quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Matando o Velho Homem

Um comentário:


Este filme é profundo e ilustra o que, dia após dia, devemos fazer na caminhada com Cristo, vivendo pra Ele e morrendo para o mundo todos os dias!

Você já matou e enterrou o seu velho homem?

Pense nisso!

***

Pastores de almas, uma espécie em extinção?

Um comentário:

Por Renato Vargens



Há pouco tempo ouvi uma história a qual compartilho com vocês. Uma irmã (a qual, por questões obvias, não vou revelar o nome e igreja), passou pela seguinte experiência:

Em um final de culto, movida por um grave problema pessoal, ela procurou o seu pastor, no desejo de abrir o coração, pedindo-lhe que a ajudasse em aconselhamento pastoral. O pastor, sem poder ouvi-la naquele momento, até porque muita gente desejava lhe falar e, principalmente, cumprimentá-lo em virtude do "maravilhoso sermão "que havia pregado, solicitou à irmã que procurasse a secretaria da igreja e agendasse um encontro.

No dia seguinte a irmã procurou a secretaria, tentando agendar o encontro pastoral; no entanto, para sua surpresa, a secretária informou que o tal pastor não teria agenda livre para os próximos cinco meses, o que impossibilitaria o seu atendimento. A moça se desesperou, implorou, pediu pelo amor de Deus, mais nada pôde ser feito. A secretária explicou que o pastor tinha já agendado muitos encontros, jantares, viagens e conferências, as quais tinham que ser priorizadas, e que o máximo que ela poderia fazer seria encaixá-la num atendimento, quatro meses depois.

A moça saiu da igreja, naquela manhã de segunda-feira, pior do que entrara; na verdade, agora ela se sentia deprimida, desvalorizada e sem perspectiva alguma de ser ajudada em seu problema. O pastor, o qual ela pensava que poderia ajudá-la, infelizmente não poderia fazê-lo.

Seis meses se passaram e a moça desiludida, bem como desesperançosa, não fora mais à igreja. Para sua tristeza, ninguém, absolutamente ninguém, a procurara, querendo saber o motivo de sua ausência. Até que um dia, o pastor da igreja da qual fazia parte, encontrou-a na instituição bancária onde ela trabalhava. Ao vê-la, o pastor não esboçou nenhum comentário quanto à sua ausência; na verdade, a única coisa que falou, é que estava correndo em virtude da grande e complexa agenda.

Não sei o que você pensa e sente ao ler essa pequena história. Entretanto, quando soube do fato, fui tomado por uma grande perplexidade que me fez questionar sobre o papel pastoral nos dias de hoje. Aonde estão os pastores do povo de Deus? Aonde estão aqueles que por amor ao Rei, largam as 99 ovelhas e vão em busca de uma que se perdeu e sofre? Sem sombra de dúvidas, vivemos uma enorme crise de pessoalidade e afetividade na relação pastor-ovelha, isso porque, alguns dos ditos pastores se tornaram mega-stars da fé, imponentes pregadores, "Apóstolos desbravadores", além de "poderosos profetas". Junta-se a isso, o fato de que as mensagens pregadas nos púlpitos têm tido por fundamento o marketismo religioso, cujo conteúdo é humanista e secularizado. Infelizmente, sou obrigado a concordar que tais pastores têm se preocupado mais com a porta de entrada, do que com a porta de saída dos seus apriscos; mais com números do que com gente. Na verdade, ouso afirmar de que vivemos numa era onde as pessoas foram definitivamente coisificadas, onde seres humanos, criados a imagem e semelhança de Deus transformaram-se em gráficos e estatísticas.

Diante desta nebulosa perspectiva, sou tomado pela imprenssão de que essa geração necessita urgentemente de pastores de almas, de gente abnegada, que se preocupe com a dor do próximo e tenha prazer em cuidar da ovelha ferida. Para tanto, torna-se indispensável remodelar e reformar os conceitos pastorais desta geração, impregnando nos novos ministros, amor, compromisso e fidelidade para com Deus e seu Reino. Além disso, julgo também que seja imprescindível de que os pastores desse tempo, sejam plenamente comprometidos com a Santa Palavra de Deus, preocupando-se com o que ela diz, tomando-a como regra, bem como modelo de fé e comportamento para o seu ministério pessoal.

Vale a pena lembrarmos daquilo que o reformador francês João Calvino costumava dizer quanto a Palavra de Deus. (1) “A Escritura é a fonte de toda a sabedoria, e os pastores devem extrair dela tudo aquilo que expõem diante do rebanho” (2) Calvino afirmava que através da exposição da Palavra de Deus, as pessoas são conduzidas a liberdade e a segurança da fé salvadora, dizia também que a verdadeira pregação, tem por objetivo abrir a porta do reino ao ouvinte, isto é, em outras palavras o que ele está a nos dizer, é que as Escrituras Sagradas, devem ser o principal instrumento na condução, consolidação e pastoreamento do povo de Deus.

No exercício de seu pastorado, Calvino dizia que a pregação pública deveria ser acompanhada por visitas pastorais. (3) Junta-se a isso o fato, de que ele sempre procurou encorajar pessoas sobrecarregadas, as quais não conseguiam encontrar consolo mediante sua própria aproximação de Deus, a procurarem seu pastor para aconselhamento particular e pessoal.

Conforme registro de um dos seus colegas pastores em Genebra, “(...) os que lhe procuravam eram recebidos com simpatia, gentileza e sensibilidade. Ele os atendia e prontamente lhes respondia as perguntas, mesmo as mais sérias delas. Sua sabedoria era demonstrada nas entrevistas particulares tanto quanto nas conversas públicas onde ele confortava os entristecidos e encorajava os abatidos...”. [4].

Calvino também acreditava que o ensino, além de ser público nos cultos, deveria ser acompanhado por orientação pessoal e aplicado às circunstâncias específicas da vida de suas ovelhas. Atendia noivos que estavam se preparando para o casamento, pais que traziam seus problemas relacionados aos seus filhos, pessoas com dúvidas ou dificuldades doutrinárias, lutas com enfermidades, ouvia confissões de pecados, e a todos ele os recebia e levava o conforto e o encorajamento necessários. [5]

Amados irmãos, ainda que os nossos dias, sejam diferentes dos dias dos reformadores, carregamos em nosso tempo as mesmas demandas pastorais. Nossas igrejas estão cheias de individuos em crise, de familias desestruturadas, além de pessoas que foram violentamente marcadas por satanás e o pecado. Ouso afirmar que neste tempo pós moderno, onde o relativismo tem mostrado as suas garras, necessitamos urgentemente de pastores preparados e capacitados, que amem a Deus acima de todas as coisas, e que se disponham a pastorear abnegadamente o rebanho de Cristo.

Que Deus tenha misericórdia de seu povo e levante pastores segundo o seu coração.

Soli Deo Gloria!


***

Postado por Renato Vargens, no Púlpito Cristão

Notas: (1) João Calvino, As Pastorais, Comentário em I Tm 4:13, p. 123 (2) http://www.monergismo.com/textos/jcalvino/calvino_pastor_gildasio.htm - Gildásio Reis3) Calvin , John. Calvin´s Commentaries – The Epistles Of Paul – The Apostle To The Romans And To The Thessalonians. Grand R apids , Michigan : Eerdmans Publishins Company. p. 345. (3) Ao comentar I Tessalonissenses 2:11, Calvino insiste em que o pastor precisa ser um “pai” para cada pessoa. (4) Palavras de Nicolas des Gallars registradas por Richardr Staufer em The Humanness of John Calvin (New York: Abingdon Press, 1971) e citadas por Baumann. (5) Calvino , João. As Institutas da Religião Cristã. Vol. IV, 3: 6 - São Paulo, SP: Casa Editora Presbiteriana. 1989.

A Velhinha do Supermercado

Nenhum comentário:

Estava fazendo compras em um Supermercado, e notei que uma velhinha me seguia pelas gôndolas, sempre sorrindo.

Eu parava para pegar algum produto, ela parava e sorria!

Uma graça a velhinha!

Já na fila do caixa, ela estava na minha frente com seu carrinho abarrotado, sorrindo:

- Espero não tê-lo incomodado, mas você se parece muito com meu falecido filho...

Com um nó na garganta, respondi não haver problema, tudo estava bem.

- Posso lhe pedir algo incomum? Disse-me a senhora idosa.

- Sim. Se eu puder lhe ajudar...

- Você pode se despedir de mim dizendo "Adeus, mamãe, nos vemos depois" ? Assim dizia meu filho querido... ficarei muito feliz!

- Claro senhora, não há nenhum problema, disse eu para alegria da velhinha.

A velhinha passou a caixa registradora, se voltou sorrindo e, agitando sua mão, disse:

- ADEUS filho...

Cheio de amor e ternura, lhe respondi efusivamente:

- ADEUS mamãe, nos vemos depois?

- Sim... nos vemos depois querido!

Contente e satisfeito com o pouco de alegria dado à velhinha, passei minhas compras.

- R$ 554,00, diz a moça do caixa.

- Tá louca? Dois sabonetes e duas pilhas?

- Mas as compras da sua mãe..... ela disse que você pagaria!!!!!


***


Fonte: Ragna Ferrari por email

Salmo 23

2 comentários:

Um jeito diferente de olhar para o Salmo 23 (Nova Versão Internacional)

1 - O Senhor é o meu Pastor,
Isto é relacionamento!


Nada me faltará.
Isto é suprimento!


2 - Caminhar me faz por verdes pastos,
Isto é descanso!


Guia-me mansamente a águas tranqüilas.
Isto é refrigério!


3 - Refrigera a minha alma.
Isto é cura!


Guia–me pelas veredas da justiça,
Isto é direção!


Por amor do Seu nome.
Isto é propósito!


4 - Ainda que eu caminhasse pelo vale das sombras da morte,
Isto é provação!


Eu não temeria mal algum,
Isto é proteção!


Porque Tu estás comigo,
Isto é fidelidade!


A tua vara e o teu cajado me consolam.
Isto é disciplina!


5 - Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos.
Isto é esperança!


Unge a minha cabeça com óleo
Isto é consagração!


e meu cálice transborda.
Isto é abundância!


6 - Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias de minha vida
Isto é bênção!


