terça-feira, 30 de março de 2010

Qual é o seu preço???

Por Willian Pereira

Certa vez um jovem muito indeciso foi até a casa de um velho sábio pedir-lhe conselhos. Ao chegar lá o sábio virou-se para ele e disse que antes de dar-lhe conselhos queria saber apenas uma coisa. Então lhe propôs uma situação imaginária. Ele disse:
“Imagine que você nunca seria pego e ninguém perderia nada. Se estas circunstâncias fossem garantidas, você mentiria por cinqüenta reais”? O jovem pensou um pouco e respondeu: “É...acho que sim. Se ninguém ficasse sabendo eu mentiria por cinqüenta reais.” Então o sábio abaixou a cabeça e disse: “Tenho outra pergunta então. Você mentiria por dez centavos”? Indignado o jovem retrucou: “Que tipo de pessoa você acha que eu sou”? E o sábio respondeu: “Eu já sei que tipo de pessoa você é, estou apenas tentando estabelecer o seu preço”!

A primeira vez que li esta história fiquei maravilhado com a sua moral e logo percebi que ilustra muito bem a realidade das pessoas. Me lembrei do dia em que Adão e Eva se “venderam” diante da sedução da serpente (Gn 3:1-6), do dia em que Esaú vendeu a sua primogenitura a Jacó, seu irmão, por um prato de lentilhas (Gn 25:29-34), e da trágica e repugnante atitude de Judas Iscariotes, que foi capaz de vender Jesus por trinta moedas de prata.

Me lembrei que, infelizmente, existem muitos jovens de nossas Igrejas que estão se vendendo, negociando sua fé por alguns minutos de sexo e por outros “prazeres da mocidade”. Me lembrei que existem pais de família “vendendo” seu casamento, jogando tudo para o alto por causa de alguém com a idade de seus filhos! Quantas e quantas pessoas têm negociado o seu casamento, a sua família, o seu ministério na Igreja, a sua comunhão com Deus por coisas banais, insignificantes e ilusórias!

É hora de pararmos e refletirmos: Será que vale a pena mesmo trocarmos as promessas de Deus por ilusões desta vida? Será que vale a pena trocar o certo pelo duvidoso, o eterno pelo temporal?

Não se encante com as “seduções da serpente”, não troque a sua “primogenitura” por um prato de lentilhas (se é que você me entende!); Não se venda por nada nesta vida, pois o seu preço é muito alto e já foi pago na cruz pelo nosso Senhor Jesus Cristo! (1Pe 1:17-19)

***

Fonte: Devocional de autoria do Missionário Willian Pereira - O irmão Diego Barros enviou por email e eu divulguei no PC@maral

3 comentários:

  1. Esse é muito show!!
    E é verdade, ainda existem pessoas sendo seduzidas pelos prazeres do mundo!
    Não há nada melhor que servir a esse nosso Deus e O adorar em espírito e em verdade!

    ResponderExcluir
  2. É interessante evidenciar que servir à Deus, não impede que a pessoa desfrite de prazeres e alegrias ditas do mundo, tais como frequentar festas, vijar, ir à praia, ao cinema, dançar, namorr e frequentar lugares comuns de confreternização com amigos. Porém, numa outra perspectiva, em que a responsabilidade consigo mesmo e com os outros ditem sua conduta, não apenas como cristão, mas como cidadão e ser humano em toda sua dignidade e gigantismo, pois fomos criados a imagem e semelhança de Nosso Criador, e devemos sempre lembrar em honrar essa condição ao evitarmos de nos nivelar aos animais irracionais que buscam apenas a satisfação de suas necessidades básicas e extintivas.

    ResponderExcluir
  3. Muitas e muitas pessoas trocam, ou "vendem", a sua vida por prazeres passageiros deste mundo. Estão tão enraizados nas coisas passageiras, mas que seduzem, momentaneamente, [apenas seduzem], que esquecem totalmente do que está reservado para aqueles que são fiéis e perseverantes na vida ao lado de Jesus.

    São escolhas que fazemos. E a melhor delas é estar ao lado do Senhor Jesus.

    Jesus dise para Marta: E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada. (Lucas 10:41-42)

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.