domingo, 28 de fevereiro de 2010

Eu não me envergonho do evangelho – Rm 1:16

Nenhum comentário:


Por Eleilton William de Souza Freitas

No capítulo 1 de Romanos, versículos do 1 ao 17, Paulo apresenta suas credenciais (Rm 1:1-7), expressa seus desejos (Rm 1:8-15) e confirma sua convicção (Rm 1:16-17). Nesta devocional, vamos destacar o versículo 16, que fala sobre uma convicção do apóstolo: Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu e também do grego.

Paulo já havia dito que desejava muito ir a Roma anunciar o evangelho. Na altiva capital, o evangelho era ridicularizado. Jesus, o coração do evangelho, havia sido morto crucificado. Para os romanos só criminosos morriam assim. O evangelho vinha de Jerusalém, capital de uma pequena e nada influente nação conquistada pelos romanos. Acha que alguém em Roma iria querer saber de evangelho? Todavia, Paulo afirma com convicção: Eu não me envergonho! Ele sabia do que estava falando e apresenta algumas razões por que não se envergonhava.

1. A MENSAGEM DO EVANGELHO É PODEROSA: ...pois é o poder de Deus. No versículo já citado, Paulo diz que o evangelho é o poder de Deus. A palavra que foi traduzida por poder nas nossas bíblias, no texto original, é dunamis, de onde se deriva a nossa palavra moderna dinamite. A dinamite tem um poder destruidor. Foi inventada pelo sueco Alfred Nobel, em 1866. Olha só que interessante: muitos anos antes de Alfred Nobel colocar o nome de dinamite na sua invenção, o apóstolo Paulo já usava essa palavra para falar do poder do evangelho. É claro que ele não tinha em mente a dinamite como nós a conhecemos. Esta ainda não existia. Todavia, a palavra usada por Alfred Nobel para se denominar a sua invenção destruidora, foi usada por Paulo para se referir ao poder transformador do evangelho. O apóstolo acreditava no grande poder do evangelho e deixa bem claro que, nenhum poder, seja ele político, social, econômico ou religioso, se compara ao poder do evangelho. E você, também tem essa certeza? Acredita no poder do evangelho? Crê que ele pode dar novo rumo à vida do que está desorientado? Sabe que ele é o poderoso método divino para nos levar ao céu? Não se envergonhe dele.

2. A MENSAGEM DO EVANGELHO É LIBERTADORA: ...pois é o poder de Deus para a salvação. O significado da palavra “salvação”, na época de Paulo, era bastante abrangente. Significava “livramento”. Esse livramento era tanto pessoal quanto nacional. Assim é a mensagem do evangelho. O evangelho nos liberta do castigo e do poder do pecado. Mas como isso acontece? É simples. A mensagem do evangelho tira as vendas da incredulidade e do engano. O evangelho desvenda os nossos olhos.
Ele “mostra o homem morto em seu pecar, sem condições de levantar-se por si só, a menos que, Jesus que é justo, o arranque de onde está, e o justifique, e o apresente ao Pai” (Trecho da música “O Evangelho”. Composição: Paulo Cezar, Grupo Logos).
O evangelho transforma a pessoa por inteiro. É impossível alguém que experimentou essa transformação se envergonhar do evangelho! Você crê que o evangelho pode libertar o viciado em drogas? A meretriz? O alcoólatra? A pessoa perdida, sem rumo, sem esperança? Ele pode!

3. A MENSAGEM DO EVANGELHO É IMPARCIAL: ...pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu e também do grego. A mensagem poderosa do evangelho não está restrita a um grupo de pessoas, está disponível a todos. O evangelho não é exclusivista: todo aquele que crê pode ser transformado pelo evangelho. Isso inclui o negro, o branco, o rico, o pobre, o adulto, a criança, o homem, a mulher, o idoso, o jovem, o letrado e o analfabeto. A mensagem não privilegia uma classe, é imparcial! Rompe com as convenções sociais segregadoras. O evangelho é destituído de qualquer tipo de preconceito.

Amém!

Que Deus nos abençoe!

Brasileiros muçulmanos já chegam a um milhão

Nenhum comentário:

Faz parte do imaginário popular a ideia de que o povo brasileiro é aberto, acolhedor, livre de preconceitos. Com uma Constituição forte e moderna, pode-se afirmar que no Brasil todos possuem os mesmos direitos e oportunidades, sem distinção de raça, credo ou sexo.

De fato, não há restrições legais para a prática das mais diversas religiões e o preconceito racial, por exemplo, há tempos é punido com rigor.

No entanto, há uma forma sutil de preconceito ou de animosidade que só é perceptível a quem faz parte de determinado grupo e que, na maioria das vezes, não chega a configurar uma violação das leis do país. Em algumas cidades, sobretudo do interior, protestantes e católicos vivem às turras; o mesmo acontece entre cristãos (católicos e protestantes) e espíritas em determinadas localidades e, nesse caso, a rixa é tão grande que não é raro que os envolvidos acabem na delegacia de polícia.

Uma prova para a paz

Pois a tradicional hospitalidade brasileira está para ser posta à prova mais uma vez. Vários veículos de comunicação vêm apontando o avanço do islamismo no Brasil. Em reportagem recente, o jornal francês Le Figaro publicou uma extensa matéria sobre o aumento do número de muçulmanos nas periferias dos grandes centros brasileiros. No ano passado, a revista Época relatou o mesmo fenômeno, mostrando como a religião muçulmana tem feito adeptos, sobretudo junto às comunidades mais pobres, que veem na mensagem islâmica de igualdade racial e justiça uma forma legítima de combater o racismo e a violência policial a que são submetidas com frequência.

Embora não seja possível precisar o número de muçulmanos no Brasil, estima-se que eles já sejam um milhão de fiéis. Conforme indicam os estudos, esse número só tende a crescer e a pergunta que fica é: como será a convivência entre os brasileiros de várias religiões e os brasileiros muçulmanos?

Terroristas de uma hora para outra?

Em países de maioria muçulmana, os adeptos de outras religiões, sobretudo os cristãos, enfrentam muitas dificuldades para professar sua fé com liberdade. No Brasil, qualquer pessoa tem o direito de optar pela religião que quiser, tem o direito de mudar de religião, tem o direito de frequentar o templo que bem entender, tem o direito até de não crer. E isso não é só no papel, já faz parte da cultura do brasileiro.

Mas, é interessante imaginar como seria a convivência entre os grupos, por exemplo, de cristãos pentecostais, tradicionais ou mesmo católicos com os convertidos ao islamismo... Quanto do preconceito enraizado no imaginário coletivo viria à tona e faria com que vizinhos ou colegas de faculdade passassem a ser vistos como terroristas, pelo fato de terem se tornado muçulmanos?

Os brasileiros em geral e os cristãos em particular devem estar preparados para essa nova realidade que se anuncia. Que aqueles que conhecem a salvação em Cristo jamais se desviem do seu chamado original de pregar o evangelho a toda criatura e que haja em cada um o desejo da paz. Afinal, os pacificadores serão chamados filhos de Deus (Mt 5.9).

***

Fonte: Por Cristina Ignácio Missão Portas Abertas via blog do Missionário Arildo Gomes divulgado no PC@maral

Tremor de terra atinge interior de Pernambuco

2 comentários:

Segundo UFRN, epicentro do abalo foi registrado em São Caitano, em Pernambuco (Foto: Editoria de Arte/G1)


Abalo teve magnitude de 2,4 na escala Richter.
Epicentro foi localizado no município de São Caitano (PE).


Um tremor de terra de magnitude 2,4 na escala Richter atingiu o interior de Pernambuco na noite de sábado (27). O coordenador do departamento de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Joaquim Ferreira, informou que o abalo ocorreu às 23h21 e o epicentro foi localizado no município de São Caitano (PE).

"Esse tremor não tem nenhuma relação com o terremoto que aconteceu no Chile. Essa região já registrou tremores antes. Fizemos estudos na região e lá há uma falha ativa”, disse Ferreira ao G1.

De acordo com Ferreira, moradores da região de São Caitano e Caruaru puderam sentir o tremor, mas geralmente essa magnitude baixa não provoca estragos. Tremores registrados nessa região geralmente ocorrem entre 4 e 6 quilômetros de profundidade, conforme explicou o técnico em sismologia da UFRN Eduardo Alexandre de Menezes.

Sem danos

O Corpo de Bombeiros de Caruaru recebeu pelo menos dez chamados de pessoas assustadas com o tremor de terra, segundo o soldado Anderson Carlos. As ligações partiram principalmente de bairros mais próximos à cidade vizinha de São Caitano, onde foi localizado o epicentro do abalo. Apesar do susto, os bombeiros não registraram feridos ou danos a residências. De acordo com o soldado, os moradores apenas relataram a sensação de que o chão estava se mexendo.

***

Fonte: G1.com

Sobe para 43 o número de mortos causados pelo temporal Xynthia

Nenhum comentário:

Porto de La Rochelle, na região de Poitu-Charentes, foi duramente afetado pela tempestade Xynthia, que matou ao menos 40 pessoas na França. (Foto: AFP)


Foram três mortes registradas na Espanha e 40 na França.
Mais de um milhão de pessoas ficou sem energia elétrica.


Do G1, com agências internacionais

O balanço provisório de vítimas da tempestade Xynthia, que atinge duramente o litoral atlântico da França desde sábado subiu para 40, segundo fontes da Defesa Civil. A maior parte das mortes ocorreu no departamento de La Vendée, com 29 perdas. Cerca de um milhão de casas ficaram sem eletricidade no país. Regiões da Espanha e Portugal também foram atingidas. Somando-se às três mortes registradas na Espanha, o número de vítimas sobe para 43. A tempestade ruma agora em direção à Bélgica.