E eu habitarei a casa do Senhor
Isto é segurança!


por longos dias.
Isto é eternidade!


O que é mais valioso não é o que nós temos em nossas vidas, mas QUEM nós temos em nossas vidas!

Alimente sempre as suas amizades com muito carinho!


***


Fonte: Lisiane Ferrari por email

Professor inventa perfil virtual para convencer jovem a fazer sexo

Nenhum comentário:
Britânico de 24 anos conheceu garota de 13 na web; ele foi detido. Com perfil de “Jessica”, homem incentivava a adolescente a se divertir.
Comentário PC@maral:

Para quem tem filhos que usam diariamente computador ligados à rede: Tomem muito cuidado e não percam seus filhos de vista para que crimes absurdos cometidos por loucos como este não estejam acontecendo, agora mesmo, aí na sua casa!

Do G1, em São Paulo


Um professor de ciência foi condenado nesta quarta-feira (30), na Inglaterra, a quatro anos de detenção. Matthew Knott, de 24 anos, se passou por uma adolescente na internet com o objetivo de convencer uma jovem de 13 anos, que conheceu na web, a fazer sexo com ele.

Knott enviou mensagens à garota e chegou a pedir fotos em que ela aparecia nua. Para se aproximar, ele inventou um perfil em que dizia ser uma garota chamada Jessica, de 15 anos – essa “amiga virtual” foi usada para encorajar o encontro entre a jovem e o homem, diz a publicação “Dalily Mail”.


Uma semana depois de criar "Jessica", Knott conseguiu convencer a jovem a encontrá-lo pessoalmente. Ele a buscou em seu próprio carro, e a garota foi levada até o apartamento do professor. O homem exigiu que ela tirasse a roupa e fizesse sexo com ele.

O ex-funcionário do colégio Elton High School, em Manchester, está proibido de trabalhar com crianças e acessar a internet pelos próximos cinco anos. Ele admitiu ter se passado por uma adolescente na web e também de ter mantido relação com a jovem.

"Está absolutamente claro para todos que essas ações foram cuidadosamente planejadas e calculadas, de forma que ele pudesse encontrar essa criança para ter relações sexuais. Pais de toda a nação estão terrivelmente preocupados com o que seus filhos fazem quando usam a internet. Há pessoas como você que adotam outras identidades para encorajar as crianças a fazerem isso", disse o juiz Michael Henshaw, responsável pela condenação.

Interesse

Adrian Farrow, advogada da garota, afirmou que em maio Knott viu o perfil da adolescente – com sua foto e idade -- no site de relacionamentos Tagged.com. Usando o apelido Matt7145, o professor fez contato e os dois conversaram via comunicador instantâneo (uma ferramenta do próprio site) por cerca de uma hora. Na ocasião, ele deixou claro que tinha interesses sexuais por garotas daquela idade.

Na mesma época, a vítima passou a receber mensagens do perfil de "Jessica", criado pelo próprio Knott. Nos textos, "Jessica" encorajava a jovem de 13 anos a se divertir.

Com esses dois perfis -- o verdadeiro e o falso -- o professor convenceu a garota a se encontrar com ele no dia 31 de maio. Depois do encontro, ela contou o que aconteceu a "Jessica", que aconselhou a garota a apagar todo o conteúdo virtual que relacionasse o professor e sua vítima.

A adolescente tomou coragem e contou à mãe a história, o que acabou resultando na detenção do professor no início de junho


***

Fonte: g1.globo.com

Ah, os profetas... Tristes profetas!

Um comentário:

Ricardo Mamedes



Eles já tiveram status de primeira grandeza na Bíblia; não andavam de automóveis último tipo e não possuíam grandes aeronaves (como alguns nossos contemporâneos). Caminhavam com passos cansados. Uns eram medrosos , outros, tão angustiados que se escondiam em cavernas... Porém, todos, tinham algo em comum, eram genuínos, autênticos. Nem precisava se auto-proclamarem profetas, pois tal qualidade lhes era tão peculiar que 'saltava aos olhos'. Primavam pela humildade ao invés da arrogância. De fato eram apenas instrumento d'Ele.

Hoje também há profetas (dizem), mas quem sabe? Quem atirará a primeira pedra? Profetas profanadores... alquimistas da palavra não escrita.

Há profetas...? Homens que se vestem de santidade - profetas boquirrotos. Pilhadores da fé alheia, depenadores de incautos, incultos.

Profetas...? Jogando as suas redes e recolhendo-as cheias - não de peixes, tampouco de almas, como Pedro. Mas cheias de sonhos. Sonhos das pobres criaturas que se enredaram nas 'malhas', seduzidas pela volúpia do 'espírito' fácil, convencidas pela garantia do 'escambo' da bênção.

Profetas gritadores, gritalhões; plantadores de verbos malfeitos, advérbios imperfeitos, substantivos nada substanciais.

Eles sobejam, bafejam 'anjos' , trafegam pelas vias celestiais do inusitado, trazendo para a espantada plateia a cura - cura pelo vento: vento de doutrina, de falsos ensinamentos. Eles curam! Curam? Sim, eles curam doenças imaginárias - imaginadas por eles. Enfermidades subjetivas, que se encontram no recôndito invisível das entranhas: veias entupidas, rins 'estragados', vesículas carcomidas, cânceres não diagnosticados. Curam tudo...

Eles libertam... de todos os demônios: do colesterol, do álcool, da prostituição, da depressão, da loucura, do triglicérides, do ácido úrico. Amarram, expelem, algemam, prendem. Não, não prendem. Eles dialogam com as entidades, num clima de quase respeito, quase camaradagem, velhos conhecidos...

Os profetas fazem tudo: pregam (histrionicamente) , ministram (insanamente), derrubam (espantosamente) e gritam (insistentemente).

Só lhes falta uma única qualidade, uma somente: eles desconhecem a Graça, como dom gratuito do Soberano Deus. Se esqueceram do Cordeiro, oferecido em holocausto como propiciação pelos nossos pecados. Assim, eles vendem a ideia da salvação ministrada por eles, porque eles são o canal, eles intermediam, eles fazem e eles acontecem.


Pobres profetas...

Comentário do PC@maral no "Pulpito Cristão" e no "A verdade liberta, o erro condena":

O maior testemunho que uma pessoa pode ter é o testemunho dado por Deus:

"Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal." (Jó 1:8)

"Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo." (Mt 3:17)

E como este testemunho de Deus é reconhecido em nossa vida? Através dos frutos "dignos de arrependimento" Através de uma vida piedosa e compromissada com a obra de Deus, estando visivel a condição de servo: "pois aquele que desejar ser grande, seja o que sirva".

Ser profeta hoje em dia é muito fácil, basta olhar a proliferação de igrejas evangélicas por todo o país.

O sujeito perde o emprego, ou, em vários casos se demite, e abre uma congregação para ele, levando consigo, outros que querem participar da maracutaia de brincar de ser pastor, de ser profeta enviado por Deus.

O verdadeiro homem de Deus exala o "bom perfume de Cristo" e não é ele que testemunha sobre esta condição, mas as pessoas e o próprio Senhor Jesus.

Vou publicar no PC@maral.

Que Deus abençoe a todos!



***
Fonte: A verdade liberta, o erro condena - Vi no www.pulpitocristao.com

terça-feira, 29 de setembro de 2009

O Especialista em Restauração

Um comentário:
Nas cidades grandes do Brasil existem muitas oficinas especializadas em restauração. E isso tem aumentado em numero nos últimos anos. Restauram de tudo: móveis, louças, fotos, quadros, roupas, livros, carros, barcos, jóias e até aviões.

Quando um desses objetos é entregue ao restaurador ele o transforma em praticamente novo, sem perder suas características originais, ou seja, sua antiguidade é preservada e restaurada.

Jesus é o restaurador por excelência! O que Ele restaura? Vidas humanas. Ele já restaurou e, está, restaurando, agora, milhares e milhares de pessoas.

Neste artigo, usaremos com exemplo uma pessoa em particular que foi restaurada por Jesus em diversas áreas, o apóstolo Pedro.

Jesus, após ter ressuscitado, e antes de subir ao Pai, apareceu a inúmeras pessoas, nos mais diversos lugares e de várias maneiras (Jo 15:6). Nos dois últimos capítulos do evangelho de João, encontramos quatro dessas aparições. Nas duas últimas, Jesus restaurou dois discípulos: Tomé; que foi restaurado em sua descrença, e Pedro, que precisava de muita restauração, ás quais podemos citar: vanglória, descrédito, covardia e distração.

Jesus se manifesta aos discípulos junto ao mar de Tiberíades, (João capitulo 21). Simão Pedro, Tomé, Natanael, os filhos de Zebedeu e mais dois de seus discípulos foram pescar. Naquela noite nada pescaram, pela manhã, Jesus estava na praia e os discípulos não o reconheceram. Jesus perguntou-lhes se tinham peixe, e eles responderam que não. Jesus então lhes diz para que lancem as redes à direita do barco. Eles, assim fizeram e diz a palavra, que a rede estava tão cheia de peixes que mal podiam puxá-la para o barco. E não obstante a quantidade, a rede não se rompeu.

João, então, reconhece Jesus e exclama: É o Senhor! Pedro, como é de se esperar, lançou-se ao mar para ir ao encontro do Senhor. E ali, cearam com Ele.

O curioso é que Jesus escolhe um cenário idêntico ao do primeiro chamado de Pedro para ser pescador de pessoas, cerca de três anos antes (Lc 5:1-11).

O propósito de Jesus era o de restaurar Pedro.

1) – Jesus restaura Pedro da vanglória:

Jesus pergunta: “Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes?” (Jo 21:15a)
Pedro responde: “Sim, Senhor; tu sabes que te amo.” (Jo 21:15b)

Nota-se que Pedro não disse que amava a Jesus mais do que os outros discípulos. Pois, antes, em sua arrogância, achava que o seu amor por Jesus era maior que o amor dos outros onze. Ele se vangloriava de que permaneceria fiel, mesmo se os outros abandonassem o Senhor. Pôs-se acima dos outros quando dise: “Eu nunca o abandonarei o Senhor, mesmo que todos o abandonem”” (Mc 14:29 NTLH).

Agora, diante da pergunta de Jesus, ele reafirma o seu amor, mas se recusa a fazer qualquer comparação com os outros.

