domingo, 4 de abril de 2010

As Alianças entre Deus e os Homens


Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. (Jeremias 31:31)

Como Deus se relaciona com o homem? Desde a criação do mundo, o relacionamento entre Deus e o homem tem sido definido por promessas e requisitos específicos. Deus revela às pessoas como ele deseja que ajam e também faz promessas de como agirá com eles em várias circunstâncias. A Bíblia contém vários tratados a respeito das provisões que definem as diferentes formas de relacionamento entre Deus e o homem que ocorrem nas Escrituras, e freqüentemente chama esses tratados de “alianças”. Podemos apresentar a seguinte definição das alianças entre Deus e o homem nas Escrituras: “Uma aliança é um acordo imutável e divinamente imposto entre Deus e o homem, que estipula as condições do relacionamento entre as partes”.

Apesar de esta definição incluir a palavra acordo para indicar que há duas partes, Deus e o homem, que precisam ingressar nas provisões do relacionamento, a frase “divinamente imposto” também é incluída para mostrar que o homem jamais pode negociar com Deus ou alterar os termos desse acordo: ele apenas pode aceitar as obrigações da aliança ou rejeitá-las.
O elemento essencial das alianças é a promessa divina: ...serei o seu Deus e eles serão o meu povo (Jr 31:33; II Co 6:16).

A ALIANÇA DAS OBRAS

Alguns têm questionado se é apropriado falar de uma aliança de obras entre Deus e Adão e Eva no jardim do Éden. A própria palavra aliança não é utilizada no relato de Gênesis. Todavia, as partes essenciais da aliança estão todas lá — uma definição clara das partes envolvidas, um conjunto de provisões que compromete legalmente e estabelece as condições do relacionamento, a promessa de bênçãos pela obediência e a condição para obter aquelas bênçãos (Gn 1:28-30, 2:15-17; 3:22).

Correlação: Os 6:7; Rm 5:12-21; Rm 10:5; Gl 3:12.

Esta aliança está em vigor? Por um lado, sim. A obediência perfeita, se alguém conseguir, continua conduzindo à vida (Rm 7:10, 10:5; Gl 3:12), a punição dessa aliança está em pleno vigor (Rm 6:23), e Cristo obedeceu essa aliança por nós (I Pe 2:22; Rm 5:18-19).

Por outro lado, não.
1) A ordem para não comermos da árvore do bem e do mal não vale para nós uma vez que já fomos atingidos pelo pecado;

2) por termos essa natureza pecaminosa, não temos condições de cumprir todos os requisitos dessa aliança e receber todos os benefícios que ele propõe,

3) Cristo preencheu os requisitos dessa aliança de uma vez por todas e obtivemos os seus benefícios não pela nossa obediência, mas por confiarmos nos méritos da obra de Cristo.
Todos os que tentam obter o favor de Deus (justificação) através da obediência, estarão se afastando da salvação porque "Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las". (Gl 3:10-11)

A ALIANÇA DA REDENÇÃO

Teólogos falam de outro tipo de aliança, uma aliança que não é entre Deus e o homem, mas entre os membros da Trindade. A essa aliança chamam “a aliança da redenção”. É um acordo entre Pai, Filho e Espírito Santo, no qual o Filho concordou em tornar-se homem, ser nosso representante, obedecer às exigências da aliança das obras em nosso favor e pagar o preço do pecado, que merecemos. As Escrituras ensinam de fato sua existência? Sim, pois falam de um plano específico e do propósito de Deus como um acordo entre Pai, Filho e Espírito Santo para obter nossa redenção.