"Este número muda a cada minuto a medida em que as buscas avançam. E pode aumentar”, afirmou o comandante Samuel Barnes, porta-voz da defesa civil de La Vendée.

Vendée é um dos quarto departamentos que estavam em alerta máximo por causa das chuvas. No departamento de Charente-Maritime, morreram mais cinco pessoas - quatro idosos e uma criança de dez anos. No Loire-Atlântico outras duas. Outras quatro mortes foram associadas a objetos arrastados pelos fortes ventos e à inalação de gases tóxicos de um gerador elétrico que um casal ligou ao ficar sem energia. Seguem em alerta laranja, o segundo nível de emergência previsto, 31 departamentos franceses, que ainda sofrem as consequências das chuvas e dos fortes ventos.

Rua alagada neste domingo (28) na cidade francesa de Ver-sur-Mer, oeste do país. (Foto: AFP)


O presidente francês Nicolas Sarkozy emitiu um comunicado oficial no qual pede ao Governo que se movimente "sem demora" para que as medidas de ajuda cheguem o mais rápido possível nas áreas atingidas. O primeiro-ministro, François Fillon, se reunirá na tarde deste domingo para discutir a contenção dos danos do temporal. O serviço meteorológico nacional informou que a tempestade começa a abandonar o território francês pelo norte do país, mas que ainda há perigo de enchentes em vários departamentos do oeste, especialmente na Bretanha. A companhia aérea Air France anunciou a suspensão de 70 aterrisagens e decolagens previstas para o aeroporto Roissy-Charles de Gaulle, próximo a Paris.

Homem anda em rua alagada na cidade francesa de Fouras. As chuvas também atingiram Espanha e Portugal, provocando caos nos transportes. Na França, um milhão de pessoas ficou sem luz, e 70 voos partindo de Paris foram cancelados. (Foto: AFP)


A tempestade já deixou a Espanha, segundo o Minstro do Interior do país, Alfredo Pérez Rubalcaba. "Temos de lamentar as três vidas perdidas", diz o ministro. Segundo ele, uma mulher morreu em Ourense, na Galícia, esmagada por um muro, e duas em Burgos, onde uma árvore caiu sob o carro onde eles se encontravam. Segundo informações do ministério, somente no sábado, os cortes elétricos afetou mais de 65 mil pessoas em Castilla e León (ao norte de Madri), 60 mil no País Basco (norte espanhol) e 30 mil em Galícia (região noroeste). 124 voos foram cancelados em toda a Espanha nos dois últimos dias em razão do temporal.

***

Fonte: G1.com

Terremoto de seis graus mata uma criança e fere duas na Argentina

Nenhum comentário:

Segundo analista argentino, não há relação com o tremor ocorrido no Chile.
A criança, de dez anos, teria morrido esmagada pela queda de uma parede.


O terremoto de 6,1 graus na escala Richter que abalou neste sábado (27) a província de Salta, no norte da Argentina, deixou pelo menos uma criança morta e outras duas feridas.

Segundo Marcelo Peña, do Instituto Nacional de Prevenção Sísmica, o terremoto na Argentina não teve relação com o ocorrido nesta madrugada no Chile.

"A criança morreu esmagada após a queda de uma parede", disse Alberto Benicio, diretor do Hospital de La Merced, a 24 quilômetros da capital da província.

"Também foram levadas ao hospital com alguns traumatismos outras duas crianças que brincavam com a vítima", indicou.

O sismo também foi sentido nas províncias de Jujuy e Tucumán, ambas no norte, sem que por enquanto se tenha notícias sobre vítimas ou danos materiais.

O tremor chileno foi sentido com intensidade nas províncias argentinas de Mendoza, Córdoba, San Juan, Rio Neuquén, Catamarca e até em algumas áreas de Buenos Aires.

***

Fonte: G1.com

Chilenos passam madrugada nas ruas com medo de tremores secundários

Nenhum comentário:
País amanheceu apreensivo um dia após terremoto que matou 300.
Chile calcula prejuízos do tremor que atingiu a costa do país na véspera.


Do G1, com agências internacionais


O Chile começava a calcular neste domingo (28) os estragos provocados pelo terremoto de magnitude 8,8 que atingiu o litoral na véspera, deixando mais de 300 mortos e dois milhões de desabrigados.

Fortes réplicas do sismo de magnitude 8,8 que atingiu o centro e o sul do país sul-americano no sábado deixaram milhões de chilenos atentos durante toda a noite. Elas continuaram até durante a manhã.

Leia também: Forte réplica de magnitude 6,2 abala prédios em Santiago

Leia também: Cem pessoas estão sob escombros de prédio em Concepción

Centenas de pessoas dormiram em colchões e cadeiras de plástico nas ruas do centro de Santiago com medo de outro terremoto, como o que demoliu edifícios e hospitais, quebrou pontes e virou automóveis como se fossem de brinquedo.

A cena se repetiu em Concepción, segunda maior cidade do país a 500 quilômetros de Santiago, onde o terremoto derrubou casas e pontes, e chamas dos incêndios causados pelo abalo continuavam na madrugada deste domingo.

Com medo de tremores secundários, moradores passam a madrugada deste domingo (28) na rua na cidade chilena de Concepción, bastante afetada pelo tremor da véspera. (Foto: AP)


Leia também: 'Tudo o que eu quero é chegar em casa', diz chilena em Buenos Aires

Algumas pessoas percorriam Concepción empurrando seus pertences em carrinhos de supermercado. Outras acampavam no centro da cidade, onde os únicos carros que circulavam eram os da polícia.

"Me disseram que meus móveis foram perdidos, minha televisão, minha geladeira. Não me importo. O bom é que minha família está bem. O material pode ser resgatado", disse Francisco Luna, de 42 anos, em uma rua de Concepción.

Os tsunamis provocados pelo terremoto no Chile atravessaram o Pacífico e obrigaram a retirada da população em regiões costeiras do Japão. Mas o alerta acabou cancelado sem maiores danos.

No Chile, as autoridades disseram que na próxima semana será possível ter uma ideia clara da magnitude dos estragos provocados pelo terremoto.

Mas está claro que o custo seria alto para o Chile, uma das economias que mais crescem na América Latina.

"Há uma enorme quantidade de danos que não sabemos exatamente sua exata dimensão, que está sendo avaliada", disse a presidente Michelle Bachelet, que a menos de duas semanas de deixar o poder enfrenta a maior prova de seu mandato.

A mineração, uma das principais fontes de receita do país, sobreviveu ao terremoto e, segundo o governo, não terá problemas para cumprir com seus compromissos de exportação, embora algumas minas estavam fechadas por falta de energia elétrica.

A maior mina de cobre do mundo, chamada Escondida, da BHP Billiton, funcionava normalmente, segundo o líder sindical Zeiso Mercado.

A estatal Codelco, maior produtora de cobre do planeta, suspendeu os trabalhos nas minhas de El Teniente e Andina por falta de eletricidade, mas os depósitos não sofreram danos graves e devem retomar a produção em alguns dias.

O abalo sísmico também afetou as refinarias Aconcagua e Bío-Bío, da petrolífera estatal ENAP.

***

Fonte Do G1.com

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Japão e Chile sofrem com terremotos e riscos de tsunamis

Nenhum comentário:

CHILE: Após o abalo provocado pelo terremoto, um prédio da capital chilena reclinou-se - Foto Reuters


JAPÃO - 26 de fevereiro de 2010

Um forte terremoto de magnitude 7 atingiu nesta sexta-feira (26) a costa sul do Japão, segundo o Centro de Pesquisas Geológicas dos EUA.

A agência meteorológica do Japão emitiu um alerta de tsunami para a região, com previsão de ondas de até dois metros, mas que não chegariam imediatamente à costa. A agência também pediu à população que deixe as regiões costeiras, segundo a rede CNN.

O órgão japonês avaliou o tremor em magnitude 6,9. O abalo ocorreu às 5h31 de sábado no horário local (17h31 de sexta-feira em Brasília). O epicentro foi localizado no Oceano Pacífico, a 81 km a leste da cidade de Naha, na ilha de Okinawa, e a 22 km de profundidade. A agência americana havia avaliado o tremor como de magnitude 7,3, mas depois revisou o dado.

Terremotos são comuns no Japão, umas das regiões sísmicas mais ativas do mundo. O país registra cerca de um quinto de todos os tremores de magnitude superior a 6, considerados fortes. Em outubro de 2004, um terremoto de magnitude 6,8 atingiu a região de Niigata, no norte do país, matando 65 pessoas e ferindo mais de 3.000.
Foi o tremor mais mortal desde que um abalo de magnitude 7,3 atingiu a cidade de Kobe, em 1994, matando mais de 6.400 pessoas.



CHILE – 27 de fevereiro de 2010

Forte tremor de magnitude 8,8 ocorreu às 3h34 da madrugada. Presidente Michelle Bachelet declarou "estado de catástrofe".

O número de mortos pelo terremoto de 8,8 graus de magnitude que atingiu a região central do Chile na madrugada deste sábado (27) chega a 214 até agora, de acordo com o ministro do Interior chileno, Edmundo Pérez Yoma.

Além dos mortos durante o terremoto, aumentam as vítimas devido aos tremores secundários. Já foram mais de 50 com magnitude superior a 5 graus registrados desde o abalo de magnitude 8,8 que atingiu a costa do país durante a madrugada.

O terremoto, de cerca de um minuto de duração, ocorreu às 3h34 (horário local de verão, o mesmo de Brasília) e atingiu atingiu a região central do Chile, perto de Concepción, 400 km ao sul de Santiago. Na capital chilena, a 325 km de distância, o terremoto estremeceu diversos prédios e várias regiões da cidade ficaram sem energia. Com medo, muitos chilenos saíram às ruas.


