domingo, 12 de dezembro de 2010

O que faria Jesus no seu lugar?

Por Roberta Avelar

Queridos, o que Jesus faria em meu lugar? Há quanto tempo não nos fazemos esta pergunta? Devemos nos perguntar isso a cada atitude. Ao sair de casa, ao falar uma palavra, ao brincar com o nosso amigo, ao selecionar a música que escutamos, o site que visitamos ou o canal que assistimos. Qual é a motivação das nossas escolhas?

Vivemos tão centrados em nossas vidas, trabalhamos para nós, estudamos para o nosso crescimento, saímos para nos divertir, vivemos nossas vidas em função de nós mesmos. E fazemos a obra de Deus dentro do que é confortável para gente e até onde nos dá prazer.

Até a leitura da Bíblia está comprometida, lemos aquilo que “faz bem” para nossa alma (IITm 4:3). Que nos deixa para cima, somos levados a olhar para os grandes empreendedores, aqueles que “dão certo” e que estão levando o evangelho ao conhecimento do povo. Quando, na verdade, deveríamos ser levados a olhar para dentro de nós, isso faria o verdadeiro evangelho ser conhecido.

Infelizmente, a palavra evangelho está equivocada no entendimento do povo. A mídia gospel ensina que o sentido do evangelho é nos dar uma vida abundante na presença de Jesus, isto é, uma vida confortável, com crescimento profissional e financeiro, onde nos é concedido “o melhor desta terra” porque somos filhos do rei e por isso merecedores da sua herança. Será que foi por esse evangelho que Jesus morreu? Será que ele derramou o seu sangue para garantir uma vida boa para a igreja? É claro que não! Quando Jesus fala que veio para nos dar uma vida abundante, é uma vida completa. Ele olha para o homem inteiro, não só para o físico ou para o financeiro, não só o emocional ou espiritual. Através do exemplo de Jesus vemos uma preocupação com o homem de forma geral. Ele não trabalha por partes, a missão de Jesus é integral. E esta deve ser a nossa missão.

Como executar esta missão nos tempos de hoje? (Tempos em que o amor das pessoas esfriou e elas são compradas pelo sistema, onde viver de forma diferente é um preço muito alto a pagar. Onde se prega que fazer parte de um grupo “religioso gospel” é necessário para a salvação). Não é fácil cumprir a missão, mas uma sugestão é começar se perguntando: o que Jesus faria em meu lugar? Considerando o texto: “Portanto, sejam imitadores de Deus, como filhos amados” (Efésios 5:1) e se comprometendo com ele.
***

Fonte: jubati.wordpress.com via Tempo Ativo

Um comentário:

  1. Pronto, amigoAmaral. Parceria concretizada.
    Deus é conosco!

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.