domingo, 31 de outubro de 2010

Jornais internacionais destacam a vitória de Dilma

Nenhum comentário:
As edições virtuais dos principais jornais do mundo destacam a vitória da petista Dilma Rousseff nas eleições pela Presidência. Com mais de 98% das urnas apuradas, a sucessora do presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve 55,91% dos votos, contra 44,09% do candidato José Serra (PSDB).


No alto de sua home page, o New York Times, tido como o mais prestigiado periódico do mundo, destaca logo no título: “Sucessora escolhida por líder brasileiro vence a Presidência”. No texto, assinado por jornalistas da agência de notícias Reuters, o jornal destaca que a “ex-líder de guerrilheira” venceu depois de prometer ser fiel aos projetos que “ergueram milhões da pobreza e fizeram do Brasil uma das economias mais quentes do mundo”.

A reportagem diz ainda que a vitória premia a particular trajetória da petista, que a “tirou da cadeia” nos anos 70 para ser “a primeira mulher a comandar a maior economia da América Latina”.


O periódico espanhol El País traz a conquista petista na manchete de seu site. Sob o título “Dilma, primeira mulher que alcança a Presidência”, o diário afirma que a candidata atingiu “mais de 11 milhões de votos sobre o opositor”.

O El País diz que a petista precisará montar um governo próprio, com uma forma própria. “É quase certo que, se ganhar, manterá por pelo menos um ano o atual ministro da Economia, Guido Mantega.”

A grande dúvida do mandato, segundo o jornal espanhol, será a relação de Dilma com os “barões do PT”. Na análise do periódico, tais personalidades podem querer “maior protagonismo”. Um desses políticos, no entanto, já teria afirmado que não planeja ter cargos no governo, citando o ex-ministro José Dirceu.

O jornal francês Le Monde, com menor destaque, também registra o resultado das eleições no Brasil. No texto publicado, o diário classifica Dilma como uma “herança política de Lula”, de quem teria assimilado toda a “popularidade recorde”, e uma sobrevivente após um câncer aos 62 anos.

O inglês The Guardian também registra que o país elegeu sua “primeira mulher presidente”, confirmando os resultados das pesquisas eleitorais. Em um texto publicado na capa de seu site, o diário chama a presidente eleita de “ex-rebelde Marxista”.

A reportagem sobre o pleito brasileiro também diz que os principais desafios na petista serão manter o valor da moeda brasileira, assim como melhorar a segurança pública, enfrentar o problema das drogas e investir em infraestrutura e educação, como forma de sustentar o crescimento da nação.

O jornal argentino Clarín.com, logo em sua primeira página, registra que a petista teve um "triunfo contundente"

No site da revista alemã Dear Spiegel, a chamada principal traz uma foto da presidente eleita e um texto registrando o histórico de sua campanha eleitoral

O inglês The Guardian também registra que o país elegeu sua "primeira mulher presidente", confirmando os resultados das pesquisas eleitorais. Em um texto publicado na capa de seu site, o diário chama a presidente eleita de "ex-rebelde Marxista"

***

Fonte: UOL

Lula critica "campanha do ódio" e peso da religião na campanha eleitoral

Um comentário:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva votou por volta das 9h30 neste domingo (31) em São Bernardo do Campo, tradicional reduto petista, acompanhado da primeira dama Marisa Letícia, do candidato derrotado ao governo de São Paulo Aloizio Mercadante(PT) e do senador Eduardo Suplicy.

Lula: Dilma precisa construir um governo com a cara dela

Depois de votar, Lula disse que o presidenciável José Serra (PSDB) sairá "menor dessa campanha". Em entrevista coletiva, ele ainda criticou o que classificou de “campanha do ódio” por parte da oposição e o peso da religião na campanha eleitoral.

“A gente tem que aproveitar a campanha para elevar o nível de consciência da população brasileira. Não para ficar acusando, criando uma consciência preconceituosa”, disse o presidente ao criticar o tom de "agressividade" usado pela oposição contra a candidata Dilma Rousseff (PT) e o preconceito pelo fato de ter uma candidata mulher.

“Temos um preconceito na política. Isso foi demonstrado agora. (...) Isso não muda com a lei, é um problema cultural”, completou Lula.

O presidente ainda comentou o tom agressivo da campanha, baseado em acusações. “É uma coisa delicada. A questão da disseminação do ódio e do preconceito. É uma coisa muito grave”.

Para Lula, os partidos devem se reunir após as eleições para repensar os fatos da corrida presidencial e o peso que a religião ganhou, especialmente no segundo turno em torno da discussão do aborto. “As igrejas vão ter que pensar o seu papel porque muita gente usou e abusou o direito de liberdade na campanha”, disse.