CHILE: Viaduto e carros em Santiago acabam destruídos após o forte terremoto da madrugada deste sábado (27) - Foto Reuters



Em entrevista coletiva, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, pediu união dos setores público e privado na reconstrução dos setores essenciais do país. Bachelet, que sobrevoou regiões afetadas de helicóptero, disse que a destruição provocada pelo tremor poderia ter causado um número ainda maior de mortos, o que mostra que muitas pessoas conseguiram deixar suas casas no momento da tragédia.

O tremor foi sentido nos países vizinhos, inclusive no Brasil. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil de São Paulo informaram que receberam chamados para verificar pequenos tremores em vários bairros da capital paulista.


O terremoto atingiu a região central do Chile, perto de Concepción, 400 km ao sul de Santiago, segundo o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês). O epicentro do tremor foi localizado no mar, a 35 km de profundidade, em Maule, a 99 km da cidade de Talca.


Leia, a seguir, algumas das consequências do terremoto no Chile:

AEROPORTO FECHADO
O Aeroporto Internacional de Santiago foi fechado por pelo menos 24 horas. As empresas aéreas TAM e Gol cancelaram voos entre São Paulo e Santiago, no Chile, neste sábado (27).

ALERTAS DE TSUNAMI
Tsunami provocada pelo tremor atingiu a Ilha Robinson Crusoé, próxima a Valparaíso. Na Ilha de Páscoa, também na costa chilena, foi ordenada a retirada dos moradores por conta do risco de tsunami. O Centro de Advertência de Tsunamis do Pacífico, dos Estados Unidos, afirmou que um tsunami pode causar danos na costa do arquipélago do Havaí.



ESTADO DE CATÁSTROFE
Michelle Bachelet, que sobrevoa de helicóptero as regiões atingidas pelo tremor, declarou "estado de catástrofe" nas regiões de Maule, Bio Bio e La Araucanía.

REGIÕES ATINGIDAS
O jornal local “La Tercera” publicou em sua edição on-line um número parcial de mortos por região, que até as 11h49 locais totalizavam 60 pessoas. principal atingida foi a região de Maule, onde ocorreu o epicentro do tremor, com 34 registros.

OUTROS TERREMOTOS
O terremoto ocorreu a poucos dias de se completarem 25 anos de outro tremor que causou centenas de mortes e destruiu várias localidades no litoral central do Chile, em 3 de março de 1985.

***

Fontes:

G1.com - Terremoto de magnitude 7 atinge costa do Japão e gera alerta de tsunami

G1.com - Número de mortos após terremoto no Chile passa de 200

Videos - R7.com - Terremoto causa destruição no Chile. Veja vídeos

Fotos - R7.com - Terremoto no Chile

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

What is that? O que é aquilo?

2 comentários:
“Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá”. (Êxodo 20:12)


Sentados em um banco, no quintal de casa, estão pai e filho. O pai observa o quintal o filho , concentrado, lê o jornal. Até que um pequeno pássaro pousa em um arbusto ao lado e chama a atenção do pai. O pai olha em direção ao pássaro e pergunta ao filho:

- O que é aquilo?

O filho, interrompe por alguns instantes a leitura e, responde ao pai:

- Um pardal.

O pai concorda com a resposta e instantes depois, pergunta outra vez:

- O que é aquilo?

O filho responde, um pouco impaciente:

- Eu já falei pra você pai, é um pardal!

O pássaro voa com o barulho feito pelo filho ao arrumar o jornal, o pai o segue no seu vôo. O pássaro então pousa no chão, perto deles, o pai olha e pergunta mais uma vez ao filho:

- O que é aquilo?

O filho mais impaciente ainda responde contrariado:

- Um pardal pai. Um pardal! Um P-A-R-D-A-L...

O pai olha para o filho e pergunta:

- O que é aquilo?

O filho, agora, descontrolado, responde grosseiramente ai seu pai:

- Porque você está fazendo isso? Eu já disse a você tantas vezes, isso é um pardal! Você não pode entender isso?

O pai, sem dizer mais nada se levanta e caminha em direção à casa. O filho, nervoso, lhe pergunta:

- Onde você está indo?

Ele acena com a mão e continua a caminhar em direção a casa. O filho se entristece por ter tratado mal a seu pai e fica desolado, sozinho no banco. O pai volta trazendo em sua mão um pequeno livro, um diário. O pai senta ao lado do filho, abre o pequeno livro, seleciona um página e pede que o filho lei em voz alta.

- Hoje, meu filho mais novo, que a poucos dias completou três anos, estava sentado comigo no parque quando na nossa frente apareceu um pardal. Meu filho me perguntou vinte e uma vezes o que era aquilo. E eu respondi todas as vinte e uma vezes, que aquilo era um pardal. Eu o abracei, cada vez que ele me fez a mesma pergunta. Novamente e novamente. Sem ficar bravo, sentindo carinho pelo meu menininho inocente.

O pai, em silêncio, ouve atentamente, o filho interrompe a leitura, fecha o diário e emocionado, com lágrimas nos olhos, abraça seu pai e o beija.

Filhos, lembrem-se sempre de seus pais, não se esqueça de amá-los. Mesmo que você cresça e constitua nova família e fique longe deles, você nunca deixará de ser, para eles, aquele menininho ou aquela menininha inocente.

***

O video me foi enviado por email e faz parte da coleção do PC@maral

Uma oferta ao Senhor

Nenhum comentário:
Aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta. (Gn 4:3-4)

Os irmãos Caim e Abel já nasceram fora do paraíso, com a natureza pecaminosa, e protagonizaram uma das histórias mais triste de todo relato bíblico. Caim matou seu próprio irmão! O intrigante é que tudo começou quando cada um, a sua maneira, apresentou uma oferta ao Senhor, que, por sua vez, aceitou com agrado Abel e sua oferta, mas não aceitou Caim e sua oferta (Gn 4:3-4 – NVI). Mas por que Deus aceitou uma oferta e rejeitou a outra? É isso que veremos neste estudo, sobre a maneira correta de nos aproximarmos de Deus.

ANALISANDO O RELATO BÍBLICO

O capítulo 4 de Gênesis conta a história de Caim e Abel, os primeiros bebês nascidos no mundo, filhos de Adão e Eva. Nesse capítulo, nós também encontramos o primeiro relato bíblico de um ato de adoração na história da humanidade. Pois bem, ao analisarmos esse relato, veremos que, sem uma atitude interior correta, as mais “bonitas” ofertas externas tornam-se inaceitáveis para Deus. Para entendermos isso de forma mais clara, tracemos um paralelo entre os dois filhos de Adão e Eva e entre as atitudes deles com relação à oferta que apresentaram a Deus.

1. OS DOIS FILHOS:

Deus ordenou a Adão e Eva: ...enchei a terra (Gn 1:28) e eles obedeceram gerando filhos e filhas (Gn 5:4). O primogênito do casal foi Caim (Gn 4:1). Apesar de Deus ter multiplicado grandemente o sofrimento na gravidez e no parto (Gn 3:16), Eva deve ter se alegrado com nascimento de seu primeiro filho. Ela exclamou: Com a ajuda de Deus, o Senhor, tive um filho homem. E ela pôs nele o nome de Caim (Gn 4:1 – NTLH). O significado que mais se aproxima ao nome de Caim é “adquirido do Senhor”. Pena que ele foi uma grande decepção para seus pais. Os dias, os meses e, quem sabe, até anos se passaram e Eva deu à luz novamente: Tornou a dar a luz, e teve Abel (Gn 4:2). O nome desse segundo filho deriva-se de um vocábulo hebraico que quer dizer “sopro” ou “vapor”. Alguns comentaristas chegam a sugerir que o nome pode também significar “fraqueza” ou “vaidade”.
Os dois significados podem ser verdadeiros. Não sabemos se esse era o objetivo de Adão e Eva, mas os nomes desses dois irmãos lembram algumas verdades importantes. Caim, “adquirido do Senhor”, nos lembra que a vida vem de Deus, enquanto que Abel, “vapor”, “sopro”, “fraqueza” ou “vaidade”, nos lembra que a vida é breve.
Apesar de serem irmãos, eles eram bem diferentes um do outro. Ao passar os dias, ficava cada vez mais evidente que cada um tinha suas próprias habilidades e interesses distintos. Caim se tornou lavrador da terra. Preparar a terra, semear e fazer colheitas eram as coisas que mais gostava de fazer. Abel, o caçula, tornou-se pastor de ovelhas. Seu prazer era cuidar do rebanho (Gn 4:1-2). Os dois escolheram boas profissões! Sem dúvida alguma, Adão deve ter ensinado para os seus filhos a importância do trabalho. Deve ter dito para eles que eram privilegiados por poderem trabalhar, como ele próprio fazia (Gn 2:15). Ambos conheciam a Deus. Certamente, seus pais haviam lhes ensinado sobre o Criador e sobre o valor de buscá-lo. Por isso, eles tinham necessidade de aproximar de Deus e adorá-lo. Então, passado o tempo, certo dia, ambos, Caim e Abel, trouxeram uma oferta ao Senhor (Gn 4:3-4). O texto não diz e nem deixa transparecer que essa oferta foi ordenada. Eles fizeram isso voluntariamente. Ralph L. Smith, [SMITH, Ralph L. Teologia do Antigo Testamento: história, método e mensagem. São Paulo: Vida Nova, 2001.], diz que esse gesto, provavelmente, era uma resposta de gratidão deles a Deus, pela dádiva da fertilidade da terra e dos animais. Vejamos como aconteceu.