Jesus restaurou Pedro da vanglória!

2) – Jesus restaurou Pedro do descrédito:

Pedro não seguiu Jesus até a prisão e até a morte como havia prometido diante de todos. Pelo contrário, negou o seu Senhor triplamente (Jo 18:15-18, 25-27).

Depois disto tudo alguém poderia confiar neste homem? Pedro não tinha a menor chance de assumir a posição de líder da igreja que estava para começar.

"A liderança de um discípulo desviado, dificilmente seria aceita no futuro, quer pelo próprio Pedro ou por seus irmãos se Cristo não o indicasse explicitamente."

Apesar da desastrosa atuação durante a paixão, Pedro, não só fora perdoado, mas restituído ao serviço. Jesus deixou bem claro a todos que Pedro fora perdoado e que lhe fora confiada a tarefa de apascentar e pastorear o rebanho de Cristo (Jo 21:15b, 16b e 17b).

O Senhor não abandonou Pedro, nem o demitiu do cargo.

Jesus restaurou Pedro do descrédito!

3) – Jesus restaurou Pedro da covardia:

Pouco antes de Jesus ser preso, Pedro disse em alto e bom som: “por ti darei a minha vida” (Jo 13:37b). Pouco depois negou Cristo covardemente. Quando a pressão cresceu para cima dele, negou, fazer parte do grupo de Jesus (Jo 18:15-18, 25-27).

A ousadia virou covardia. Jesus, porém, previu que Pedro daria mesmo a sua vida por ele quando disse: “quando já fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde tu não queiras (Jo 21:18b). O assunto não é velhice, mas o martírio de Pedro: “Jesus disse isso significando com que morte havia ele de glorificar a Deus” (Jo 21:19).

Na época em que o evangelho de João foi escrito, Pedro já tinha sido glorificado a Deus com a sua morte. Talvez tenha morrido na perseguição comandada por Nero, por volta do ano 64 DC. Ele morreu em Roma, com o evangelho de Cristo e pelo evangelho de Cristo!

Jesus restaurou Pedro da covardia!

4) – Jesus restaurou Pedro da distração:

Jesus disse a Pedro: “segue-me” (Jo 21:19b). Literalmente Ele quis dizer: “continue a seguir-me”. Pedro passou a seguir Jesus como havia feito antes de negá-lo, mas, logo voltou sua atenção para “aquele discípulo a quem Jesus amava” (Jo 21:20).

Eis a resposta de Jesus: “Se eu quero que ele fique até que eu venha, que ti importa a ti? Segue-me tu” (Jo 21:22).

Aqui Jesus o estava corrigindo de sua distração. Pedro se distraia facilmente. Jesus tinha um plano para João, mas este plano não era da conta de Pedro.

Jesus restaurou Pedro da distração!
Pedro cuidou das ovelhas do Sumo Pastor. Fez isso de boa vontade e não de má vontade.

Não fez o seu trabalho para ganhar dinheiro, mas, com um verdadeiro desejo de servir.

Não procurou dominar as ovelhas que foram entregues aos seus cuidados, mas se tornou exemplo para o rebanho (I PE 5:2-4).

Tudo o que fez foi apenas por amor: as pregações, as orações pelos doentes, as cartas escritas, a busca aos perdidos, a correção dos que se afastaram do caminho.

Todo seu trabalho pastoral, até o que havia de mais simples nele, era derivado desse amor pelo Bom Pastor, que deu a sua vida pelas ovelhas (Jo 10:11).

Você perdeu o compromisso? Perdeu a credibilidade? Perdeu a proximidade com Jesus e com a igreja?

Jesus pode restaurar tudo isso na sua vida!

Para quem está caído espiritualmente, fraco em pecado, com a vida errada, dando mau testemunho, saiba de uma coisa: Jesus não perdeu o interesse por você!

Não importa o quão torta esteja a vida, o quanto tenha vivido longe de Jesus, ou se falhou em alcançar os padrões espirituais estabelecidos por Ele. Ainda assim, Ele quer fazer com você o que fez com Pedro. Quer restaurar seu compromisso, a sua credibilidade e a sua proximidade. Ele quer te dar uma outra chance, não somente para segui-lo, mas também para servi-lo pelo resto da vida. Não perca essa chance!


Que Deus te abençoe!



PC@maral


***

O Fujão

Nenhum comentário:

 Por PC@maral

Em uma conversa com um pastor, amigo meu, de uma pequena igreja no interior do estado de Minas Gerais, nos deparamos com um problema que atinge, em grande parte, muitos crentes que ao invés de se aprofundarem na palavra de Deus, produzindo assim, “frutos dignos de arrependimento”, para obterem “autoridade” dada pela prática da palavra em suas vidas, buscam, incansavelmente, poder, dos mais diversos tipos.

Nesta igreja, havia um diácono que vivia se gabando [?] de ser muito espiritual, e que Deus o abençoava por demais, e nenhum demônio podia com ele.

Certo dia, uma pessoa trouxe uma mensagem de uma família que solicitava, urgentemente, a presença do pastor em sua casa pois um de seus familiares estava endemoniado.

O pastor, prontamente, atendeu ao pedido, e chamou aquele diácono para ir com ele, sem lhe dizer de que se tratava a mensagem. Ao se aproximarem da casa, já podiam ouvir os gritos e urros que viram lá de dentro. O diácono, desconfiado, perguntou:

- Para onde estamos indo?

- Para aquela casa. Respondeu o pastor.

Ele perguntou de novo:

- O que está acontecendo... naquela casa?

O pastor respondeu: A irmã da dona da casa está endemoniada e você vai orar em nome de Jesus para expulsar o demônio dela.

- Eu? Respondeu espantado o diácono.

- É! Você mesmo!

O pastor, praticamente, empurrou o diácono para dentro da casa, que, tremendo igual vara verde ao vento, procurou logo um lugarzinho perto da janela que estava aberta.

Quando a mulher se virou para ele, ele disse, em alto e bom som:

- Sai dela mas não entra em mim!

- Sai dela mas não entra em mim!

E pulou a janela de um salto só e voltou correndo para casa.


A propósito: O pastor libertou aquela mulher da possessão demoníaca, e nunca mais aconteceu isso naquela família.

Quanto ao diácono; bem; deve estar correndo até hoje.



Pc@maral


***

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Minha Mãe me Ensinou Assim...

7 comentários:

É mesmo pra relembrar e agradecer !!!
Afinal quem esta certo: Os ditos educadores ou nossas MÃES?



1) - Minha mãe ensinou a VALORIZAR O SORRISO...
"ME RESPONDE DE NOVO E EU TE ARREBENTO OS DENTES!"

2) - Minha mãe me ensinou a RETIDÃO.
"EU TE AJEITO NEM QUE SEJA NA PANCADA!"

3) - Minha mãe me ensinou a DAR VALOR AO TRABALHO DOS OUTROS..
"SE VOCÊ E SEU IRMÃO QUEREM SE MATAR, VÃO PRA FORA. ACABEI DE LIMPAR A CASA!"

4) - Minha mãe me ensinou LÓGICA E HIERARQUIA...
"PORQUE EU DIGO QUE É ASSIM! PONTO FINAL! QUEM É QUE MANDA AQUI?"

5) - Minha mãe me ensinou o que é MOTIVAÇÃO...
"CONTINUA CHORANDO QUE EU VOU TE DAR UMA RAZÃO VERDADEIRA PARA VC CHORAR!"

6) - Minha mãe me ensinou a CONTRADIÇÃO...
"FECHA A BOCA E COME!"

7) - Minha Mãe me ensinou sobre ANTECIPAÇÃO...
"ESPERA SÓ ATÉ SEU PAI CHEGAR EM CASA!"

8) - Minha Mãe me ensinou sobre PACIÊNCIA...
"CALMA!... QUANDO CHEGARMOS EM CASA VOCÊ VAI VER SÓ..."

9) - Minha Mãe me ensinou a ENFRENTAR OS DESAFIOS...
"OLHE PARA MIM! ME RESPONDA QUANDO EU TE FIZER UMA PERGUNTA!"

10) - Minha Mãe me ensinou sobre RACIOCÍNIO LÓGICO...
"SE VOCÊ CAIR DESSA ÁRVORE VAI QUEBRAR O PESCOÇO E EU VOU TE DAR UMA SURRA!"

11) - Minha Mãe me ensinou MEDICINA...
"PÁRA DE FICAR VESGO MENINO! PODE BATER UM VENTO E VOCÊ VAI FICAR ASSIM PARA SEMPRE."

12) - Minha Mãe me ensinou sobre o REINO ANIMAL...
"SE VOCÊ NÃO COMER ESSAS VERDURAS, OS BICHOS DA SUA BARRIGA VÃO COMER VOCÊ!"

13) - Minha Mãe me ensinou sobre GENÉTICA...
"VOCÊ É IGUALZINHO AO SEU PAI!"

14) - Minha Mãe me ensinou sobre minhas RAÍZES...
"TÁ PENSANDO QUE NASCEU DE FAMÍLIA RICA É?"

15) - Minha Mãe me ensinou sobre a SABEDORIA DE IDADE...
"QUANDO VOCÊ TIVER A MINHA IDADE, VOCÊ VAI ENTENDER."

16) - Minha Mãe me ensinou sobre JUSTIÇA...
"UM DIA VOCÊ TERÁ SEUS FILHOS, E EU ESPERO ELES FAÇAM PRÁ VOCÊ O MESMO QUE VOCÊ FAZ PRA MIM! AÍ VOCÊ VAI VER O QUE É BOM!"

17) - Minha mãe me ensinou RELIGIÃO...
"MELHOR REZAR PARA ESSA MANCHA SAIR DO TAPETE!"

18) - Minha mãe me ensinou o BEIJO DE ESQUIMÓ...
"SE RABISCAR DE NOVO, EU ESFREGO SEU NARIZ NA PAREDE!"

19) - Minha mãe me ensinou CONTORCIONISMO...
"OLHA SÓ ESSA ORELHA! QUE NOJO!"

20) - Minha mãe me ensinou DETERMINAÇÃO...
"VAI FICAR AÍ SENTADO ATÉ COMER TODA COMIDA!"