Lula ainda falou sobre as eleições em geral, e ao citar que o Congresso é “reflexo da sociedade”, se disse contrário à tentativa de impedir que o palhaço Tiririca assuma a cadeira de deputado federal. No dia 3 de outubro, o humorista foi o mais votado do Brasil para o cargo.

“Acho uma cretinice o que estão fazendo com o Tiririca”, disse. Para o presidente, impedir que Tiririca seja eleito é "desrespeitar um milhão de pessoas que votaram nele. Quem está pedindo para ele fazer prova [para mostrar que ele não analfabeto] é que tem que fazer”, finalizou.

***

Fonte: UOL

O Homem E A Forca

Nenhum comentário:
Conta uma antiga história que na Idade Média, um homem temente a Deus foi injustamente acusado de ter assassinado uma mulher. Na verdade, o autor do crime era pessoa influente do reino e, por isso, desde o primeiro momento se procurou um "bode expiatório" para acobertar o verdadeiro assassino. O homem acusado foi levado a julgamento. O resultado já era sabido por todos: a forca. Ele sabia que tudo iria ser feito para condená-lo e que teria poucas chances de sair vivo desta história. O juiz, que também estava combinado para levar o pobre homem a morte, simulou um julgamento justo, fazendo uma proposta ao acusado. Disse o juiz:

"Sou de uma profunda religiosidade e por isso vou deixar sua sorte nas mãos do Senhor: vou escrever num pedaço de papel a palavra INOCENTE e no outro pedaço a palavra CULPADO. Você irá sortear um dos papéis e aquele que sair, será o veredicto. O Senhor decidirá seu destino! - determinou o juiz."

Sem que o acusado percebesse, o juiz preparou os dois papéis, mas em ambos escreveu CULPADO, de maneira que, naquele instante, não existia nenhuma chance do acusado se livrar da forca. Não havia alternativas para o pobre homem. O juiz colocou os dois papéis em uma mesa e mandou o acusado escolher um. O homem parou por alguns instantes e orou, aproximou-se da mesa desconfiado porém confiante. Pegou um dos papéis e rapidamente colocou-o na boca e engoliu. Os presentes ao julgamento reagiram surpresos e indignados com a atitude do homem.

"Mas o que você fez? E agora? Como vamos saber qual será seu veredicto?"

"Não será difícil! - respondeu o homem. Basta olhar o outro pedaço de papel que sobrou e saberemos que acabei engolindo o contrário."

Imediatamente o homem foi libertado.

Por mais difícil que seja uma situação, não deixe de acreditar até o último momento. Saiba que para qualquer problema Deus terá sempre a solução (a melhor solução). A vitória virá sempre para aquele que Nele crer.

O Senhor é sempre fiel.

***

Autor Desconhecido

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

A Graça Que Espera

Um comentário:
Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. (Lucas 15:32)

O Senhor Jesus, nos dias de sua humanidade, ensinou-nos a olhar a vida e o Reino de Deus tão ricamente, usando figuras e personagens que até hoje nos emociona. Eis mais uma paráfrase:

Um homem tinha dois filhos e o mais jovem procurou o pai, e mesmo correndo risco de vida, disse-lhe: Não quero esperar que morra para receber a minha parte na herança, estou cansado deste lugar, sempre a mesma coisa, quero conhecer coisas novas, ser totalmente independente. Mesmo contrariado, o pai respeita o livre arbítrio e um dia vê seu filho ajuntar tudo e partir para o pretenso mundo novo. Longe de olhares conhecidos, com muito dinheiro começa a viver não a liberdade, mas a libertinagem. É o momento da ida.

Um dia a fortuna acaba e com ela os falsos amigos e prazeres vão embora. O filho agora encontra-se solitário, no meio de uma manada de porcos, sentindo inveja de suas refeições, sem lar e sem pão. No desprezo total, olha para dentro de si e no desejo de viver decide: voltarei, confessarei meus erros e recomeçarei como um empregado qualquer de meu pai, porque terei pão e amizade. Mesmo que não entre no quarto que foi meu, me alimente na mesa que um dia me pertenceu, mas ali, não me faltarão dignidade e respeito. É a voz da consciência e do arrependimento. No horizonte ao longe, uma silhueta, o pai que o aguardava diariamente o reconhece e quebrando todos as barreiras tradicionais, movido pelo amor e compaixão, corre-lhe ao encontro, salta-lhe ao pescoço e não permitindo nenhuma desconsideração paternal, beija-lhe a face. É o momento da volta.