2. AS DUAS OFERTAS:

Caim e Abel, cada um de acordo com a sua profissão, ofereceram do resultado do seu trabalho ao Senhor: ...trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura (Gn 4:3-4). O Senhor se agradou de Abel e de sua oferta, mas reprovou Caim e sua oferta. Não sabemos como eles ficaram sabendo disso. Talvez Deus tenha demonstrado sua aprovação enviando fogo do céu, ou, quem sabe, isso se tornou evidente, quando o rebanho de Abel se multiplicou, enquanto a colheita seguinte de Caim foi um fracasso. Seja como for, Deus fez a sua escolha conhecida. Ao se sentir rejeitado, Caim despejou toda a sua ira sobre seu irmão, e o matou (Gn 4:5,8).

Cabe-nos, aqui, uma pergunta: Por que o Senhor aceitou uma oferta e rejeitou a outra? O problema estava na oferta ou no ofertante? Muitos dizem que o problema estava na oferta, visto que uma envolvia morte e derramamento de sangue e a outra, não. Todavia, “não é correto afirmar que a ausência de sangue desqualificou a oferta de Caim e qualificou o sacrifício prestado por Abel. Caim foi rejeitado por que a intenção do seu coração era má”. Isso ficou evidenciado na sua atitude posterior.

O problema não foi o que eles ofertaram, mas a atitude com que o fizeram. Tanto a oferta de animais como a de frutos da terra, que, até então, não haviam sido normatizadas, eram aceitas por Deus. Observe que, na sentença de aprovação e reprovação de Deus, nos versículos 4 e 5 de Gênesis capítulo 4, os nomes dos ofertantes aparecem antes das referências as suas ofertas. Deus está “mais interessado” na pessoa do ofertante do que no tipo da oferta. Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; pois, a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus (Sl 51:17). Caim não foi rejeitado por causa da oferta que escolheu, mas por causa de si mesmo, diferentemente de Abel, que “veio a Deus com atitude certa de um coração disposto a adorar e pela única maneira em que os homens pecadores podem se aproximar do Deus santo”.

Abel era especial! O Novo Testamento mostra que a sua fé era diferente da de Caim: Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim (Hb 11:4); e também mostra que as suas obras eram diferentes das dele: Caim (...) era do maligno (...) suas obras eram más, e as do seu irmão justas (I Jo 3:11). Culto e oferta só agradam a Deus quando o ofertante tem fé e obras, o que não era o caso de Caim. A essa altura, é bom entendermos que a oferta também é importante para Deus, mas não é o principal. Jesus disse: ...se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa diante do altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão (Mt 5:23-24). Note que a ênfase de Cristo está no ofertante. Abel foi aprovado como ofertante! E nós?

Na seqüência deste estudo, vamos considerar, pelo menos, três marcas de uma oferta que agrada ao Senhor.

APLICANDO O CONHECIMENTO BÍBLICO

1. Uma oferta que agrada ao Senhor é marcada pela voluntariedade.

Leia com atenção todo o texto de Gênesis capítulo 4, versículos 1 a 5, e você vai constatar que as ofertas de Caim e Abel não são frutos de uma imposição, mas produtos da voluntariedade. Elas foram espontâneas!
“Coabitou o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu à luz a Caim; então, disse: Adquiri um varão com o auxílio do SENHOR. Depois, deu à luz a Abel, seu irmão. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim, lavrador. Aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta; ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante."
Adorar a Deus não deve ser encarado como uma obrigação penosa, um fardo pesado a se carregar; muito pelo contrário, ela deve brotar de um coração voluntário. Jesus disse que o Pai “procura” os verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade (Jo 4:23). Ele “procura” e não os “obriga” a isso. Davi entendeu a vontade de Deus, e tudo o que ofereceu ao Senhor foi espontaneamente e com integridade de coração (I Cr 29:17 – NVI).

2. Uma oferta que agrada ao Senhor é marcada pela qualidade.

Preste atenção nos detalhes fornecidos pelo autor sagrado, no que diz respeito às ofertas de Caim e Abel. Primeiro Caim: A Bíblia não diz que ele pegou as “primícias dos frutos da terra”, ou seja, os primeiros e melhores frutos. Mas diz: Caim pegou alguns produtos da terra (Gn 4:3). Não estamos querendo dizer que os frutos de Caim eram ruins, mas, talvez, não fossem os melhores. Isso não desqualifica sua oferta, afinal, não havia uma regra que dizia que o Senhor aceita apenas as “primícias dos frutos da terra”, como também não existia uma regra que dizia que o Senhor só aceitava os “primogênitos das ovelhas”. Entretanto, observe o diferencial em Abel, que por sua vez, pegou o primeiro carneirinho (...) e ofereceu as melhores partes ao Senhor (Gn 4:3-4). Aquele que tem atitudes internas corretas, sempre oferecerá o seu melhor ao Senhor, e essa oferta, com certeza, lhe agradará! Faça isso.

3. Uma oferta que agrada ao Senhor é marcada pela sinceridade.

Imagine Caim e Abel indo adorar a Deus. Caim, com seus lindos frutos da terra, e Abel, com o melhor dos seus rebanhos. Duas ótimas ofertas! Quem olhasse de fora, seria incapaz de pensar em rejeitar uma delas. Mas Deus não vê como vê o homem. O homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração (I Sm 16:7). Davi sabia disso: Bem sei, meu Deus, que tu provas os corações e que da sinceridade te agradas (I Cr 29:17). Deus se agradou da sinceridade de Abel e aceitou sua oferta. E quanto a nós? Quando o adoramos, há sinceridade em nosso coração?

CONCLUSÃO:

Conseguimos entender por que Abel e sua oferta foram aceitos, enquanto Caim e sua oferta foram rejeitados? Que o Senhor Deus nos livre do caminho de Caim (Jd 11), pois ele é a trilha da morte! Procuremos sempre andar pelo caminho de Abel, que conseguiu aprovação de Deus como homem correto, tendo o próprio Deus aprovado as suas ofertas (Hb 11:4 – NTLH). Com espírito quebrantado, coração compungido e contrito, aproximemo-nos do Senhor! E, assim como a de Abel, que a nossa oferta seja marcada pela voluntariedade, pela qualidade e pela sinceridade.

Que Deus nos abençoe!



DEC
PCamaral

Escolha sempre fazer a vontade de Deus

Nenhum comentário:

PC@maral


O pecado é livremente praticado pela sociedade. Com pedofilia, pornografia, assassinatos em série, terrorismo, anarquia e cruéis ditadores, o mundo transborda de violência, ódio e corrupção. Ao ler ou ouvi sobre algumas destas tragédias, começamos a entender a necessidade do juízo de Deus. Desejamos vingança, qualquer que seja ela, contra os autores destes tipos de violência. Declaramos com toda a nossa força e certeza, as pessoas que as praticam estão longe de qualquer salvação!

Mas, vamos supor que, em meio a essas conjecturas, Deus lhe peça que leve o evangelho ao pior dos criminosos, ao mais sádico assassino, como você responderia? O profeta Jonas recebeu incumbência parecida. A Assíria, império poderoso da época de Jonas, tão grande e tão pecador, era, também, o mais temível dos inimigos de Israel. Os Assírios ostentavam seu poder perante Deus e o mundo através de numerosos atos de impiedosa crueldade. Portanto, quando Deus pediu para que Jonas fosse a Nínive conclamar o povo ao arrependimento, Jonas tomou direção oposta.

O livro de Jonas conta a história da fuga deste profeta e como Deus o trouxe de volta para cumprir a missão que Ele ordenara. Esta é mais do que a história de um homem e de um grande peixe, é uma profunda ilustração da graça e da misericórdia de Deus. Ninguém era menos merecedor do favor de Deus que o povo de Nínive, a capital da Assíria. Jonas sabia disso, e compreendia também que Deus os perdoaria e abençoaria, se abandonassem o pecado e o adorassem. Jonas conhecia o poder da mensagem divina e que, através da pregação, eles responderiam positivamente e seriam poupados do juízo de Deus. Jonas, porém, odiava os assírios e desejava a vingança, não a misericórdia. Por esta razão fugiu.

Finalmente, Jonas obedeceu e pregou nas ruas de Nínive; o povo arrependeu-se e livrou-se do juízo de Deus. Mas Jonas ficou aborrecido e queixou-se com Deus dizendo: “Ah! Senhor! Não foi isso o que eu disse, estando ainda na minha terra? Por isso, me preveni, fugindo para Társis, pois sabia que és Deus piedoso e misericordioso, longânimo e grande em benignidade e que te arrependes do mal” (Jonas 4:2). Mas Deus respondeu a Jonas e mencionou os valores egoístas e a falta de compaixão do profeta dizendo: “E não hei de eu ter compaixão da grande cidade de Nínive, em que estão mais de cento e vinte mil homens, que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muitos animais?” (Jonas 4:11).

Ao ler o livro de Jonas, devemos procurar visualizar o quadro completo do amor e da misericórdia de Deus, e entender que ninguém está fora do alcance da redenção. O evangelho é para todos os que se arrependem e crêem. Devemos orar por aqueles que parecem estar mais distantes do reino e procurar maneiras de ensinar-lhes a respeito de Deus. Aprendemos com a história deste relutante profeta, que devemos, sempre, obedecer a Deus, fazendo tudo que Ele nos pedir, e que devemos ir de boa vontade a qualquer lugar que Ele desejar nos enviar. Jonas era um profeta relutante, que recebeu uma missão que, ele, Jonas, considerava desagradável de se cumprir. Preferiu fugir de Deus a obedecer-lhe.

Em nossa vida, como servos de Deus, assim como Jonas, muitas vezes precisamos fazer coisas que não gostamos a ponto de querermos recuar e fugir. Mas, é melhor obedecer a Deus do que desafiá-lo ou fugir. Muitas vezes, apesar de nossa rebeldia, Deus, em sua misericórdia, nos concede uma outra chance de servi-lo quando nos voltamos para Ele.

Pense nisso, e que Deus nos abençoe!