21) - Minha mãe me ensinou habilidades como VENTRÍLOGO...
"NÃO RESMUNGUE! CALA ESSA BOCA E ME DIGA POR QUE É QUE VOCÊ FEZ ISSO?"

22) - Minha mãe me ensinou a SER OBJETIVO...
"EU TE AJEITO NUMA PANCADA SÓ!"

23) - Minha mãe me ensinou a ESCUTAR ...
"SE VOCÊ NÃO ABAIXAR O VOLUME, EU VOU AÍ E QUEBRO ESSE RÁDIO!"

24) - Minha mãe me ensinou a TER GOSTO PELOS ESTUDOS..
"SE EU FOR AÍ E VOCÊ NÃO TIVER TERMINADO ESSA LIÇÃO, VOCÊ JÁ SABE!..."

25) - Minha mãe me ajudou na COORDENAÇÃO MOTORA...
"AJUNTA AGORA ESSES BRINQUEDOS!! PEGA UM POR UM!!"

26) - Minha mãe me ensinou os NÚMEROS...
"VOU CONTAR ATÉ DEZ. SE ESSE VASO NÃO APARECER VOCÊ LEVA UMA SURRA!"



Brigadão Mãe !!!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Ocupados demais para pensar em Deus

Nenhum comentário:

André Sanchez



Quanta agitação! Quanto movimento! Quanta ocupação!


Essa é a situação de nossas vidas no Século XXI. A síndrome de "Marta" se apodera cada vez mais de nós. "Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas." (Lucas 10.41)

A agitação começa em nossas vidas bem cedo, e fica o dia todo presa em nós, e às vezes, nos persegue até em nosso sono, que deveria ser um momento de descanso. Com toda essa agitação e ansiedade, os momentos de paz, silêncio, reflexão, se tornam quase inexistentes ou de baixa qualidade, se é que existem.

Deus vai ficando cada vez mais longe, mesmo estando perto, cada vez menos convidado a fazer parte de nosso dia. O reflexo de tudo isto é a própria ansiedade e perturbação tomando cada dia mais conta de nossa vida e nos levando para longe de Deus e para perto do buraco.

Como seria bom termos a mesma visão de Maria, ao contrário de Marta, ela: "sentou-se aos pés do Senhor e ficou ouvindo o que ele ensinava." (Lucas 10. 39)

Num mundo tão agitado, exigente e movimentado, corremos o risco de entrar no mesmo ritmo, escolhendo muitas vezes, à distância do Senhor. É preciso parar todos os dias, pelo menos por um momento e "assentar-se aos pés do Senhor e ouvir o que Ele tem a dizer."
Comentário PC@maral:

Realmente, estamos ocupados com muitas coisas e não reservamos um tempo para Deus. Lembro que certa vez um pastor pregou em minha congregação, o tema de sua mensagem era: O quanto de tempo temos reservado para Deus.

Ele começou a preleção com quantos dias Deus nos dá por ano: 365.

Pediu que cada um verificasse quantos dias reservava para o culto: Vamos colocar como se fosse 1 vez na semana. Era só saber quantas semanas haviam no ano e somar tudo. E assim foi esmiuçando o tempo.

No final da pregação, constatamos, abismados, que o tempo que reservavamos para o Senhor era ínfimo, em comparação a tudo e todo o tempo que Ele reservava para nós.

A nossa desculpa era porque tinhamos uma vida muito agitada e atarefada que presisavamos trabalhar bastante para obter o sustento de nossa família. Isso fazia com que não tivéssemos tempo para nada.

Temos que dar graças todos os dias, pelo amor que Deus tem por cada um de nós. Pela Sua paciência e longanimidade, pela Sua provisão e pela Sua proteção diária. Porque, Ele, diferentemente, de qualquer um de nós, nos reserva todo o tempo do mundo.

Graças à Deus!

"E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século." (Mateus 28:20)





Fonte: www.esbocandoideias.com com comentários de Paulo Cesar Amaral.

***

25 Coisas Que Você Não Pode Morrer Sem Saber!!!

Um comentário:

01 - O nome completo do Pato Donald é Donald Fauntleroy Duck.

02 - Em 1997, as linhas aéreas americanas economizaram US$ 40.000 eliminando uma azeitona de cada salada.

03 - Uma girafa pode limpar suas próprias orelhas com a língua.

04 - Milhões de árvores no mundo são plantadas acidentalmente por esquilos que enterram nozes e não lembram onde eles as esconderam.

05 - Comer uma maçã é mais eficiente que tomar café para se manter acordado.

06 - As formigas se espreguiçam pela manhã quando acordam.

07 - As escovas de dente azuis são mais usadas que as vermelhas.

08 - O porco é o único animal que se queima com o sol além do homem.

09 - Ninguém consegue lamber o próprio cotovelo, é impossível tocá-lo com a própria língua.

10 - Só um alimento não se deteriora: o mel.

11 - Os golfinhos dormem com um olho aberto.

12 - Um terço de todo o sorvete vendido no mundo é de baunilha.

13 - As unhas da mão crescem aproximadamente quatro vezes mais rápido que as unhas do pé.

14 - O olho do avestruz é maior do que seu cérebro.

15 - Os destros vivem, em média, nove anos mais que os canhotos.

16 - O "quack" de um pato não produz eco, e ninguém sabe porquê.

17 - O músculo mais potente do corpo humano é a língua.

18 - É impossível espirrar com os olhos abertos.

19 - "J" é a única letra que não aparece na tabela periódica.

20 - Uma gota de óleo torna 25 litros de água imprópria para o consumo.

21 - Os chimpanzés e os golfinhos são os únicos animais capazes de se reconhecer na frente de um espelho.

22 - Rir durante o dia faz com que você durma melhor à noite.

23 - 40% dos telespectadores do Jornal Nacional dão boa-noite ao William Bonner no final.

24 - Aproximadamente 70 % das pessoas que lêem este artigo, tentam lamber o cotovelo.

25 - Como seguir este blog? É só apertar o botãozinho ali ao lado!


Fonte: Estava em meus arquivos pessoais e vou morrer sem saber de quem era!

***

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Vote com consciência!

Nenhum comentário:



Esse é o "Cara". Se você votar nele não terá nenhuma decepção. Afinal; para ser candidato tem que ser sincero...

Então? Em qual ladrão você vai votar na próxima eleição? A frase até tem rima, mas, não permita que essa rima se torne uma realidade. Use seu voto com sabedoria e inteligência e, principalmente, tenha consciência politica na hora de votar, pois depois que colocar o "Zoínho" vai dificil de tirar hein?????


***

10 motivos para não participar da Marcha para Jesus

Nenhum comentário:

Rv Ageu Magalhães



Na última quinta-feira, dia 03/09, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou o projeto de lei que institui o Dia Nacional da Marcha para Jesus. Além da presença de Michel Temer, da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff e do senador e bispo da Igreja Universal, Marcelo Crivella, estavam presentes no evento os bispos Estevam e Sônia Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo. O casal voltou ao Brasil no começo de agosto, depois de um período de dois anos e seis meses de prisão e liberdade condicional nos Estados Unidos. Eles foram condenados após tentar entrar no país com US$ 56 mil não declarados.

Antes de considerar o despropósito desta marcha, é preciso registrar a vergonha que temos ao ver o povo evangélico representado por um bispo da Igreja Universal do Reino de Deus e pelo casal Hernandes.

Entrando agora no mérito desta Marcha, alisto abaixo 10 motivos pelos quais nenhum cristão deveria participar desta marcha:

1. A igreja e a marcha são lideradas por um homem que se autodenomina apóstolo. Este é um erro cada vez mais freqüente em algumas denominações neo-pentecostais de nosso país. É sabido que o título "apóstolo" foi reservado àquele primeiro grupo de homens escolhidos por Cristo. Após a traição e suicídio de Judas, os apóstolos escolheram outro para ocupar o seu lugar (At 1.15-20), mas, como foi feita esta escolha?

Que critérios foram usados?

Ei-los:
1º) Ter sido discípulo de Jesus durante o seu ministério terreno;

2º) Ter sido testemunha ocular do Cristo ressurreto. Como pode alguém, hoje, ousar sustentar o título de apóstolo?

2. A igreja que organiza a marcha ensina Teologia da Prosperidade (crença de que o cristão deve ser próspero financeiramente), Confissão Positiva (crença no poder profético das palavras – assim como Deus falou e tudo foi criado, eu também falo e tudo acontece), Quebra de maldições (convicção de que podem existir maldições, mesmo na vida dos já salvos por Cristo) e Espíritos Territoriais (crença em espíritos malignos que governam sob determinadas áreas de uma cidade).

3. A filosofia da marcha está fundamentada em uma Teologia Triunfalista (tudo sempre vai dar certo, não existem problemas na vida do crente), tendo como base textos como Êxodo 14 (passagem de Israel no mar Vermelho) e Josué 6 (destruição de Jericó);

4. Uma das finalidades da marcha é promover curas e libertações;

5. A marcha não celebra culto, e sim show gospel;

6. Os líderes do movimento propagam que a marcha tem o poder de "mudar o destino de uma nação";

7. Na visão do grupo, com base em Josué 1.3 "Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado", a marcha é uma reivindicação do lugar por onde passam na cidade;

8. Na visão do grupo, a marcha serve para tapar as "brechas deixadas pelos atos ímpios de nossa nação";

9. Na visão do grupo, a marcha destrói "fortalezas erguidas pelos inimigo em certas áreas em nossas cidades e regiões";

10. A marcha tem caráter isolacionista, próprio de gueto, e não o que Cristo nos ensinou, a saber, envolvimento amplo na sociedade (Mt 5.13-16), com irrepreensível testemunho cristão (1Pe 2.12).


Ademais, é importante observar que toda a organização da marcha está centrada nas mãos de uma igreja apenas, excluindo-se o alegado caráter de união entre os evangélicos.

Tanta força e entusiasmo deveriam ser canalizados para a pregação do Evangelho a esta nação cada vez mais sedenta.
As pesquisas indicam que os evangélicos já somam 15% da população brasileira, no entanto, a imoralidade, a corrupção e a violência são cada vez maiores em nosso país.

Os canais de TV, os programas de rádio, bem como as marchas, não têm gerado transformação de vida em nosso povo.