Uma ordem foi dada, tragam logo a melhor roupa (é um príncipe e precisa ser protegido), um anel de pedras preciosas (merece uma nova chance e eu faço uma aliança), calçados para os pés (eu tenho filho e não escravo para andar descalço), mate o novilho (merece uma festa), toquem a música (é dia de alegria) porque este meu precioso filho estava totalmente perdido e eu o reencontrei, estava como morto e voltou à vida. É a consideração e a recompensa. (Lucas 15.11-23).

Independente da situação podemos afirmar: Deus nos ama e não quer que a nossa vida seja sem sabor, para isto, Ele aguarda somente um gesto nosso, um passo, e se isso for dado, correrá ao nosso encontro e nos dará o lugar que é nosso, pelo sangue de Jesus que foi derramado na cruz e desfrutaremos a vida aqui, com a perspectiva da festa eterna, a qual ocorrerá, na companhia dos anjos e dos salvos.

Na graça que espera.

Que Deus nos abençoe!

***

Fonte: Texto de autoria do Pastor Elias Alves Ferreira compartilhado no PC@maral

Minha Crença Sobre A Santificação

2 comentários:
Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo. (1 Pe 1:13-16)

Eu creio na santificação, conforme apresentada na Bíblia Sagrada. Entendo, fundamentados em Hebreus, que, sem ela, ninguém verá o Senhor (Hb 12:14). Acredito que a santificação é posicional e processual. Posicional porque é uma realidade, uma posição do crente em Jesus. Nós somos “santos”. Esta é a nossa posição. É assim que Deus nos vê. Por isso os autores do Novo testamento chamam os crentes em Jesus de “santos” (2 Co 1:1; Fp 1:1; Cl 1:1). O substantivo grego traduzido por “santo” é hagios, que significa literalmente, “separado da condição ou uso comum”.
Nós somos santos, não porque adquirimos uma posição elevada de espiritualidade, mas porque, ao recebermos Cristo como Senhor, fomos “separados” do nosso antigo modo de viver para um novo estilo de vida orientados por padrões estabelecidos por Deus. Tudo o que Cristo fez por nós, na cruz, nos garante essa posição. Por causa, única e exclusivamente, dele fomos santificados; à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso (1 Co 1:2). Ele é a nossa “santificação” Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção, (1 Co 1:30). Antes éramos profanos desesperançados; agora somos “santos”, cheios de perspectiva. É importante lembrar que a palavra “santo” sempre é usada no Novo testamento no plural, nunca no singular. Ninguém é chamado de “santo” individualmente. Este não é um título pessoal, mas um termo usado, algumas vezes, para descrever a posição do crente nascido de novo [WILKINSON, Bruce. Santidade Pessoal. São Paulo: Mundo Cristão 2001 pag.45].

Se você é nascido de novo, posicionalmente, você é santo, isto é, você foi separado. Antes de receber a Cristo, vivia de um jeito; depois desse dia tudo mudou. Fomos separados para viver de outra maneira. Neste sentido, afirmo, também, que a santificação é processual: A Bíblia diz: (...) desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor (Fp 2:12), Na regeneração, começa a nossa caminhada, mas ainda não estamos totalmente prontos; há um longo caminho a percorrer até que cheguemos à medida da estatura da plenitude de Cristo (Ef 4:13). Vista como um processo pode definir a santificação como a obra que o Espírito Santo desenvolve em nós, dia-a-dia, para nos afastar cada vez mais do pecado e nos tornar cada vez mais parecidos com Cristo em nosso viver diário.

Este conceito pode até parecer estar em conflito com o primeiro, mas não está. Eles são complementares. Apesar de sermos posicionalmente santos, não somos completamente santos; estamos em processo. Embora não sejamos mais escravos do pecado (Rm 6:18), ele insiste em permanecer em nós. Ao mesmo tempo em que o Novo Testamento chama os cristãos de santos (1Pe 2:9; 2 Pe 1:21; 3:2), exorta-os: Sede vós também santos (1 Pe 1:15). Uma coisa é ser chamado de “santo”, outra coisa é viver como “santo”. Este é o desafio apresentado pela palavra de Deus: (...) aperfeiçoando a santidade no temor de Deus (2 Co 7:1b – AS21). É triste quando os chamados santos vivem de forma indigna. Precisamos viver de acordo com nossa posição! O pecado não é mais senhor da nossa vida (Rm 6:14).

No processo de santificação, nossa base é a palavra de Deus e nosso alvo é Jesus; Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Todos, pois, que somos perfeitos, tenhamos este sentimento; e, se, porventura, pensais doutro modo, também isto Deus vos esclarecerá. Todavia, andemos de acordo com o que já alcançamos. (Fp 3:13-16). Vivenciamos o processo olhando para ele; Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. (Hb 12:1-2). Um dia seremos como ele é; Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. (1 Jo 3:2).