***

PC@maral

Razões para eliminar o entretenimento em sua igreja

Um comentário:
1 - "O diabo raramente criou algo mais perspicaz do que sugerir à igreja que sua missão consiste em prover entretenimento para as pessoas, tendo em vista ganhá-las para Cristo".

2 - "Todo cristão ou é um missionário ou é um impostor".

C. H. Spurgeon



Alan Capriles


Sei que o entretenimento está tão enraizado na cultura evangélica, que parecerá um absurdo a tese que defendo. Mas, além de não estar sozinho na luta contra o "culto show", estou ainda muito bem acompanhado, por pastores renomados, como Charles Haddon Spurgeon, que no século XIX já havia escrito sobre este perigo, alertando que o fermento diabólico do entretenimento acabaria levedando toda a massa em curto espaço de tempo. E é neste estado de lastimável fermentação que se encontra a massa evangélica atual.

Hoje em dia é quase impossível que uma igreja não tenha conjuntos musicais, ou corais, ou grupos de coreografia, ou cantores para se apresentar durante o culto e nos eventos por ela realizados. Na maioria das igrejas o período de culto é tomado deste tipo de apresentações, com a desculpa de que "é pra Jesus". Mas, quando analisamos racionalmente, e a luz das Escrituras, a verdade é que tais apresentações não passam de entretenimento, com verniz de santidade e capa de religiosidade.

Que ninguém fique ofendido. Eu mesmo gostaria que alguém houvesse me alertado disso na época em que eu, cegamente, gastava horas com ensaios de conjuntos e de peças teatrais. E eu me convencia de que isto era a obra de Deus.

Mas, no fundo de meu coração, eu sabia que havia algo de errado, que não era nisto que Jesus esperava que seus discípulos se focassem, ou se esforçassem. Como ninguém me despertou, busquei a Deus em oração e o próprio Espírito Santo, por meio das Escrituras, convenceu-me do meu erro.

Desde então, tenho meditado tão seriamente a respeito disto, que encontrei mais de dez razões para eliminar por completo o entretenimento dos cultos na igreja que pastoreio. E já o fizemos! Substituimos o tempo que antes gastávamos com ensaios entre quatro paredes, pelo evangelismo bíblico na comunidade e pela oração nos lares. E, quanto às apresentações nos cultos... sinceramente, não estão fazendo a menor falta.

Mas, vejamos porque o entretenimento deve ser eliminado dos cultos que realizamos ao Senhor:

1 - O Senhor nunca ordenou entreter as pessoas

Esta já seria uma razão suficiente, que dispensaria os demais argumentos. O problema é que raramente se encontra hoje uma igreja que queira ser bíblica, composta por membros que só desejem cumprir a vontade de Deus, expressa em sua Palavra. Assim sendo, talvez seja necessário ainda os argumentos a seguir.

2 - Entretenimento não atrai ovelhas

Chamemos de ovelhas aqueles que realmente amam a Jesus, que reconhecem a voz do Senhor e o seguem (Jo 10:27). No entanto, a divulgação de apresentações na igreja dificilmente atrairá pessoas interessadas em Deus. Certamente será um atrativo para as que gostam de uma distração gratuita. Mas, podemos chamar a estas pessoas de ovelhas, ou não há uma grande chance de serem bodes? (Mt 25:32-33)

3 - Entretenimento afasta as ovelhas

As verdadeiras ovelhas não se satisfazem com apresentações durante o culto. Elas querem oração e palavra, edificação e unção. Uma ovelha de Cristo não procura emoções, mas a Verdade, para que se mantenha firme no caminho da vida eterna (Jo 6:67). Quanto mais o pastor encher o culto com apresentações, mais rápido as ovelhas sairão em busca de uma verdadeira igreja, que priorize a oração e a palavra de Deus. Aos poucos, a "igreja-teatro" deixará de ter ovelhas para estar ainda mais cheia, porém de bodes, que gostam de uma boa distração. E, infelizmente, o que muitos pastores buscam hoje é quantidade, o crescimento a qualquer custo. E, com este fermento, a massa realmente cresce...

4 - Entretenimento reduz o tempo de oração e palavra

O tempo de culto já é muito limitado, chegando a no máximo duas horas. Quando se dá oportunidade para apresentações, o tempo que deveria ser usado para se fazer orações e se pregar a palavra de Deus torna-se curtíssimo. Em algumas igrejas não chega nem a trinta minutos! Como desenvover uma mensagem expositiva em tão curto espaço de tempo?

5 - Entretenimento confunde os visitantes

Os visitantes concluem que a igreja existe em função disto: conjuntos, corais, coreografias, peças teatrais, ou qualquer outro tipo de apresentação que torne o culto um show. E eles passam a frequentar os cultos com esta expectativa, esperando pelo próximo espetáculo.

6 - Entretenimento ilude os membros

O membro pensam que está servindo a Deus com suas apresentações. Desta forma, sua consciência fica cauterizada para atender aos chamados para a escola bíblica, para o evangelismo e para socorrer os carentes. Afinal de contas, ele pensa que seu chamado é para as artes, e não para serviços que não lhe colocam debaixo dos holofotes (que, aliás, são muito comuns nas igrejas hoje em dia).

7 - Entretenimento é um desgaste desnecessário

Quanto esforço é despendido para que tudo saia perfeito! Uma energia que é gasta naquilo que o Senhor nunca mandou fazer! Será que ainda sobram forças para se fazer o que realmente o Senhor manda? (Lc 6:46)

8 - Entretenimento coloca os carnais em destaque

Pessoas que raramente aparecem nos cultos de oração e estudo bíblico, e que nunca comparecem ao evangelismo, geralmente são as mesmas que gostam de aparecer cantando, dançando ou representando nos cultos mais cheios. A questão é: Por que dar destaque justamente para estes membros carnais?

9 - Entretenimento promove disputas

Disputas entre membros, entre conjuntos e até entre igrejas. Quem canta melhor? Quem dança melhor? Que conjunto tem o uniforme mais bonito? Quem recebeu mais oportunidade? Quanta medíocre carnalidade... (1 Co 3:3; Tg 4:1)

10 - Entretenimento alimenta o ego

O entretenimento não gera fé, mas fortalece o ego dos que amam os aplausos e elogios. Apesar de sua roupagem "gospel", o fermento dos fariseus continua tão venenoso quanto nos dias de Jesus (Mt 23:5-6; Lc 12:1)

11 - Entretenimento é um desperdício de tempo

Se o mesmo tempo que as igrejas gastam com ensaios e apresentações fosse utilizado com oração e evangelismo, este mundo já teria sido alcançado para o Senhor! (Ef 5:15-17)

12 - Entretenimento não é fazer a obra de Deus

A desculpa para o entretenimento é que este seria uma forma de atrair as pessoas. Mas a questão novamente é: que tipo de pessoas? Se entretenimento fosse uma boa alternativa, não teria a igreja apostólica usado de entretenimento para atrair as multidões? No entanto, ela simplesmente pregava o evangelho, porque sabia que nele há poder. O evangelho "é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê" (Rm 1:16). Mas o entretenimento... O entretenimento é a artimanha do homem para a perdição de todo aquele que duvida.

Quero concluir com uma palavra aos pastores. De pastor, para pastor. Amado colega de ministério, não duvide do poder do evangelho para atrair e converter as pessoas. Não queira encher sua igreja com atividades vazias e atraentes ao mundo, mas que não tem o poder do Espírito Santo para converter vidas. Tenha coragem e limpe sua congregação desta imundície egocêntrica. Talvez com isto você perderá alguns membros, mas não perderá ovelhas, somente bodes. Tenha fé em Deus e confie no modelo bíblico para encher a igreja, que é a oração, o bom testemunho e a pregação ousada do genuíno evangelho de Cristo. Lembre-se que "enquanto os homens procuram melhores métodos, Deus procura melhores homens."

***

Fonte: Vi no excelente blog do Alan Capriles e divulguei aqui no PC@maral.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Igreja nos EUA faz cultos para nudistas

2 comentários:
Até o pastor reza como veio ao mundo na igreja, no estado da Virgínia.


Se não foi, está bem perto...
Igreja dos Peladões
Igreja de nudistas no estado americano da Virgínia. (Foto: BBC)
Uma igreja no Estado americano da Virginia (nordeste dos Estados Unidos) está causando polêmica ao receber fiéis nus. Até o pastor celebra o culto como veio ao mundo. Na capela de Whitetail - uma comunidade nudista fundada em 1984, na cidade de Ivor, roupas são um item opcional.
"Eu não acredito que Deus se importe com a maneira como você se veste quando você faz suas orações. O negócio é fazer as orações", diz Richard Foley, um dos frequentadores.
Mas, entre os que não fazem parte da congregação, a ideia de uma igreja nudista não agrada muito. Várias pessoas ouvidas nas ruas de Ivor se surpreenderam e disseram achar o conceito de uma igreja nudista desrespeitoso. O pastor Allen Parker discorda:
"Jesus estava nu em momentos fundamentais de sua vida. Quando ele nasceu estava nu, quando foi crucificado estava nu e quando ressuscitou, ele deixou suas roupas sobre o túmulo e estava nu. Se Deus nos fez deste jeito, como isso pode ser errado?"
Lucro

A comunidade nudista de Whitetail vai de vento em popa apesar dos tempos de crise. Segundo a administração do resort, mais de dez mil pessoas visitaram o local no último ano e os lucros subiram 12% no período. Os visitantes dizem que ser nudista é algo libertador. Para eles, em um ambiente como este não há julgamento de classe social e todos ficam livres para ser quem realmente são. Além disso, o clima seria de igualdade. Um frequentador exemplificou isso dizendo que, na comunidade, não é possível dizer quem está desempregado, quem é alto-executivo e quem é encanador.
"Aqui, todos participam, todos são compreensivos e preocupados com a comunidade e com a família. Temos uma das congregações mais ativas da região. Eu considero isso um presente de Deus e um privilégio", disse o pastor Parker.
Se você estiver curioso, pode assistir ao video... tem legendas... rsrsrs....


