressuscitou (1Rs 17.19-22). Ele orou e o fogo do céu caiu, numa retumbante demonstração do poder de Deus diante da impotência dos ídolos (1Rs 18.36-39). Ele orou e o céu deu chuva novamente (Tg 5.18; 1Rs 18.42-45). Tiago ilustrou o princípio bíblico: “Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo”, inspirado na vida de Elias (Tg 5.16). Escasseiam-se em nossa geração os homens de oração. Precisamos não apenas de homens cultos e influentes na sociedade, mas, sobretudo, de homens conhecidos no céu, homens de oração. Nosso maior anelo é que se levantem, em nosso tempo, homens que tenham a humildade de se dobrarem diante de Deus, para que tenham a coragem de se levantarem diante dos homens.

Elias foi um homem que corajosamente confrontou o pecado (1Rs 17.1; 18.18; 18.21). 

Elias não foi um profeta da conveniência. Não fez do seu ministério uma plataforma de relações públicas. Jamais negociou a verdade. Nunca deixou de atacar firmemente as fortalezas do pecado. Anunciou o juízo de Deus sobre a nação apóstata. Confrontou o perverso rei Acabe, chamando-o de perturbador de Israel. Denunciou a atitude covarde do povo que vivia coxeando entre dois pensamentos. Desafiou os profetas de Baal, expondo aos olhos da nação a inoperância de seus ídolos. Precisamos de homens que tenham coragem de denunciar o pecado no palácio e na choupana. Na política e na religião. Na vida dos líderes e dos liderados.

Elias foi um homem em cuja boca a palavra de Deus era a verdade (1Rs 17.24). 

A viúva de Sarepta ao ver seu filho morto retornando à vida pela oração de Elias, afirmou: “… a palavra de Deus na tua boca é verdade”. Uma coisa é pronunciar a palavra de Deus; outra coisa é ser boca de Deus. Nem todas as pessoas que proclamam a palavra de Deus são boca de Deus. O profeta Jeremias diz que aqueles que são boca de Deus arrependem-se de seus pecados, andam na presença de Deus e apartam o precioso do vil (Jr 15.19). E. M. Bounds disse, com razão, que homens mortos tiram de si palavras mortas e palavras mortas matam. Lutero dizia que sermão sem unção endurece os corações. Nas palavras de Jonathan Edwards, precisamos de homens que tenham luz na mente e fogo no coração. Homens que conheçam não apenas a respeito de Deus, mas, sobretudo, conheçam a intimidade de Deus.

Que os homens crentes, fieis a Jesus Cristo, sigam as mesmas pegadas do profeta Elias, e sejam, em nossa geração, verdadeiros homens de Deus!



Continue Reading…

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Cuidados na vida ministerial


Por Rodolfo Garcia Montosa em Instituto Jetro

Indo eles caminho fora, alguém lhe disse: Seguir-te-ei para onde quer que fores. Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. A outro disse Jesus: Segue-me! Ele, porém, respondeu: Permite-me ir primeiro sepultar meu pai. Mas Jesus insistiu: Deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos. Tu, porém, vai e prega o reino de Deus. Outro lhe disse: Seguir-te-ei, Senhor; mas deixa-me primeiro despedir-me dos de casa. Mas Jesus lhe replicou: Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus. (Lucas 9.57-62).

Este pequeno trecho das Escrituras guarda importantes segredos para a vida de todo aquele que se aproxima de Jesus desejando segui-lo, trabalhar com ele e para ele. Vemos aqui três personagens que mostram três importantes cuidados que todos devemos ter diante do Senhor:

Cuidado com a precipitação. (v 57-58)

A palavra precipitação vem de precipício, que é abismo, ruína. Apesar de o primeiro "alguém" declarar palavras notáveis e impactantes, demonstra ser ansioso, precipitado, sem noção do custo de suas palavras. Dizem que precipitado é alguém que pensa com as pernas. Conhecendo o coração das pessoas, Jesus responde colocando o pé no chão, deixando de lado o glamour das multidões, milagres, poder, e mostrando o lado real do preço de ser discípulo: negação, sofrimento, sacrifício, serviço. Jesus não se agrada do trabalho que começa e logo termina. Por isso, pense bem antes de se oferecer ao Senhor.

Cuidado com a procrastinação. (v 59-60)

Procrastinar é prorrogar, postergar, adiar, delongar, demorar, retardar. Infelizmente é algo muito comum nas pessoas: "Em alguma outra hora seguirei. Não sei quando, mas no futuro." "Quando ficar mais velho." "Quando me aposentar." Isso é feito com um motivo nobre e aparentemente justo: "Tenho que aguardar meu pai falecer. Depois disto, seguirei." Jesus foi direto em palavra de ordem: vai e prega o reino de Deus. Em outras palavras: simplesmente, faça. Jesus não se agrada do trabalho que nunca começa. Por isso, pare de enrolar e comece a trabalhar para o Senhor.