A marcha que Cristo ensinou à sua igreja foi outra, silenciosa e efetiva, tal qual o sal penetrando no alimento (Mt 5.13); pessoal e de relacionamento, como na igreja primitiva (At 8.4); cotidiana e sem cessar, como entre os primeiros convertidos (At 2.42-47).


Que Deus nos restaure esta visão.



Fonte: resistenciaprotestante.blogspot.com


***

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Quem poderá tirar o Homem do buraco?

4 comentários:


Assista e responda você mesmo.

Fonte: Vi no hermesfernandes.blogspot.com

Dicionário das Unções

4 comentários:

Ciro Sanches Zibordi

Unção:

Nos tempos da Antiga Aliança, reis, profetas, sacerdotes e coisas (colunas, objetos, etc.) eram ungidos (Gn 31.13; Êx 30.26-30; 40.15; 1 Sm 10.1; 1 Rs 19.16; Sl 133). A unção simbolizava consagração de pessoas ou coisas ao Senhor. Mas, no Novo Testamento, Jesus afirmou, após ter lido um trecho de Isaías (61.1-2), que a profecia quanto à unção do Espírito sobre a sua vida tinha se cumprido (Lc 4.18-21). Deus o ungira, no plano espiritual, e isso em si já era o bastante para o cumprimento de sua missão na Terra (At 10.38).

O derramamento de azeite representava, antigamente, unção divina propriamente dita sobre a vida de quem ascenderia a uma posição de destaque (Nm 3.3; 1 Sm 16.13). No entanto, hoje, não é mais necessário ungir pessoas com azeite para consagração ou confirmação de seus ministérios. Basta a unção do Espírito Santo (2 Co 1.21; 1 Jo 2.20,27).

Também não é preciso ungir objetos, a fim de consagrá-los a Deus, pois o Novo Testamento menciona a unção literal somente para os enfermos (Mc 6.13), a qual deve ser aplicada pelo presbitério (Tg 5.14). O azeite, além de símbolo do Espírito Santo (Zc 4.3-6), é o ponto de contato que pode estimular a fé do doente. Mas o recebimento da cura não está relacionado com a unção, e sim com a oração da fé, em nome do Senhor: "E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará" (Tg 5.15).

1 - Unção com óleo para os enfermos:

O Senhor Jesus disse: "porão as mãos sobre os enfermos e os curarão" (Mc 16.18). E a imposição de mãos pode incluir a unção com óleo. Esta, no entanto, não é a condição primacial para a cura, que ocorre por meio da fé (Lc 8.48; 17.19). Os apóstolos não precisavam de azeite para levantar os enfermos. Hoje, a unção para os doentes é apenas simbólica. Não deve ser aplicada ou esfregada no local da enfermidade, como fazem certos milagreiros, para depois pretensamente extrair objetos das pessoas, como pedaços de ossos, pedras, filetes com sangue ou algo parecido. Isso, na maioria dos casos, se trata de fraude; em outros, é ação do mal mesmo. Nos tempos bíblicos, o azeite era empregado diretamente nas feridas, mas apenas como remédio (Is 1.6; Lc 10.34).

2 - Unção da loucura:

Falsa unção baseada em 1 Coríntios 1.25: "Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens". Os espalhafatosos propagadores dessa nova unção vêem nessa passagem a justificativa para todas as aberrações que dizem e fazem. Alguns têm ministrado a "bênção do depósito celestial". Prometem que as pessoas que tiverem fé encontrarão uma grande quantia em sua conta bancária. No entanto, como o tal declarará isso no Imposto de Renda, haja vista não poder dizer simplesmente: "Foi Deus quem me deu?" A expressão "loucura de Deus" foi empregada por Paulo apenas para enfatizar o quanto os seres humanos, por mais capazes que sejam, estão aquém do Todo-Poderoso. A despeito de ele ter mencionado a "fraqueza de Deus", nenhum milagreiro inventou, ainda, a unção da "fraqueza de Deus", com base no mesmo versículo.

3 - Unção do leão:

Esta tornou-se muito conhecida depois que a vocalista de certo grupo engatinhou "profeticamente" em um palco, levando milhões de fãs ao delírio. A própria cantora admitiu que andou sob a unção do Leão da Tribo de Judá, mas depois se desculpou pelo ocorrido.

4 - Unção do reteté:

Uns dizem "reteté", e outros, "repleplé". Ninguém sabe ao certo o que significam essas expressões onomatopaicas — que devem ter se originado de uma brincadeira de péssimo gosto com as línguas estranhas —, usadas para identificar pretensos cultos pentecostais. O termo "reteté" não consta de dicionários oficiais. Mas há quem diga que teve origem no italiano; relacionado com a culinária, significaria: "mistura", "movimento", "reboliço", "festa", "aquilo que foge da normalidade", etc. O certo é que essa expressão esdrúxula faz o maior sucesso no meio pseudopentecostal. Nas reuniões em que ocorre a unção do reteté, os "hinos" são apresentados em ritmos como axé, com batuques que lembram reuniões de candomblé, e muito forró. Pessoas rodopiam, correm de um lado para o outro, caem, riem, berram, etc. Não se trata apenas de meninice. Em muitos casos, existe influência maligna (cf. 1 Tm 4.1), aceita e incentivada por obreiros neófitos que não estudam as Escrituras, deixando de observar o que está escrito em 1 Coríntios 14.

5 - Unção do riso:

Falsa unção que ocorre quando um "ungido" olha para o povo e começa a dar gargalhadas, supostamente pelo poder de Deus. Pessoas uivam, como se fossem lobos. Outras caem e lançam-se umas sobre as outras, dando gargalhadas similares àquelas que só podem ser ouvidas em filmes de terror.

6 - Unção do Santo:

Este termo é bíblico (1 Jo 2.20,27) e representa a única e definitiva unção que o crente deve possuir, a unção do Espírito Santo. O cristão verdadeiro possui essa unção, não precisando de novas unções ou unções novas.

7 - Unção dos quatro seres:

Falsa unção propagada por "adoradores" que, baseando-se em Apocalipse 4, se dizem impulsionados por essa nova unção para rugir como leões, baterem os braços como águias e imitarem bezerros, nos cultos. Os que são influenciados pelo ser que tem rosto "como de homem" limitam-se a gemer e a chorar.
Esse tipo de manifestação exótica e aberrante também está associada à chamada bênção de Toronto, que já influenciou crentes da América do Norte, da Europa e também do Brasil. Várias pessoas reuniam-se em um local próximo ao aeroporto de Toronto, no Canadá, e muitas delas latiam como cães e caíam supostamente pelo Espírito e eram tomadas por risos prolongados e incontroláveis. Algumas imitavam animais, como leão, cachorro e até lagartixa.
8 - Unção financeira:

Este termo é muito usado pelos propagadores da falaciosa teologia da prosperidade. No Brasil, essa falsa unção ganhou notoriedade depois que o telepregador Morris Cerullo "profetizou" que Deus derramaria a tal unção sobre todos os que contribuíssem com R$ 900,00 para um programa de TV. A justificativa de Cerullo para estabelecer o valor foi o fato de estarmos em 2009, e nove denotar, supostamente, completude, totalidade.

9 - Unção nova ou nova unção:

Ambos os termos se referem, genericamente, a todo e qualquer tipo de novidade apresentada como sendo decorrente de uma unção, como, por exemplo: unção apostólica, financeira, extravagante, de ousadia, de conquista, de multiplicação, do riso, etc.

10 - Unção profética:

Este tipo de unção é mística, pois transforma o óleo em um elemento "mágico" para obtenção de dádivas. Segundo a Bíblia, somente o ministério está autorizado a ungir os enfermos. Tiago, ao mencionar presbíteros, referiu-se aos ministros chamados por Deus, vedando essa prática a diáconos, cooperadores e membros (Tg 5.14; cf. Mc 6.13).
Certos "ungidos" têm usado o óleo para ungir "profeticamente" casas, carros, etc., para "abençoar" pessoas e ser "abençoados" por elas. Há algum tempo, seguidores de um grupo "evangélico" resolveram, numa "atitude profética", escalar e ungir o pico Dedo de Deus, na região serrana do Rio de Janeiro. Outros enterram garrafas ou latas de azeite em montes, a fim de tornar o produto da oliveira "poderoso". Depois, o empregam em suas campanhas para ungir casas, carros, carteiras de trabalho, etc.
11 - Unção, transferência de:

Nome dado ao modismo pseudopentecostal pelo qual certos "ungidos" pretensamente transmitem unção uns aos outros. Segundo movimentos pseudopentecostais, para se transferir unção, é preciso estar numa dimensão mais profunda ao Espírito Santo. Os "ungidos", então, se abraçam fortemente, podendo ficar grudados por um longo tempo. Essa transferência também ocorre quando os "ungidos" encostam as suas testas umas nas outras ou rolam pelo chão abraçados, movimentando-se violentamente.
Os defensores desse modismo afirmam que Moisés transferiu a sua unção para setenta anciãos. Na verdade, Deus usou o seu servo como um canal para dar a outros setenta homens a sua própria (de Deus) unção, como se lê em Números 11.16,17:

"Então, eu descerei, e ali falarei contigo, e tirarei do Espírito que está sobre ti, e o porei sobre eles; e contigo levarão a carga do povo, para que tu sozinho o não leves".




Fonte: Blog do Ciro

***

As Confusões da "Cabana"

7 comentários:
Por Paulo Romeiro

Já faz tempo que o liberalismo teológico tem assediado e invadido uma boa parte do campo evangélico brasileiro. Os prejuízos para a pregação do evangelho têm sido enormes. A decadência doutrinária aumenta com rapidez e muitos crentes estão cada vez mais confusos.

Por várias décadas, o liberalismo teológico vem ganhando espaço nas denominações históricas e em seus seminários. Nos últimos anos, porém, alguns segmentos pentecostais foram atingidos por essa corrente de pensamento, algo inimaginável até então, pois, ser pentecostal significa crer no poder e na Palavra de Deus.

A exemplo dos liberais, alguns pentecostais se julgam espertos o suficiente para duvidar de Deus e da sua Palavra. Hostilizar o cristianismo, exaltar a dúvida e questionar a Bíblia Sagrada tornou-se para muitos um sinal de academicismo e inteligência.