Fonte: G1.com - Video com link BBC - e divulgado no PCamaral

Lula chega ao Haiti e sobrevoa Porto Príncipe de helicóptero

Nenhum comentário:

Foto: Presidência da República


Brasileiro foi recebido pelo presidente René Préval.
Terremoto atingiu o país em janeiro, deixando mais de 200 mil mortos.


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou nesta quinta-feira (25) ao Haiti para expressar seu apoio ao povo haitiano pelo terremoto que devastou parte do país e para assinar acordos bilaterais em matéria de educação e agricultura. Essa é a terceira visita oficial de Lula ao Haiti.

Lula foi recebido pelo presidente René Préval e sobrevoou a capital Porto Príncipe de helicóptero. O terremoto que atingiu o país deixou mais de 200 mil mortos.

Na visita, serão assinados acordos para a reconstrução e fortalecimento da educação superior do Haiti, acordos para a construção de cisternas para captação de água de chuva e um outro acordo que visa estudar e fortalecer a agricultura familiar.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se mostrou impressionado com as marcas da destruição causada pelo terremoto ocorrido em 12 de janeiro. Ao lado do presidente haitiano, René Préval, Lula voltou a defender anistia para a dívida externa do país.

O presidente brasileiro afirmou que os líderes interessados em ajudar o Haiti devem fazer "gestão junto aos credores, Banco Mundial e FMI" para obter a anistia da dívida externa do país. "O mundo precisa dar demonstração de que quer ajudar (...) anistiando essa dívida", disse. Segundo ele, a dívida é de US$ 1,3 bilhão.

O presidente admitiu ainda que o gesto não resolverá todos os problemas do país, mas permitirá que sejam estabelecidas novas linhas de ação. O terremoto que atingiu o país deixou mais de 200 mil mortos.

"Quero dizer que, se o Brasil já tem feito política de solidariedade, estejam certos que vamos fazer muito mais porque as coisas no Haiti são muito mais graves do que a gente imaginava", declarou o presidente.

Ao mesmo tempo em que defendeu o perdão da dívida e reafirmou a gravidade dos estragos, Lula deixou claro o desejo de fortalecer a ação dos próprios haitianos nos trabalhos de reorganização da estrutura. "É importante fortalecer o governo do Haiti", disse Lula.

O presidente lembrou que chega ao Haiti após ter participado de duas cúpulas, durante as quais percebeu disposição dos líderes para fazer "qualquer sacrifício" pelas vítimas da tragédia. Segundo ele, ficou combinado que parte da doação em dinheiro acertada entre os participantes da reunião será direcionada diretamente ao orçamento do Haiti, para que o próprio país "decida o que fazer".

Orgulho



Durante a visita à base do batalhão brasileiro da Missão de Estabilização das Nações Unidas (Minustah), onde participou da cerimônia de formatura das tropas do país, o presidente elogiou os soldados. "Embora vocês não precisem de medalhas, eu poderia dizer: poucas vezes na história do Brasil as Forças Armadas foram motivo de tamanho orgulho para o povo brasileiro como têm sido pelo seu comportamento e trabalho", disse.



No Haiti, Lula assinou acordos para a reconstrução e fortalecimento da educação superior do Haiti, contratos para a construção de cisternas para captação de água de chuva e outro para fortalecer a agricultura familiar. De acordo com o Blog do Planalto, o governo brasileiro vai doar 14 toneladas de alimentos e US$ 15 milhões ao país.

(com informações da Efe)

***

Fonte: G1.com

Pastor Silas Malafaia debate PL 122/2006 ao vivo no Programa do Ratinho e é aplaudido

Um comentário:

Debate sobre a lei 'anti-homofobia' no Programa do Ratinho (SBT) foi tenso. O apresentador do programa 'Vitória em Cristo' e pastor da Igreja 'Assembléia de Deus', Silas Malafaia, bateu de frente com a ex-deputada Iara Bernardes, autora do PL 122

A polêmica do PL 122/2006 foi o assunto em pauta no Programa do Ratinho (SBT) dessa quarta-feira dia (24) onde o pastor Silas Malafaia e a ex-deputada Iara Bernardes debateram acaloradamente sobre a possível aprovação do projeto de lei que sanciona como crime qualquer ação, ou mesmo opinião, que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito em relação ao homossexualismo. [1]

Assista o debate:

PARTE I - Ex-Deputada federal Iara Bernardi entra no estúdio, faz argumentações preliminares. Reportagem externa do repórter Ney Inácio explica o que representa o PL, entrevista o Pr. Dilmo dos Santos (ministério CONAMAD), militantes de ONG pró-homossexualismo e transeuntes num reduto de gays próximo da Praça da República. Silas entra, presenteia o apresentador Carlos Massa, o Ratinho, e sua assistente de palco com livro e Bíblia de Estudo. Em sua palavra preliminar diz que o PL 122/2006 deveria se chamar Lei do Privilégio. Ele recebe ovações da platéia.[2]


PARTE II - Pastor Silas diz que homossexualismo é questão comportamental, ninguém nasce gay, aponta ao campo científico da Biologia, para a ordem cromossômica, que nos informa haver apenas macho e fêmea. Iara Bernardi diz que pessoas homossexuais não pedem para nascer gays, sem contestar a informação da ordem cromossômica, alega que o PL 122/2006 não afronta religiões e que o projeto visa coibir a população de externar preconceito. Silas denuncia que o PL 122/2006 foi posto para aprovação dos Senadores sem que eles soubessem, que os Militantes Gays agiram de maneira antiética e sorrateira numa madrugada do Senado Federal.[2]


PARTE III - Iara: "O pastor está nervoso?" Silas: "quero informar que o meu temperamento não está em debate". Malafaia cita Senadores que nã o são evangélicos e são contra o PL 122/2006. Iara Bernardes cita dados numéricos de assassinatos de gays, sem credibilidade, que já contestados em outros fóruns. Silas chama o PL 122/2006 de bobagem, diz que o brasileiro realmente discriminado é o jovem e o pobre. Nas considerações finais, o apresentador Ratinho brinca e diz torcer para que Malafaia continue só como pastor evangélico, porque se não for assim tomará o lugar dele. Risos. [2]



ENQUANTO É POSSÍVEL, expresse você também a sua opinião, de maneira totalmente livre e democrática, sobre esse polêmico projeto de lei, que também é chamado entre os evangélicos de 'Lei da mordaça' ou 'Lei do privilégio'. [1]

***

Fontes:

[1] O Galileu [autor: Carlos Lima - conteudo@ogalileo.com.br ]

[2] Alcebíades 232

[2] Resumos de UBE

Divulgado no PC@maral.

O Discipulo Moderno

Nenhum comentário:

[clique na imagem para ampliar]



Assim é moleza, quero ver carregar da maneira com Jesus carregou por cada um de nós. Sentiu o peso?????????

***

Vi no PavaBlog - fonte: Sinfest (humor religiosamente incorreto)

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A Separação é Certa

Nenhum comentário:

Hugo Alves Espínola


Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos e separarão os maus dentre os justos. E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali, haverá pranto e ranger de dentes. (Mt 13:49-50)

Este artigo se baseia em duas outras parábolas contadas por Cristo: a parábola do joio entre o trigo e a da rede, com peixes bons e ruins. Ambas se encontram registradas em Mt 13:24-30,47-50. Através delas, Jesus alerta os crentes de seu tempo e de todos os tempos sobre o caráter misto das coisas do reino. O bem e o mal sempre estarão juntos no mundo, a boa e a má semente “o trigo e o joio”, “os bons e ruins peixes” permanecerão juntos, até a consumação dos séculos. Elas nos ensinarão, ainda, que o reino de Deus é espiritual e não temporal; por isso, o bem e o mal continuarão a existir no mundo, até que chegue a ceifa e o supremo juiz faça a separação.

O PROPÓSITO DA PARÁBOLA

As multidões que se ajuntavam em torno de Jesus para ouvir o seu ensino eram impressionantemente numerosas. O que havia no Mestre que o tornava tão cativante? Muita coisa: a sua personalidade, a sua inteligência, a sua autenticidade, a sua misericórdia. Para ele, todos que o procuravam e o escutavam eram igualmente preciosos e valiosos. No seu coração, não havia lugar para preconceitos sociais nem discriminações raciais. Diferentemente dos mestres do seu tempo, que eram incoerentes e contraditórios, Jesus vivia tudo que pregava e ensinava. Era fiel à vontade de Deus, em todas as circunstâncias. Por mais adverso e opressivo que fosse o ambiente, Jesus se mantinha sereno e tranqüilo e respondia com perspicácia as perguntas que apareciam. Esse seu jeito atraía para si o povo, que era como ovelha sem pastor.

Para alcançar mais gente com o seu ensino, Jesus saiu de casa para um lugar mais amplo, junto ao mar: E ajuntou-se muita gente ao pé dele, de sorte que, entrando num barco, se assentou; e toda a multidão estava em pé na praia (Mt 13:2). Jesus, ao ver aquela multidão presente, falou-lhe de muitas coisas por parábolas (Mt 13:3b), com o intuito de ensinar-lhe verdades ignoradas, porém, preciosas acerca do reino de Deus. Foi nesse contexto que ele contou a parábola do joio no meio do trigo. Já a parábola da rede foi contada aos seus discípulos, em particular, logo após as parábolas do tesouro escondido e da pérola de grande valor.

