quarta-feira, 10 de março de 2010

Profissão de pastor é aprovada.

Para 47% projeto que transforma vocação em profissão é benéfico

Uma enquete realizada pelo portal Creio indicou que 47% dos internautas são a favor do projeto de lei, de autoria do senador Marcelo Crivella (PRB), que transforma teologia em profissão. Segundo eles medida beneficiaria e possibilitaria o futuro destes líderes.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) de número 114/05 elaborado por Marcelo Crivella, senador pelo partido PRB-RJ e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, regulamenta a profissão, até mesmo para aqueles que não são formados em teologia. Além disso, o texto de Crivella prevê a criação, pelo Poder Executivo, de um Conselho Nacional de Teólogos.

De acordo com as cláusulas do projeto, só poderá exercer a profissão e ser considerado teólogo aquele que tiver curso superior de teologia reconhecido pelo poder público; diplomado em curso superior similar no exterior, após revalidação do diploma no Brasil; e os que, embora não diplomados, estejam exercendo a atividade quando a lei for publicada. Enfim, para os que não têm formação superior em teologia basta praticar vida contemplativa, realizar ações sociais na comunidade ou estar há mais de cinco anos exercendo a atividade efetivamente para se declarar teólogo.

No Projeto de Lei, discrimina-se a função de um teólogo, que é de supervisionar, orientar, coordenar, planejar, elaborar, programar, implantar, dirigir, executar, analisar ou avaliar estudos, trabalhos, pesquisas, planos, programas e projetos atinentes à realidade científica da religião.

Para 39,21% dos internautas a regulamentação mostra a total crença e fé destes pastores.

[clique na imagem para ampliar]



Para ler a PLS - PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 114 de 2005

***

Fonte: Creio.com.br - Divulgado no PC@maral

5 comentários:

  1. Legal, agora eles tem direito de greve.
    Niguém vai pro céu enquanto não receber o dízimo!
    Esse mundo nosso de cada dia.

    ResponderExcluir
  2. Agora o que vai ter de pastor mandando Curriculum Vitae para as igrejas deste Brasil.....

    E as sessões dos classificados hein?????

    ResponderExcluir
  3. Lamento que essa lei tenha sido aprovada. Não sei se por ter origem no Senado tenha primeiro de ir a à Câmara e depois para sanção presidencial. Se ainda tiver de cumprir essa etapa, saiba que usarei todos os meios de pressão para evitar a aprovação.

    É a coisa mais ilógica e sem sentido que já vi colocar nas mãos do Estado um assunto de natureza religiosa e querer impor um registro para o exercício da teologia.

    Se aprovado o projeto, jamais me registrarei e, Deus mediante, vou iniciar uma campanha de "desobediência civil" contra esse absurdo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Já nao bastasse os crentes do reteté comprando diploma pra dizer que é teólogo; agora vamos ter que aturar pai de santo ostentando o título.

    Assustado?

    E como é que você pretende provar que o macumbeiro nao faz obra social ou exerce atividade contemplativa?

    Tinha que ser o Crivella!

    Paz, Amaral.

    Léo.

    ResponderExcluir
  5. Tudo bem que corremos o risco dos embusteiros tentarem levar vantagem com a lei. Porém não podemos esquecer que a Bíblia diz que o Episcopado é um trabalho, só a leis humanas que não reconheciam essa profissão. Não quero ser hipócrita, se não dissermos que tem muitos lideres que não tem nenhuma capacidade de estarem frente aos templos religiosos, que só falam besteiras e nem entendem o que estão lendo. É queridos! o jeito é se alojar porque muita gente vai perde a canja.

    Jomar Azevedo

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.