É o que vemos hoje através das igrejas emergentes, que pregam uma ortodoxia generosa,¹ onde as verdades e temas vitais da fé cristã perdem sua importância. Tudo indica que há uma apostasia se instalando em muitas igrejas evangélicas, algo já predito na Palavra de Deus e que aponta para a volta de Cristo (2 Ts 2.3; 2 Tm 4.1; 2 Tm 4.1-4; 2 Pe 2.1).

É num solo assim, fértil para a semeadura e crescimento de distorções das doutrinas centrais da fé cristã que surge o livro A Cabana² promovendo o liberalismo teológico e fazendo sucesso entre os evangélicos e a sociedade em geral.

Este artigo apresenta uma breve análise, à luz da Bíblia, sobre esse best-seller a fim de responder algumas indagações de muitos cristãos.

I – Definições

Liberalismo teológico: Movimento da teologia protestante que surgiu no século XIX com o objetivo de modificar o cristianismo a fim de adaptá-lo à cultura e à ciência modernas. O liberalismo rejeita o conceito tradicional das Escrituras Sagradas como revelação divina proposital e detentora de autoridade, preferindo o conceito de que a revelação é o registro das experiências religiosas evolutivas da humanidade. Apregoa também um Jesus mestre e modelo de ética, e não um redentor e Salvador divino.

Pluralismo religioso: A crença de que há muitos caminhos que levam a Deus, que há diversas expressões da verdade sobre ele, e que existem vários meios válidos para a salvação.

Relativismo: Negação de quaisquer padrões objetivos ou absolutos, especialmente em relação à ética. O relativismo propala que a verdade depende do indivíduo ou da cultura.

Teologia relacional (teísmo aberto): Conceito teológico segundo o qual alguns atributos tradicionalmente ligados a Deus devem ser rejeitados ou reinterpretados. Segundo seus proponentes, Deus não é onisciente e nem onipotente. A presciência divina é limitada pelo fato de Deus ter concedido livre-arbítrio aos seres humanos.

II – O livro A cabana

A história do livro

Durante uma viagem que deveria ser repleta de diversão e alegria, uma tragédia marca para sempre a vida da família de Mack Allens: sua filha mais nova, Missy, desaparece misteriosamente. Depois de exaustivas investigações, indícios de que ela teria sido assassinada são encontrados numa velha cabana.

Imerso numa dor profunda e paralisante, Mack entrega-se à Grande Tristeza, um estado de torpor, ausência e raiva que, mesmo após quatro anos de desaparecimento da menina, insiste em não diminuir.

Um dia, porém, ele recebe um bilhete, assinado por Deus, convidando-o para um encontro na cabana abandonada. Cheio de dúvidas, mas procurando um meio de aplacar seu sofrimento, Mack atende ao chamado e volta ao cenário de seu pesadelo.

Chegando lá, sua vida dá uma nova reviravolta. Deus, Jesus e o Espírito Santo estão à sua espera para um “acerto de contas” e, com imensa benevolência, travam com Mack surpreendentes conversas sobre vida, morte, dor, perdão, fé, amor e redenção, fazendo-o compreender alguns dos episódios mais tristes de sua história (Informações extraídas da orelha do livro).

O livro é uma ficção cristã, um gênero que cresce muito na cultura cristã contemporânea e comunica sua mensagem de uma forma leve e fácil de se ler. O autor, William P. Young trata de temas vitais para a fé cristã tais como: Quem é Deus? Quem é Jesus? Quem é o Espírito Santo? O que é a Trindade? O que é salvação? Jesus é o único caminho para Deus?

III – Pontos principais do livro³

1. Hostilidade ao cristianismo

"As orações e os hinos dos domingos não serviam mais, se é que já haviam servido... A espiritualidade do Claustro não parecia mudar nada na vida das pessoas que ele conhecia... Mack estava farto de Deus e da religião..." (p. 59).

""Nada do que estudara na escola dominical da igreja estava ajudando. Sentia-se subitamente sem palavras e todas as suas perguntas pareciam tê-lo abandonado" (81).

Resposta bíblica: Jesus disse que as portas do inferno não prevaleceriam contra a sua Igreja (Mt 16.18).

2. Experiência acima da revelação

As soluções para os probemas da vida surgem de experiência extrabíblicas e não da Palavra de Deus. As alegadas revelações da "Trindade" são a base de todo o enredo do livro. Mesmo fazendo alusões às verdades bíblicas, elas não são a base autoritativa da mensagem.

3. A rejeição de Sola Scriptura

A Cabana rejeita a autoridade da Bíblia como o único instrumento para decidir as questões de fé e prática. Para ouvir Deus, Mack é convidado a ouvir Deus numa cabana através de experiências e não através da leitura e meditação da Bíblia Sagrada.

Resposta bíblica: Rm 15.4: "Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança".

2 Tm 3.16, 17: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a coreção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra".

A igreja não precisa de uma nova revelação, mas de iluminação para entender o que foi revelado nas Escrituras.

4. Uma visão antibíblica da natureza e triunidade de Deus

Além de errar sobre a Bíblia, A Cabana apresenta uma visão distorcida sobre a Trindade. Deus aparece como três pessoas separadas, o que pode ser chamado de triteísmo.

O autor tenta negar isso ao escrever: "Não somos três deuses e não estamos falando de um deus com três atitudes, como um homem que é marido, pai e trabalhador. Sou um só Deus e sou três pessoas, e cada uma das três é total e inteiramente o um" (p. 91).

Young parece endossar uma pluralidade de Deus em três pessoas separadas: duas mulheres e um homem (p. 77). Deus o pai é apresentado como uma negra enorme, gorda (p. 73, 74, 75, 76, 79), governanta e cozinheira, chamada Elousia (p.76).

Jesus aparece como um homem do Oriente Médio, vestido de operário, com cinto de ferramentas e luvas, usando jeans cobertos de serragem e uma camisa xadrez com mangas enroladas acima dos cotovelos, mostrando os antebraços musculosos. Não era bonito (p. 75).

O Espírito Santo é apresentado como uma mulher asiática e pequena (p. 74), chamada Sarayu (p. 77, 101).

Resposta bíblica: Dentro da natureza do único Deus verdadeiro há três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. São três pessoas distintas, mas, não separadas como o livro apresenta. Além disso, o Pai e o Espírito Santo não possuem um corpo físico. Veja Jó 10.4; João 4.24 e Lucas 24.39.

5. A punição do pecado

O livro apregoa que Deus não castiga os pecados: "Mas o Deus que me ensinaram derramou grandes doses de fúria, mandou o dilúvio e lançou pessoas num lago de fogo. — Mack podia sentir sua raiva profunda emergindo de novo, fazendo brotar as perguntas, e se chateou um pouco com sua falta de controle. Mas perguntou mesmo assim: — Honestamente, você não gosta de castigar aqueles que a desapontam? Diante disso, Papai interrompeu suas ocupações e virou-se para Mack. Ele pôde ver uma tristeza profunda nos olhos dela. — Não sou quem você pensa, Mackenzie. Não preciso castigar as pessoas pelos pecados. O pecado é o próprio castigo, pois devora as pessoas por dentro. Meu objetivo não é castigar. Minha alegria é curar. — Não entendo..."

Resposta bíblica: A Cabana mostra um Deus apenas de amor e não de justiça. Apesar da Bíblia ensinar que Deus é amor, não falha em apresentá-lo como um Deus de justiça que pune o pecado:

"A alma que pecar, essa morrerá" (Ezequiel 18.4).

"Semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro" (Rm 1.27).

"porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rm 6.23).

"E a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus" (2 Ts 1.7, 8). Cristo morreu pelos nossos pecados (1Co 15.3).

6. O milagre da encarnação

O livro apresenta uma visão errada da encarnação de Jesus Cristo: "Quando nós três penetramos na existência humana sob a forma do Filho de Deus, nos tornamos totalmente humanos. Também optamos por abraçar todas as limitações que isso implicava. Mesmo que tenhamos estado sempre presentes nesse universo criado, então nos tornamos carne e sangue" (p. 89).

Resposta bíblica: De acordo com a Bíblia, somente o verbo encarnou (Jo 1.14). Veja ainda Gl 4.4; Cl 2.9 e 1Tm 2.5.

7. Jesus, o melhor ou único caminho para o Pai?

No livro, Jesus é apresentado como o melhor e não o único caminho para Deus: "Eu sou o melhor modo que qualquer humano pode ter de se relacionar com Papai ou com Sarayu" (p. 101).

Resposta bíblica: A Bíblia é muito clara ao afirmar que Cristo é o único que pode salvar: Is 43.11; Jo 6.68; Jo 14.6; At 4.12 e 1 Tm 2.5.

8. Patripassionismo

O livro promove uma antiga heresia denominada patripassionismo, que é o sofrimento do Pai na cruz: "O olhar de Mack seguiu o dela, e pela primeira vez ele notou as cicatrizes nos punhos da negra, como as que agora presumia que Jesus também tinha nos dele. Ela permitiu que ele tocasse com ternura as cicatrizes, marcas de furos fundos" (p. 86). "Olhou para cima e notou novamente as cicatrizes nos pulsos dela” (p. 92). “Você não viu os ferimento em Papai também"? (p. 151).

Resposta bíblica A Bíblia mostra que foi Jesus quem sofreu na cruz e recebeu as marcas dos cravos e não o Pai ou o Espírito Santo. Veja João 20.20, 25, 28.

9. Universalismo

A Cabana promove o universalismo, isto é, que todas as pessoas serão salvas, não importa a sua religião ou sistema de crença. "Os que me amam estão em todos os sistemas que existem. São budistas ou mórmons, batistas ou muçulmanos, democratas, republicanos e muitos que não votam nem fazem parte de qualquer instituição religiosa. Tenho seguidores que foram assassinos e muitos que eram hipócritas. Há banqueiros, jogadores, americanos e iraquianos, judeus e palestinos" (p. 168, 169).

"Não tenho desejo de torná-los cristãos, mas quero me juntar a eles em seu processo para se transformarem em filhos e filhas do Papai, em irmãos e irmãs, em meus amados" (p. 169).
Jesus afirma: "A maioria das estradas não leva a lugar nenhum. O que isso significa é que eu viajarei por qualquer estrada para encontrar vocês" (p. 169).