Na primeira parábola, Jesus narra a história de um agricultor que semeia grãos de trigo em seu campo e, mais tarde, descobre que seu inimigo, secretamente, visitou seu campo e plantou joio por entre o trigo. Os servos do proprietário ficaram grandemente surpresos, ao constatarem o joio no meio do trigo, no campo do seu senhor. Eles perguntam: queres, pois que vamos arrancá-lo? O dono, porém, não deixou arrancar o joio (Mt 13:29-30), pois sabia que, se tentasse arrancá-lo, feriria também o trigo. Ele sabia que as raízes do joio e do trigo estavam tão entrelaçadas que quem puxasse o joio arrancaria também o trigo. Então, tomou a decisão de esperar até o tempo da colheita, quando separaria o joio do trigo e o queimaria.

Na segunda parábola, a da rede, a última de uma série de sete, intimamente relacionada à do joio entre o trigo, Jesus conta a história de um pescador que pega uma rede cheia de peixes, tanto bons, quanto ruins. Nos dias de Jesus, usava-se para pescar o arrastão, que era um tipo de rede muito grande, capaz de pegar uma grande variedade e uma enorme quantidade de peixes. Uma vez lançado, os pescadores puxavam todos os peixes de toda a natureza e de todo o tamanho. Separavam-se, então, os peixes bons dos ruins. Assim, os peixes ruins, tanto os imundos (impróprios para o consumo) como os menores (inadequados para o comércio), eram, imediatamente, lançados de volta à água.

A VERDADE DA PARÁBOLA

O principal ensino das parábolas deste estudo é que, a separação entre os que praticam a iniqüidade e os que procuram a santidade irá acontecer somente na consumação dos séculos, isto é, na volta de Jesus, e não antes. Essa verdade principal foi enfatizada muito claramente por Jesus, tanto para aqueles que o ouviam, quanto para aqueles que o seguiam: o juízo de Deus é adiado por um tempo, mas, certamente, acontecerá. A respeito disso, temos esta promessa: O Senhor não demora a fazer o que prometeu, como alguns pensam. Pelo contrário, ele tem paciência com vocês porque não quer que ninguém seja destruído, mas deseja que todos se arrependam dos seus pecados. (II Pe 3:9) Antes de isso ocorrer, o bem e o mal estarão juntos no mundo, que é visto como “um grande campo”, em que crescem plantas boas e plantas ruins, e como uma “grande rede”, em que existem peixes bons e peixes ruins. Por causa disso, neste mesmo mundo, devemos estar preparados para encontrar igrejas com cristãos e incrédulos, convertidos e não convertidos, os filhos do Reino e os filhos do diabo, todos misturados uns com os outros. Desde que a igreja existe é assim. Nem mesmo a mais pura e sadia pregação do evangelho conseguiu ou consegue impedir esse estado ou essa mistura de coisas.

O joio sempre será encontrado no meio do trigo e peixes ruins sempre serão achados no meio dos peixes bons. Nunca houve um lugar em que todos fossem “trigo”, ou peixes bons. Há crentes verdadeiros e falsos crentes, falsos mestres, falsos profetas, falsos apóstolos e falsos cristos. O pior de tudo é que esta falsidade está temporariamente escondida atrás de uma capa bonita e atraente, atrás da capacidade de profetizar, de expelir demônios e de fazer milagres (Mt 7:32, 24:23-24). Sendo assim, é preciso ter muita paciência e esperar o tempo da colheita do trigo ou o tempo da seleção dos peixes. Não pode haver precipitação. Haverá um dia de separação entre os membros piedosos e os membros ímpios. O Senhor Jesus enviará seus anjos, no dia da sua segunda vinda, os quais recolherão os verdadeiros cristãos, formando dois grupos distintos: um para a vida eterna e outro para a morte eterna. Esses poderosos ceifeiros, os anjos celestiais, não se enganarão no que estiverem fazendo. Eles discernirão, com juízo infalível, entre o justo e o ímpio, colocando cada um no seu próprio grupo. Os mundanos, os ímpios, os descuidados e os não-convertidos serão lançados dentro da “fornalha acesa”, onde receberão morte eterna. Os santos e fiéis servos de Cristo receberão glória, honra e vida eterna.

O escritor do livro “Parábolas de Jesus” [Kistemaker, ( 2002:56)], observa que o ensinamento de Cristo, neste aspecto, reflete direta e indiretamente as Escrituras do Antigo Testamento:
Jesus parece se referir à profecia de Sofonias: “De fato, consumirei todas as coisas sobre a face da terra (...), os homens e os animais” (1.2,3), quando fala de extirpar de seu reino tudo aquilo que traga escândalo e todo aquele que pratique a iniqüidade. A frase “os lançarão na fornalha acesa” lembra DanieI 3.6: “... lançado na fornalha de fogo ardente”. O próprio conceito se assemelha a Malaquias 4.1: “Pois eis que vem o dia e arde como fornalha; todos os soberbos e todos os que cometem perversidade serão como o restolho”. A passagem: “Então os justos resplandecerão como o sol” lembra Daniel 12.3: “Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente”. E para completar, devemos ler, também, Malaquias 4.2: “Mas para vós outros que tem eis o meu nome nascerá o sol da justiça”.
De fato, o reino de Deus já foi inaugurado e estabelecido por Jesus, e está em vitoriosa expansão; todavia, ainda não está consumado. O mundo vindouro já chegou e já temos provado seu poder, mas o mundo antigo ainda não cessou. Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam (Sl 24:1), mas o mundo jaz no maligno (I Jo 5:19). Já somos filhos e não mais escravos, mas ainda não entramos na liberdade da glória dos filhos de Deus. Satanás já está vencido, mas ainda não aniquilado. Já fomos salvos do castigo do pecado (a justificação) e estamos sendo salvos do seu domínio (a santificação), mas ainda não fomos salvos da sua presença (a glorificação). Ainda que a plenitude da salvação demore, continuemos esperando.

OS DESAFIOS DA PARÁBOLA

1. Enquanto o tempo da separação não chega, percebamos a malignidade do mundo.

No campo daquele patrão, foi semeado o trigo. Mas, sem que ele quisesse, também foi semeado o joio, pelo inimigo. Este é o Diabo e o joio são os filhos do maligno. Essa é uma realidade inquestionável. O trigo, os “filhos do Reino”, e o joio, os “filhos do Diabo”, agora, estão misturados, ou seja, coexistem no mesmo terreno. O que Jesus quer dizer é que este é um mundo de transgressões, iniqüidades e contradições, porque o mistério da iniqüidade já está em ação (II Ts 2:7a). Não nos admiremos, nem nos espantemos, se o mundo nos odeia, pois muitos que habitam nele estão sob a influência do maligno. Os “filhos do Reino” e os “filhos do diabo” são opostos entre si e estão permanentemente em conflito aberto, pois um deles se baseia na verdade (Jo 1:17) e o outro, na mentira (Jo 8:44).

2. Enquanto o tempo da separação não chega, proclamemos a mensagem do Reino.

De acordo com Cristo, o reino do céu é ainda como uma rede que, lançada ao mar, apanha toda sorte de peixes. Se lançamos a nossa rede ao mar, iremos pegar peixes bons e ruins. Mas não devemos nos preocupar com a possibilidade do ingresso no reino de Deus de pessoas com intenções impuras e atitudes erradas. Preocupemo-nos, sim, com os milhares de sinceros e abertos à verdade que ainda necessitam ser apanhados pelas redes do amor de Deus. Além do mais, somente Deus conhece os que lhe pertencem (II Tm 2:19b – RA). Sendo assim, que a nossa decisão seja aquela expressa naquele cântico: Vou lançar a minha rede ao mar / Muitas almas também vou ganhar / Tantas que eu não poderei contar / Almas como as areias do mar.

3. Enquanto o tempo da separação não chega, aguardemos a misericórdia de Deus.

Já vimos que o tempo presente é o tempo da coexistência do joio com o trigo, da virtude com o pecado, da bondade com a maldade. Mas Jesus quer dizer também que este tempo de coexistência deve ser, igualmente, tempo de aguardar a manifestação da misericórdia de Deus. No campo da graça, pode acontecer um milagre que não acontece na ordem da natureza. E o milagre é este: no “campo” da misericórdia e do amor de Deus, por incrível que pareça, o joio também pode tornar-se trigo. Para o ser humano, é impossível que o joio se torne trigo, mas para Deus, o nosso Salvador, que quer que todos sejam salvos e venham a conhecer a verdade (I Tm 2:3-4 – NTLH), tudo é possível. A graça de Deus pode resgatar o joio do poder aparentemente irresistível das trevas e o transportar para o reino do seu Filho amado (Cl 1:13).

CONCLUSÃO:

Tremam e estremeçam os maus, ao lerem a parábola do joio e do trigo, pois, nela, encontrarão sua própria condenação, a não ser que se arrependam e lembrem que, se continuarem a viver separados de Deus, estarão lavrando a sua própria sentença, e, no fim, serão ajuntados ao joio e lançados no fogo. Para o verdadeiro cristão, essa parábola é muito consoladora. Esse grande e terrível Dia do Senhor será um dia de felicidade. O cristão não se sentirá amedrontado com a voz do arcanjo ou com o soar da trombeta. Quão maravilhoso será o aspecto do Corpo de Cristo, a Igreja, quando, afinal, tiver sido separado dos ímpios! Que bonito será, então, o trigo, recolhido no “celeiro” de Deus, quando, finalmente, todo o joio tiver sido retirado do meio dele! Assim, naquele dia, “os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu pai”.

Que Deus nos abençoe!

***

Texto de autoria do pastor Hugo Alves Espínola adaptado por Paulo Cesar Amaral para o blog PC@maral.