Cuidado com a hesitação. (v 61-62)

Hesitar é vacilar, titubear, estar incerto, gaguejar, perder a firmeza, oscilar. Embora este provérbio seja atribuído a Hesíodo em cerca de 800 a.C., Jesus traz uma aplicação muito simples e direta. Quem começa a arar pra frente e, de repente, olha pra trás, não conseguirá traçar direito o sulco na terra. Fará um trabalho mal feito. Com o coração dividido jamais conseguiremos avançar no principal trabalho que temos de revolver a terra dos corações com o objetivo de prepará-los para receber a semente do evangelho. Não dá pra dirigir com os olhos no espelho retrovisor. Jesus não se agrada do trabalho que é feito, mas mal feito. Por isso, já que começou a fazer o trabalho, faça bem feito.

O evangelista Lucas relata que, em seguida a estas palavras, Jesus envia outros setenta discípulos de dois em dois para a missão, lembrando-os que rogassem ao Senhor da seara que mandasse trabalhadores, pois a seara é grande.

Nós somos resposta da oração dos discípulos de Jesus. Vamos, pois, começar com muita consciência, desempenhando imediatamente nosso papel ministerial, sem jamais olhar pra trás, mas tendo nossos olhos fixos no Senhor, avancemos na obra que é dele.




Continue Reading…

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Igrejas e pastores num mundo que não existe mais


Por Derval Dasilio em Ultimato Online

Há um seleto grupo, compostos de profissionais da religião, cujas decisões influenciarão nos próximos anos a vida de milhões de cristãos, evangélicos, protestantes e católicos, ecumênicos ou não, clientes que poderiam gerar impactos sobre comunidades religiosas. Quem são os carismáticos ou pentecostalistas radicais? Quem são os crentes secularistas? Quem são os libertários? Se fossem interessantes, para além do proselitismo e da defesa apologética institucional, de cada uma das denominações avaliadas, quem professaria a identidade cidadã e cristã com maior aproximação dos valores do cristianismo apostólico?

Um glossário sobre os modelos mais frequentes, para uma síntese de uma pluralidade inumerável de tendências eclesiásticas nos dias atuais, pode ser útil. No Brasil de hoje os valores da religião se confundem com os da sociedade capitalista tradicional. Ocorre, o mesmo, com as igrejas, e com os profissionais dos púlpitos? O ponto mais agudo e tenso é aquele que, para se cumprirem as cláusulas do contrato social com a religião, admite-se uma forma comportamental domada, encilhada e submissa. Não há justificativa teológica que sustente a incapacidade de se ver os sinais dos tempos. Vejamos alguns aspectos ou tendências nas igrejas e pastores de hoje:

O apologismo reflete a crise de identidade das igrejas. Sem entender a força da modernidade, a nova moral, as democracias recentes, a tábua de salvação é procurada no calvinismo e luteranismo conservadores, principalmente. Faltam referenciais seguros, sociologicamente visíveis. O triunfalismo eclesiástico pretendido, ingênuo, abstrato, encastela-se nas igrejas mais ricas, enquanto a reação vem das igrejas pobres, entregues em total vulnerabilidade às teologias do movimento pentecostal contemporâneo. O pentecostalismo não se ocupa do apologismo, vai direto ao assunto: religião carismática. Em maioria esmagadora, cuida das raízes populares dominantes no Brasil.

Talvez o apologismo seja um modo de atenuar o impacto de uma espécie de “outro mundo” demarcando a topografia espiritual dos fieis. Igrejas, capelas, oratórios, santuários, templos, centros espíritas, terreiros, cemitérios, fazem parte da fronteira em que vivemos, entre um mundo real, concreto, e outro espiritual e abstrato. O apologismo visualiza mundos e culturas passados, enquanto acredita, anacronicamente, combater o cristianismo medieval antes da Reforma. Combate, mas reproduz seus valores conservadores.

O secularismo, porém, pretende que não estejamos mais diante de um universo religioso simbólico tomado por forças ocultas, medo e terror atribuídos ao sobrenatural. Assim, procura-se oferecer cura da alma e prazer garantidos, sem mistérios na natureza real do problema da vida religiosa em comum. Comunhão, coletividade eclesiástica e igualitarismo passam a ser assuntos proibidos ou desinteressantes. As igrejas comunitárias passam a ser lugar de encontros divertidos, ao invés de espaço de comunhão e reflexão.

Nesse setor, as pessoas desejam ser felizes não amanhã, mas hoje, agora, e talvez desde ontem. Para estas, algumas vezes, a saída da religião pela materialidade da vida, exige-se, para satisfazê-las, uma religião e um “deus ex machina” disponíveis para atender prontamente a seus desejos. Pastores secularizados se sentem obrigados a manter um cardápio “a la carte” para tornar suportável a vida do crente secularizado no mundo moderno. Nesse momento, contendo soluções prontas para os problemas do cotidiano, nada mais confortante que o consumo do luxo, sem esquecer a saúde, ou as clínicas estéticas a alto preço, para satisfazê-las.