Resposta bíblica Não há base bíblica para tais afirmações. A Palavra de Deus ensina que não existe salvação fora de Jesus Cristo. Apesar de o universalismo ser uma doutrina agradável, popular e que reflete a política da boa vizinhança, a Bíblia afirma que nem todos serão salvos: Veja Mt 7. 13, 14; 25.31-46; 2 Ts 3.2.


NOTAS


Pastor Paulo Romeiro é presidente da ICT - Igreja Cristã da Trindade; Presidente da Agir - Agência de Informações Religiosas
¹ Brian McLaren. Uma ortodoxia generosa. Brasília. Editora Palavra. 2007. Este livro promove muitas das propostas denunciadas neste estudo.
² YOUNG, William P. A cabana. Rio de Janeiro. Editora Sextante. 2008.
³ Algumas idéias foram extraídas de um trabalho publicado por Norman Geisler: “Norm Geisler Takes “The Shack”to the Wood Shed. Acessado em 18 de dezembro de 2008. www.thechristianworldview.com


BIBLIOGRAFIA


EVANS, C. Stephen. Dicionário de apologética e filosofia da religião. São Paulo. Vida. 2004.
NICODEMUS, Augustus. O que estão fazendo com a Igreja. São Paulo. Mundo Cristão. 2008.
PIPER, John et alli. Teísmo aberto: uma teologia além dos limites bíblicos. São Paulo. Editora vida. 2006.
WILSON, Douglas (org.). Eu não sei mais em quem eu tenho crido: confrontando a teologia relacional. São Paulo. Editora Cultura Cristã. 2006.
YOUNG, William P. A cabana. Rio de Janeiro. Editora Sextante. 2008.


Fonte: resistenciaprotestante.blogspot.com


***

Um arrepio bem hipócrita!

Nenhum comentário:

Rev. Ageu Magalhães

Nestes dias em que o mundo valoriza mais os sentidos do que a razão e em que a Igreja Evangélica aprecia mais as emoções do que o conhecimento, tenho observado um comportamento bastante comum nas igrejas, ao qual dei o nome de "fenômeno do arrepio". - (eu costumo falar que a pessoa fica toda "arrupiada" - comentario pc@maral)



A situação é a seguinte: A pessoa passa a semana inteira longe dos caminhos do Senhor, seja por negligência ou por vida de evidente pecado. Nos dias de culto, vai à Igreja e, no período de cânticos (erroneamente chamado "período de louvor", porque louvor deve ser encontrado em todo o período de culto) ela se emociona e sente um arrepio. Pronto. "Tive uma experiência com Deus", "Eu senti Deus me tocar", "o louvor foi uma bênção", conclui. Volta à sua semana de negligência e pecados, mas com a consciência anestesiada, pois a experiência do domingo mostrou que Deus está com ela.

Isso tem acontecido. Não é difícil ver pessoas levantando as mãos nos cultos, chorando, se emocionando e, não raro, perceber que algumas destas não têm vida com Deus. Estão ali apenas em uma catarse espiritual. Deus não se agrada disto. Ele mostra em sua Palavra que o culto não é um momento à parte de nossa vida, mas que tem total ligação com ela. Jesus ensinou no Sermão do Monte:
"Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta." (Mt 5.23,24).
O que fazemos durante a semana tem total ligação com o culto comunitário. Este é o ápice, o momento alto de nossa adoração. E, se é o ápice, significa que a adoração não começa no domingo, mas ela vem de uma semana inteira de adoração, através de nossa obediência aos caminhos do Senhor. Romanos 12. 1: "Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional." Este apresentar é contínuo. Indica o nosso viver diário.

Por meio do profeta Isaías Deus condenou o comportamento do povo que passava a semana pecando e depois ia se apresentar diante dEle, como se nada houvesse acontecido. Veja:
"De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios? —diz o SENHOR. Estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais cevados e não me agrado do sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes. Quando vindes para comparecer perante mim, quem vos requereu o só pisardes os meus átrios? Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e também as Festas da Lua Nova, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniqüidade associada ao ajuntamento solene. As vossas Festas da Lua Nova e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece; já me são pesadas; estou cansado de as sofrer. Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue. Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal. Aprendei a fazer o bem; atendei à justiça, repreendei ao opressor; defendei o direito do órfão, pleiteai a causa das viúvas." (Is 1.11-17)
Voltanto ao arrepio, Deus quer de nós mais que isso, quer obediência. Se emoção fosse sinal de aprovação de Deus, grande parte da população estaria no seu momento mais santo quando vê a bandeira nacional sendo asteada ao som do Hino Nacional. Deus quer nosso coração. Deus quer submissão à sua vontade. Deus quer obediência.

Temos a aprovação de Deus quando a nossa vida exala o bom perfume de Cristo (2Co 2.15); quando Deus olha para nós e, à semelhança de seu Filho, se compraz (Mt 3.17); quando olha para a sociedade e nos distingue como piedosos (Sl 4.3).


Busquemos isto!



Fonte: resistenciaprotestante.blogspot.com - Vi no Genizah

***

Promoção do Reino de Deus - marketing religioso no contexto da igreja brasileira

Nenhum comentário:
Caros amigos leitores, como não pude ir ao lançamento do Livro da Eleine Rezende, "Nani e a Teologia", e lhe dar os cumprimentos pessoalmente, faço uso deste blog para homenagear esta talentosa escritora.

A intenção, além da homenagem, é a divulgação desse assunto tão importante para o mundo cristão, que é parte do título do livro: "marketing religioso no contexto da igreja brasileira".

O Artigo publicado no Nani e a Teologia de 23 de setembro de 2009.
livro da Nani

as fotos Já antecipei ontem no twitter: Amigos, o lançamento do livro foi uma maravilha - deu tudo certo... GLÓRIA A DEUS!!! ALELUIA!!!!
E, conforme prometido, seguem algumas fotos do lançamento do meu livro. Mas antes, os agradecimentos:
Durante o evento, discursaram Dr. Gilson Alberto Novaes, Dr. Paulo Romeiro e Dr. Carlos Caldas. Agradeço pela lindas palavras dos três!
Também agradeço à minha família, aos meus amigos do marketing da Pierre Alexander, aos amigos da graduação em Teologia e do mestrado em Ciências da Religião do Mackenzie.
Da internet, abraço especial para o Diogo Bochio que estava lá. E, claro, agradeço pela torcida de todos vocês!

Nani, simplesmente Nani



meu pequeno discurso



galera da Pierre: Glaucia, Lúcia, Evelyn e Léo



galera da graduação do Mackenzie: Alexandre, Jane e Sú + Gabriel e Elenice



Para quem estiver interessado em comprar o livro, a partir de hoje está à venda no site da Editora Reflexão.

Serviço
Promoção do Reino de Deus - marketing religioso no contexto da igreja brasileira
de Elaine Rezende e Edson Lopes (meu orientador)

130 páginas

R$ 24,90


Clique aqui para encomendar seu livro



Que Deus continue te abençoando e outros livros mais sejam lançados para Honra e Glória do senhor Jesus e edificação do povo de Deus!



PC@maral

****

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Sou Incrédulo Mas Quero Mudar

Um comentário:

Rute de Oliveira Soares



"Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a mão do seu lado, de maneira nenhuma o crerei." (Jo 20:25b)

As dúvidas fazem parte da vida de qualquer pessoa. Elas surgem sem aviso prévio, e, caso não sejam enfrentadas e resolvidas, poderão conduzir a pessoa ao grave problema da incredulidade. Quando isto acontece, um grande conflito interno tem início, porque a incredulidade é extremamente prejudicial ao desenvolvimento da fé verdadeira (Hb 12:6). No entanto, a palavra de Deus oferece ensinos preciosos, que trazem àqueles que a estudam a certeza de que a incredulidade pode ser superada.

É comum ouvirmos dizer que um crente não pode ter dúvidas. Alguns irmãos chegam a considerá-la como uma afronta a Deus. No entanto, em meio às inevitáveis crises e dramas, que surgem ao longo da nossa existência, somos confrontados com dúvidas cruéis, que, não raras vezes, nos levam até mesmo a questionar a palavra de Deus, colocando em risco a preciosa fé que um dia abraçamos.
Alguns ilustres personagens bíblicos também tiveram a sua tranqüilidade abalada pelo surgimento perturbador da dúvida.

João Batista, considerado o maior profeta que já existiu (Mt 11:11), mesmo tendo dedicado a sua vida à pregação da vinda do Messias, declarado Jesus como o Cordeiro de Deus (Jo 1:29) e ter se apresentado como testemunha da confirmação divina de que este era o Filho de Deus (Jo 1:30-34), não ficou imune ao dardo inflamado da dúvida. Esta veio para ele diante da forte pressão emocional sofrida, na injusta prisão de que foi vítima. Este autêntico servo de Deus foi atormentado pela incerteza do que tinha declarado, a ponto de enviar a Jesus a seguinte pergunta: "És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro?" (Mt 11:3).

Uma outra referência bíblica imortalizou o seu protagonista como símbolo da incredulidade este episódio é o que narra a dramática experiência vivida por Tomé, um dos doze discípulos escolhidos por Jesus (Lc 6:13-16). Dificilmente ouviremos uma mensagem que o aponte como um exemplo a ser seguido. Por ter sido alvo de uma repreensão feita por Jesus (Jo 20:27), acabou sendo rotulado, pelos leitores e estudantes da palavra de Deus, como "aquele que duvidou" ou "o incrédulo". No entanto, este incompreendido discípulo pode ser um excelente exemplo para quem deseja superar crises de dúvidas e descrenças e alcançar uma fé verdadeira e inabalável.
Quando analisamos a vida de Tomé ao lado de Jesus, ficamos admirados com o aparecimento de uma incredulidade tão marcante. Ele, entre tantas coisa, viu Jesus ressuscitar a Lázaro, que já estava morto e sepultado pelo período de quatro dias (Jo 11:16,43,44); contemplou a autoridade do Senhor sobre mares e tempestades (Mc 4:35-41), ouviu uma declaração magnífica do próprio Jesus, confirmando que ele era o cristo, em resposta a uma pergunta (Jo 14:5-6); ouviu sermões edificantes e comoventes (Mt 5; Jo 10:1-21, 14, 15); assistiu ao milagre operado por Jesus, quando este multiplicou os pães e os peixes (Mt 14:19); e, com certeza, alegrou-se diante de tantos outros milagres que viu Jesus realizar.