O paraíso perdido - Série No Princípio [4]

2 comentários:

Então, a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, os vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal. (Gn 3:4-5)

Quando Deus terminou a criação, após seis dias de intenso trabalho, viu que tudo o que havia feito era muito bom (Gn 1:31). Ele e sua obra estavam em total harmonia. Sendo obra prima da criação, Adão e sua mulher viviam em um paraíso, um lugar de delícias, onde não havia morte, dor e nem tristeza. O mundo era maravilhoso! Hoje, porém, ao olharmos em nossa volta, logo notamos que tudo está diferente. O que aconteceu? É o que veremos nesta lição, que se baseia no terceiro capítulo de Gênesis. Nela, veremos como se deu a entrada do pecado no mundo, suas conseqüências e a esperança que temos em Cristo.

ANALISANDO O RELATO BÍBLICO

O ser humano foi criado livre e com todo o direito de fazer suas escolhas. Tanto isso é verdade que Deus disse: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás (Gn 2:16-17). O Senhor queria que Adão e Eva o amassem de forma livre e espontânea, não como robôs programados; por isso, lhes deu opções. O teste foi inevitável! Para entendermos isso melhor, vamos analisar quatro elementos do relato de Gênesis 3: a proposta, a escolha, o resultado e a esperança.

1. A PROPOSTA SEDUTORA DA SERPENTE:

A Bíblia começa informando que a serpente era o animal mais sagaz (hb. arum), isto é, sutil, astuto, esperto (Gn 3:1). O disfarce perfeito! Satanás usou exatamente este animal para tentar o ser humano. Em Ap 12:9, ele próprio é identificado como o grande dragão, a antiga serpente (...) o sedutor de todo o mundo. Ele, ainda hoje, com suas sutilezas e estratégias, tem levado muitos à derrota. O relato da primeira tentação tem muito a nos ensinar sobre seu método. Nos versos 1 a 5 de Gênesis 3 observe os passos dado pela serpente:
Mas a serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos que o SENHOR Deus tinha feito, disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? Respondeu-lhe a mulher: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais. Então, a serpente disse à mulher: É certo que não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal. Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu.
1.1 - A serpente, questiona a palavra de Deus:

A serpente faz uma pergunta maliciosa alterando o mandamento, com o propósito de lançar dúvida: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? (Gn 3:1). A resposta de Eva mostrou que ela estava seguindo o exemplo de Satanás e alterando a Palavra de Deus, compare: E o SENHOR Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás. (Gn 2:16-17) com: Respondeu-lhe a mulher: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais. (Gn 3:2-3). Repare que Eva subtraiu, da ordem divina, a palavra “livremente”, e acrescentou a expressão “nem tocareis nele”. Além de conversar com o tentador, o que já é muito perigoso, Eva parece gosta da conversa. A presa havia mordido a isca!

1.2 - A serpente, contradiz a palavra de Deus:

A serpente afirma: É certo que não morrereis (Gn 3:4).

1.3 - A serpente, manipula a palavra de Deus:

A serpente, então, lança sedução ao coração humano, ao dizer à mulher que, ao comerem do fruto proibido, seriam como Deus, conhecedores do bem e do mal (Gn 3:5). Esse foi o golpe final e fatal. Sua proposta instigava o ego e sugeria rebeldia. Perceba que a essência da rebelião de Lúcifer, no céu, foi a soberba de querer ser igual a Deus e de se tornar independente do Senhor (Is 14:12-14; Ez 28:15-17). Foi o que ele sempre tentou implantar no ser humano.

2. A ESCOLHA EQUIVOCADA DO HOMEM:

Só Deus é autossuficiente. Os demais seres dependem dele como criador e sustentador, inclusive o ser humano. Foi contra esse princípio que a serpente levaria Adão e Eva a se rebelarem. A provável indagação era
“por que deveriam permanecer naquela situação humilhante de dependência e subordinação? Por que não declaravam sua independência a se tornavam iguais a Deus? Eles não iriam morrer; ao contrário, se tornariam como Deus”.
Assim, eles duvidaram da bondade e da sinceridade de Deus e escolheram acreditar no tentador. O autor de Gênesis diz o seguinte: Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu, (Gn 3:6). Agora, compare esse versículo com: porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo, (I João 2:16), e observe que há três áreas em que a tentação atua: a concupiscência da carne (boa para se comer), a concupiscência dos olhos (agradável aos olhos) e a soberba da vida (desejável para dar entendimento). De fato, Eva foi induzida ao pecado; porém, Adão pecou conscientemente (I Tm 2:14). “Adão fez uma escolha, a escolha errada, e a humanidade tem sofrido desde então”.

3. O RESULTADO DESASTROSO DO PECADO:

O que aconteceu? Imediatamente, os olhos dos dois se abriram, e eles perceberam que estavam nus (Gn 3:7). O termo nus (hb. arumim) tem a mesma raiz da palavra arum (qualidade da serpente em Gn 3:1). Aprendemos com isso que a nudez deles era muito mais do que física: era, também, espiritual. Também aprendemos que, ao perceberem o erro absurdo que cometeram, sentiram vergonha de si mesmos, diante do outro e de Deus; perceberem que estavam, de certa forma, parecidos com a serpente; sentiram-se culpados, envergonhados e separados de Deus. Além disso, Deus puniu a serpente, a mulher e o homem pelo pecado (Gn 3:14-19). Warren Wiersbe, [WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico expositivo: AT. Santo André, SP: Geográfica, 2006, vol. 1.], comenta que o amor de Deus pelo pecador jamais elimina sua abominação santa pelo pecado, pois ele é amor (I Jo 4:8,16) e luz (I Jo 1:5). O Deus santo trata do pecado visando ao bem do pecador e à glória de seu nome. Por isso, Adão e Eva foram expulsos do paraíso e condenados à morte física e espiritual. Deixaram de ser livres e passaram a ser escravos do pecado; os seus descendentes já nasceram com a natureza decaída, em escravidão e morte (Rm 5:12, 3:23, 6:23).

4. A ESPERANÇA GRACIOSA DO SALVADOR:

O Senhor Deus, por causa de sua perfeita santidade, não aceita o pecado; porém, por causa do seu imenso amor, está disposto a perdoar o pecador (Jo 3:16; Rm 5:8). Por isso, em toda a narrativa da queda, vemos lampejos da graça divina. Uma evidência disso é Gn 3:15, em que Deus promete que, a partir da mulher, nasceria aquele que esmagaria a cabeça da serpente. Essa promessa é conhecida como proto-evangelho, ou “primeiro evangelho”. É a primeira vez que aparece, na Bíblia, a promessa do Salvador. Adão confiou nestas palavras e, provavelmente, por isso, chamou sua mulher de Eva, isto é, Vida (Gn 3:20), pois dela nasceria aquele que é a esperança de vida! No v.21, encontramos outro ato gracioso de Deus: fez roupas de pele e com elas vestiu Adão e a sua mulher. Sabemos que, para providenciar a pele, um animal teve de morrer. Esse ato já era prenúncio do que Cristo faria pelos pecadores, na Cruz. Jesus é a única esperança, o cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo (AP 13:8).

A seguir, vamos considerar três lições práticas que aprendemos com o capítulo 3 de Gênesis.

APLICANDO O CONHECIMENTO BÍBLICO

1. A história do paraíso perdido nos mostra a realidade da tentação.

Assim como o primeiro casal foi tentado pelo diabo no princípio, nenhum ser humano está livre da tentação. Portanto, não podemos ser ignorantes quanto às estratégias e os métodos do tentador. Ele sempre age em nossos pontos fracos, nos seduzindo ao pecado. Porém, a tentação acontece com a permissão de Deus e ele tem propósitos nisto: testar nossa lealdade e desenvolver nosso caráter. Mas é possível vencer as tentações! Deus nunca permite sermos tentados além de nossas forças (1Co 10:13), e nos dá meios suficientes para vencermos (Ef 6:10-18; II Co 10:4-5).

2. A história do paraíso perdido nos mostra a gravidade do pecado.

O relato da queda do homem é também um alerta sobre a gravidade do pecado. Note que o primeiro pecado não parecia muito sério; parecia coisa trivial; porém, os resultados foram catastróficos. O pecado é grave porque tem seu início na rebelião e na ingratidão; seu fim é sempre a morte, porque o salário do pecado é a morte (Rm 3:23). O tentador enfatiza o prazer momentâneo do pecado, enquanto mantém nossa mente afastada de suas consequências. Mas o pecado nunca é sem preço e seu custo é caro demais. Portanto, não se engane: não brinque com pecado! (Is 59:1-2; Jo 8:34; Tg 1:15).

3. A história do paraíso perdido nos mostra a carência de salvação.

Quando Adão e Eva pecaram, fizeram aventais de folhas de figueira para cobrir sua culpa e sua vergonha; porém, isso não foi suficiente! Ainda assim, se esconderam de Deus (Gn 3:7-8). Isso nos mostra a incapacidade dos recursos humanos em salvar a si mesmo. É por isso que carecemos de um salvador. Por ser a morte, o preço pelo pecado, então, o perdão por nossa culpa só é obtido através da morte de um inocente em sacrifício (Hb 9:22; Jo 1:29). Cristo morreu em nosso lugar; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados (Is 53:5). Que maravilhoso salvador!

CONCLUSÃO:

O ser humano foi criado para viver eternamente feliz; porém, no uso de seu livre arbítrio, escolheu rebelar-se contra o Criador, e, por isso, foi expulso do paraíso e condenado à morte, o que trouxe terríveis consequências a toda a raça humana. Esse relato não é um mito, como alguns supõem, tentando mascarar a realidade de que, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram (Rm 5:12). Essa verdade é fundamental para entendermos, de forma correta, o evangelho. Cristo é a nossa única esperança! Ele é o caminho de volta ao paraíso.

Que Deus nos abençoe!

VOLTAR


***

Fonte: Texto de autoria do DEC - Departamento de Educação Cristã - O nome dos autores destes artigos estão divulgados na introdução da série "No Princípio Criou deus os Céus e a Terra". Este estudo foi adaptado por Paulo Cesar Amaral para o blog PC@maral.