Nota: Deus ex machina é uma expressão latina com origens gregas ἀπὸ μηχανῆς θεός (apò mēkhanḗs theós), que significa literalmente "Deus surgido da máquina"1 , e é utilizada para indicar uma solução inesperada, improvável e mirabolante para terminar uma obra ficcional.
O cardápio, nesse ponto, se amplia. Adeptos da secularização eclesiástica também gostam de falar de moral, embora entupidos pelas drogas farmacológicas “lícitas”, e alguma inclinação pela tolerância das ilícitas. Depois, vêm assuntos como ciência, religião, política, corrupção; esportes, amor, filhos, saúde, dietas, alimentação saudável, esteira rolante, próstata, eletrocardiograma, mamografia, ultrassom, colonoscopia, medicina de ponta... e mesmo assim chega o dia inevitável em que se vai depender dos caros planos de saúde, sequestrados pela caríssima medicina seletiva e privada. Poucas atividades são tão transparentes nas injustiças e desigualdades na sociedade moderna quanto ao escapismo secularista que toma igrejas e crentes.

O libertarismo jamais pretenderia a síntese das tendências anteriormente apontadas. Critica, também, o vazio das tendências secularistas, exigentes de pastores psicanalistas e de recursos de autoajuda alimentados nas fraseologias pseudoteológicas de todos os dias. Como indivíduos, o libertarismo se dirige aos considerados descartáveis, supérfluos, tidos como não merecedores da repartição dos bens culturais, econômicos e sociais.

Ao mesmo tempo, não pretende perder de vista a conversão individual, paradoxalmente coletiva. O libertarismo vai além, denuncia as estruturas e seus pecados, na sociedade, na política, na economia. Indigna-se e aponta as desigualdades. Projetos que aterrem no ambiente coletivo degradado, sob propostas concretas, malgrado as perplexidades do momento, interessam-lhe sobremaneira. Pois identificam e tramitam num caminho onde se apresentam as diferentes imposições das mortes espiritual, social, econômica e cultural.

Como identificava o teólogo Agenor Brighenti, sob olhar analítico, podemos observar os vários estilos e modelos pastorais. Um número significativo de padres, pastores e igrejas, adota o modelo dominante, apologético ou secularizado. Alguns estão comprometidos com vícios burocráticos e assembleias que não decidem sobre as urgências. Constituem combustível queimado inutilmente, sem que a organização eclesiástica saia da inércia. Outros, libertários, tendem a desprezar a cultura religiosa popular, esquecendo a maioria e acentuando uma teologia radical para a vida em comunhão.

Igrejas e pastores encontram-se fechados para a vida moderna, cegos, surdos e mudos aos sinais dos tempos e às próprias interpelações do Espírito, no mais das vezes. A sociedade humana reclama salvação, no desenvolvimento de ações que revertam em atenção a crianças, aos jovens, aos maduros e aos idosos, cujas vidas estão sob risco permanente de morte: desproteção política, violação de direitos humanos, cidadania seletiva ou privilegiada; trabalho, saúde, escola e previdência, negados; violência contra a mulher, a criança e o idoso.

Hoje, para muitos, pastores e igrejas, todo o multifacetado projeto de modernização aparece como um equívoco desastroso que seleciona privilégios de pessoas, grupos, sociedades. Ato de arrogância e maldade cósmicas. E, novas figuras surgem agora em novo papel simbólico, ocupando espaços de alto luxo, altos salários, onde as fortunas se representam, cultivando o estímulo à inveja e à ganância. Sob pressões econômicas do mundo moderno, o impulso de desenvolvimento eclesiástico tende a caminhar no sentido de um perpétuo crescimento estatístico -- sob parâmetros do IBGE, em todos os seus equívocos de mensuração -- sem evangelização autêntica e humanização da mensagem cristã.

O que testemunham? No sentindo que, se não pararem para refletir sobre suas vocações, aceitando ser o que são na maioria, sem representação, sem relevância, seremos diminuídos quanto ao desafio de nosso papel original, transformador da sociedade. Ninguém nos perguntará mais, tal como perguntavam sobre os cristãos nos tempos iniciais da igreja: “quem são estes que têm transtornado o mundo? Chegaram também aqui?” (Atos 17.6). Será que perdemos de vista o mapa que nos foi entregue desde a igreja apostólica?



Continue Reading…
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Amigos

Assine nossa Newsletter

Receba atualizações do blog. É só cadastrar seu email. É grátis!

Popular Posts

PUBLICIDADE

Blog Archive

PUBLICIDADE

Tradutor

Copyright © PCamaral | Powered by Blogger
Design by Saeed Salam | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com