Os poucos registros feitos nos evangelhos sobre Tomé nos permitem desenhar o perfil de um homem leal, corajoso, investigativo, amoroso, persistente e reverente. A lealdade de Tomé ao Mestre ficou demonstrada quando se decidiu e convenceu o grupo de discípulos a acompanhar Jesus, numa missão suicida, segundo o seu realista, pessimista e cético ponto de vista (Jo 11:8,16). Mesmo estando certo de que Jesus seria morto, ele teve coragem para acompanhá-lo. Quando não entendia alguma coisa, não tinha receio de perguntar. Ao ouvir Jesus afirmar que estava indo preparar um lugar para eles, e que eles já conheciam o caminho para o tal lugar, não hesitou em perguntar: "Senhor, não sabemos para onde vais; como saber o caminho?" (Jo 14:5)

O desejo de estar com Jesus em todas as situações, querer conhecer o caminho para encontrá-lo, precisar de informações claras e transparentes, em resposta às suas perguntas, faziam de Tomé um homem como poucos. Dá até para entender porque Jesus o escolheu para o seu grupo restrito de amigos. Era um discípulo leal, honesto e amava o seu Mestre. Talvez, por essas razões. Com certeza, a sensação de desamparo e frustração invadiu o seu coração. No seu modo pessimista de pensar, ele concluiu que estava tudo acabado.

Recolhido na sua tristeza, afogado no mar da dúvida, ele não participou do grande momento em que Jesus se apresentou aos seus amedrontados discípulos (Jo 20:24), oferecendo paz, alegria e consolo, através do espírito Santo. Ele perdeu a chance de ouvir o único que poderia responder as suas inquietantes indagações. Entretanto, não era de desistir facilmente. Retornou ao grupo, encontrando-os transbordantes de felicidade, num contraste gritante com a tristeza que lhe tinha consumido nos últimos dias. Autêntico e verdadeiro como era, declarou o seu descrédito às entusiasmadas informações de seus amigos que, perplexos, o ouviram afirmar: "Se eu não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei" (Jo 20:25).

Era tudo ou nada. Não bastava ver , ele também precisava tocar nas feridas que tinham levado o seu querido Jesus à morte. A famosa frase "ver para crer" surgiu do desejo sincero de alguém que reconhecia a sua limitação e sua incapacidade de enxergar além do que estava ao alcance dos olhos e do toque das mãos. A dúvida, o medo, a tristeza eram as únicas certezas naquele momento crucial da sua vida. O pronunciamento honesto de Tomé era o desabafo desesperado de um homem que não podia esconder a sua dor por não conseguir crer em simples palavras.

O salmista Davi afirmou que um coração compungido e contrito não será desprezado por Deus (Sl 51:17). Essa promessa cumpriu-se na vida de Tomé. Jesus voltou para ele. O Senhor ouviu o clamor angustiado daquele discípulo tão especial, e voltou para cuidar dele e lhe dar a cura que ele precisava. Extasiado e surpreso, o atormentado Tomé se achou frente a frente com Jesus Cristo. A paz oferecida na sua divina saudação penetrou naquele coração desconfiado (Jo 20:26). Ainda sob forte impacto, ele viu o Senhor lhe dirigir o olhar, e ouviu a tão esperada resposta de Jesus ao seu clamor: "Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e pôe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente" (Jo 20:27). Neste momento, ficou claro que Tomé era a razão do retorno de Jesus. (oito dias após sua primeira aparição aos discípulos na casa [v.26]).

O relato bíblico não registra se Tomé efetivamente agiu de acordo com a permissão dada por Jesus, mas apresenta uma cena emocionante de um homem convertendo-se integralmente e verdadeiramente ao senhorio do Cristo Ressurreto. Jesus voltou para ficar para sempre na vida de Tomé. As terríveis dúvidas desapareceram, dando lugar a uma fé viva e verdadeira que inundou o seu coração de tal maneira que o levou a confessar que ali estava o seu Senhor e o seu Deus (Jo 20:28). Naquele momento, nascia um novo Tomé, pronto para testificar que o amor divino é real e transforma um homem de coração endurecido pela incredulidade em um verdadeiro adorador do Senhor.

A visita de Jesus a Tomé trouxe benefícios que se estenderam aos seus servos em todos os tempos; "Porque me vistes, credes? Bem-aventurados os que não viram e creram" (Jo 20:29). Tomé precisou ver para crer, a exemplo dos outros discípulos, que também passaram a crer porque viram o Senhor (Lc24:39). Entretanto, o Senhor garantiu que existiriam pessoas que seriam muito felizes porque teriam a condição de crer sem a necessidade de ver. A fé verdadeira iria brotar nos corações daqueles que tivessem a oportunidade de ouvir a palavra de Deus. A era apostólica terminou, mas a fé pregada por eles continua transformando pessoas incrédulas em filhos de Deus, pelo poder da sua palavra (Rm 10:8-10).

Pessoas fragilizadas pela dor e pelo sofrimento podem tornar-se vulneráveis ao ataque de dúvidas e desconfianças com relação ao cuidado paterno de Deus. Não é pecado ser assaltado por dúvidas; porém, é fundamental não ser dominado por elas. A advertência de Jesus a Tomé foi de preveni-lo contra uma doença letal: "não sejas incrédulo, mas crente". A incredulidade é o caminho certo para a morte, daí a ordem bíblica de nos livrarmos dela: “Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afasteis do Deus vivo (Hb 3:12).

Podemos vencer a incredulidade procurando a comunhão fraternal, confessando nossas dúvidas espirituais e reconhecendo a compaixão divina.

Existe um pensamento popular que traz uma ilustração interessante: "Não podemos impedir que um pássaro voe sobre a nossa cabeça. mas podemos impedi-lo de fazer o seu ninho nela."

Não se conforme com a dúvida; busque respostas. Creia que a mudança é possível. Não perca de vista a certeza, garantida pela palavra de Deus, de que o Senhor Jesus está conosco (Mt 28:20), e porque ele é o nosso pastor, nada nos faltará; a sua bondade e a sua misericórdia nos seguirão todos os dias da nossa vida (Sl 23:1-6).

Confie na sua promessa de que muitos milagres seguirão aos que crerem (Mc 16:17). Vale à pena lutar pela mudança.



Que Deus nos abençoe!



PC@maral


***

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Erros que os Pregadores MIRINS Devem Evitar

8 comentários:
Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6)

Por Ciro Sanches Zibordi

Tem surgido, no meio evangélico, uma nova “onda”: a dos pregadores mirins, que são, na verdade, imitadores de animadores de auditório, com os mesmos trejeitos. São espalhafatosos, alguns usam suspensório, berram ao microfone, mandam o povo dizer isso e aquilo, pegar na mão do irmão, abraçá-lo, beliscá-lo, etc. Uns chegam até a usar bordões do tipo: “Pentecostal que não faz barulho tem defeito de fabricação”. E outros dão aqueles “aleluias” prolongados, como se fossem pôr as entranhas pela boca.

Queridos pais e pastores que têm apoiado isso, dirijo-me aos irmãos com muito respeito e zelo da parte de Deus. É muito bom que as crianças louvem ao Senhor Jesus e preguem a Palavra de Deus em nossos templos. Mas, por favor, deixem os infantes viver essa linda fase da vida!

Será que a vida (vida?) do astro Michael Jackson, que não teve infância, e sempre foi infeliz por causa disso, não lhes serviu de exemplo? A criança precisa brincar, aproveitar a infância, e não ser submetida a essa insana adultização precoce, que já ocorre no mundo (atores, apresentadores e jogadores de futebol mirins, etc.), e agora surge com força entre nós!

Não estou contra os meninos pregadores. Por graça de Deus, comecei a pregar muito cedo e me alegro quando vejo crianças pregando a Palavra do Senhor. Mas alegro-me muito mais quando as vejo pregando naturalmente, com simplicidade, falando como criança, gesticulando como criança, reagindo como criança, sem esses trejeitos espalhafatosos dos pregadores malabaristas.

Deus criou todas as fases da vida, para que elas sejam vividas. O próprio apóstolo Paulo afirmou: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino...” (1 Co 13.11). E a chamada para ser pregador é um ato soberano de Deus (1 Tm 2.7; Mc 3.13). Se Ele quiser fazer, desses pequeninos, pregadores do evangelho, o fará, mas no tempo certo. Não há necessidade de que sejam “fabricados” animadores de auditório mirins, que já estão chamando até de gideõezinhos missionários!

Bem, se essa “onda” continuar, eu e a minha filhinha de 5 anos vamos ter de escrever o livro Erros que os Pregadores MIRINS Devem Evitar...

Comentário de PCamaral no Blog:

Pr Ciro, estava navegando e encontrei o link para este artigo em um blog que acompanho. Já estou seguindo seu blog também.

Sobre o assunto, realmente é algo preocupante. Há cerca de dois anos atrás minha esposa trouxe para casa, emprestado, um CD de um "menino pastor", aqui do Rio de Janeiro, de uma igreja do bairro de Madureira. Todo o modo de preleção e de apelo que o menino fazia refletia um outro lider religioso (permita-me não citar nomes). Ou seja, era uma cópia fiél, porém mirim. Uma criança pulando etapas da vida.

Que grande peso estão colocando os pais sobre os ombros destas crianças. Elas, certamente não sabem a imensa responsabilidade que é pastorear um rebanho comprado pelo sangue de Jesus, e o peso da cobrança de Deus sobre os que exercem esse ministério e para os "outros" que assim se intitulam ou fazem uso para si próprios do ministério pastoral.

Também não sou contra o ministério mirim. Se existe o talento e chamado, quem somos nós para criticar. Mas a realidade tem mostrado que a grande maioria não tem nem chamado, nem preparo, só talento. São cópias de líderes que fazem mais shows do que pregam a palavra de salvação e arrependimento.

Obs: E, já pode ir preparando seu livro junto com sua filha.

Que Deus o Abençoe!


Fonte: Blog do Ciro | Compartilhado no PCamaral