Correlação:
(do Pai para o Filho) Jo 17:2,6; Jo 3:16; Rm 5:18-19; Cl 2:9; Hb 10:5, 9:24; Mt 28:18; At 1:4, 2:33;

(do Filho para o Pai) Gl 4:4Hb 2:14-18, 10:7-9; Fp 2:8; Jo 17:2;

(do Espírito Santo para o Pai e Filho) Mt 3:16; Lc 4:1,14,18; Jo 3:34, 14:16-17,26; At 1:8, 2:17-18,33.
A ALIANÇA DA GRAÇA

1. Elementos essenciais.

Quando o homem falhou e não conseguiu obter as bênçãos oferecidas pela aliança das obras, foi necessário que Deus criasse um novo caminho, caminho este pelo qual o homem pudesse ser salvo. O restante das Escrituras após o relato da queda em Gênesis 3 narra como Deus operou na história um surpreendente plano de redenção por meio do qual pessoas pecaminosas poderiam chegar a ter um relacionamento consigo.

a) As partes: Deus e o povo que ele redimirá, tendo Cristo como mediador (Hb 8:6, 9:15, 12:24).

b) A condição: Fé na obra de Cristo (Rm 1:17, 4:1-15, 5:1;) e a permanência nessa aliança através dos mandamentos de Deus, única maneira de provar que a fé na obra de Cristo é genuína (Tg 2:17; I Jo 2:4-6).

c) O resultado: Vida eterna com Deus (Gn 17:7; Jr 31:33, 32:38-40; Ez 34:30-31, 36:28, 37:26-27; II Co 6:16-18; I Pe 2:9-10; Hb 8:10; Ap 21:3).

2. Várias formas de aliança.

Apesar de os elementos essenciais da aliança da graça permanecerem os mesmos por toda a história do povo de Deus, os termos específicos da aliança variam conforme a ocasião. Na época de Adão e Eva havia apenas uma singela sugestão da possibilidade de um relacionamento com Deus na promessa da semente da mulher em Gênesis 3.15 e na provisão graciosa, da parte de Deus, de vestir Adão e Eva (Gn 3.21).

Na aliança com Noé, Deus prometeu não mais destruir a terra com água (Gn 9:8-17).

Na aliança com Abraão estão presentes todos os elementos da aliança da graça (Gn 15:1-21, 17:1-27; Gl 3:8; Lc 1:72-73; Rm 4:1-25; Gl 3:6-18,29; Hb 2:16, 6:13-20).

Na aliança com Moisés (chamada de “velha aliança”, II Co 3:14; Hb 8:6,13) estão os elementos que serão substituídos (leis cerimoniais) pelos elementos da “nova aliança” em Cristo (Lc 22:20; I Co 11:25; II Co 3:6; Hb 8:8,13, 9:15, 12:24).

A razão da velha aliança foi restringir os pecados do povo e conduzi-lo a Cristo (Gl 3:19,24). Essa aliança não removia o pecado, mas prefigurava quem realmente removeria, Cristo (Hb 9:11-28). Na verdade, não falta graça nessa aliança (Gl 3:16-18).

Na nova aliança em Cristo cumprem-se as promessas feitas em Jr 31:31-34, citadas em Hebreus 8:6-13. Nesta aliança há bênçãos muito maiores porque Jesus, o Messias, já veio; ele viveu, morreu e ressuscitou entre nós, expiando para sempre os nossos pecados (Hb 9:24-28); ele nos revelou Deus da forma mais plena (Jo 1:14; Hb 1:1-3); ele derramou o Espírito Santo sobre todo o seu povo com o poder da nova aliança (At 1:8; I Co 12:13; II Co 3:14-18); ele escreveu suas leis em nosso coração (Hb 8:10).

Esta nova aliança é a “aliança eterna” (Hb 13:20) em Cristo, através da qual teremos sempre comunhão com Deus, e ele será nosso Deus, e nós seremos seu povo.


Fonte: Teologia Sistemática - Wayne Grudem

3 comentários:

  1. Nos dias atuais, onde os telepastores pregam todo tipo de inverdades, e um "evangelho novo", de agrado ao ego, e aos desejos da platéia.

    Os púlpitos carecem de teologia sistemática, de anuncio do evangelho puro e simples da Graça de Deus. De anunciar salvação, e exposição do pecado do homem.

    Parabéns pela mensagem.


    Renato Jr.
    http://blogrenatojr.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, PC.

    Gostei de ver que o amigo me deu um "cantinho" em seu blog. Já retribui o gesto. Grato.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Fala Pc!
    Que texto maravilhoso. Posso copiar?
    Obrigado pela força lá no blog.
    Que post foi aquele, hein? Muito legal.
    Estamos juntos!
    PAZ.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.