Atualmente, mesmo que não pequemos habitualmente; Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu. (1 Jo 3:6), ainda pecamos. Porém , temos o Espírito Santo que habita em nós (1 Co 3:16; 6:19). Ele é o agente da santificação pessoal, e nos ajuda a mantê-la diariamente (cf 2 Ts 2:13; Gl 5:16-18,22; Rm 8:14). Não estamos sozinhos neste processo! Até o dia da segunda vinda de Cristo, por ocasião da glorificação, quando estaremos para sempre livres da presença do pecado, o Senhor estará ao nosso lado, aperfeiçoando a boa obra que começou em nós um dia (Fp 1:6).

É lamentável observar pessoas que se dizem evangélicas não viverem o evangelho. Ao invés de praticarem as propostas das Escrituras, continuam a se ajustar aos desejos que tinham nos tempos passados. Eu creio e prego a necessidade imperiosa de uma vida de santificação: Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santificação (1 Ts 4:7). Santifiquemo-nos em tudo: intelecto, emoções, vontade, corpo e em toda a maneira de viver (1 Pe 1:15). Cresçamos em santidade, sem nunca nos gloriarmos em nossa santidade, mas na cruz de Cristo; sem nunca esquecermos que “o mais santo dos santos nunca é algo mais do que um pecador justificado e jamais se considera de qualquer outra forma” [PACKER, J. I. Na dinâmica do Espírito. São Paulo: Vida Nova, 2010 pag. 102].

E que Deus nos ajude sempre!


DEC - PC@maral

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Quem Disse que só o Homem é Radical?

3 comentários:
Sábado de manhã, uma voltinha de skate pelos arredores de Madrid, na Espanha, com as meninas do longboard Crew. Um agradecimento especial à equipe espanhola, Ana, Bea, Bego, Carla, Emma, Hanna, Jacky, María, Kati, Maitane, Maryele, Paula, Sofia e Valeria.

Longboard Girls Crew from Juan Rayos on Vimeo.


Longboard Girls Crew, como o próprio nome diz, é uma Crew [comunidade para as meninas que gostam de longboard em todo o Mundo], que promove a prática de Longboard entre meninas. O mais legal é que a Crew não se restringe apenas a Espanha, mas é voltada para meninas que praticam Longboard por todo o mundo.

Trilha:
Go Outside – Cults
The Late Great Cassiopia – Essex Green
Tremendous Dynamite – Eels

MUITO BOM O VIDEO. MUITO BOM O ESPORTE. SAUDADES DO MEU TEMPO DE SKATE QUANDO DESCIA AS LADEIRAS LÁ PERTO DE CASA EM JACAREPAGUÁ - PRAÇA SÊCA. MEUS JOELHOS E COTOVELOS TRAZEM MARCAS DESTE TEMPO.

Tendes Desviado do Caminho?

Nenhum comentário:
Mas vós vos tendes desviado do caminho e, por vossa instrução, tendes feito tropeçar a muitos; violastes a aliança de Levi, diz o Senhor dos exércitos. (Ml 2:8)

Pela Bíblia, aprendemos que, em todos os tempos e lugares, Deus sempre escolheu e capacitou para liderar seu povo pessoas que tivessem humildade para reconhecer seus próprios erros e depender dele exclusivamente, pessoas de responsabilidade e temor para agir em comprometimento com a sã doutrina, pessoas com fé e paciência para enxergar e esperar o tempo de Deus, pessoas cuja glória não estivesse em serem servidas, mas em servir, pessoas que se contentassem com o pouco, para não dar lugar à tentação da corrupção; pessoas que pregassem o que vivessem e vivessem o que pregassem, a fim de guiar os outros no caminho da verdade. É de homens e mulheres assim que a igreja de Deus necessita.

Visto que, vivemos em meio a uma profunda crise de integridade no que concerne a vida de muitos líderes religiosos. Os escândalos envolvendo a vida daqueles que deveriam dar exemplo à sociedade são cada vez mais frequentes, e têm provocado o afastamento de muitas pessoas dos caminhos do Senhor. Infelizmente, esta triste realidade não é de hoje. “Malaquias, profeta dos dias de Neemias, dirige sua mensagem de juízo a um povo atingido pela corrupção dos sacerdotes, por práticas ímpias e pelo falso senso de segurança em sua privilegiada relação com Deus” [WILKINSON, B. &; BOA, K. Descobrindo a Bíblia. São Paulo: Candeia, 2000 pag.320]. Por causa disso, Deus os alertou:

1. Tendes desviado do caminho: Desvio, afastamento, deserção e rebelião têm o mesmo sentido e aplicam-se perfeitamente ao contexto. O sacerdócio era uma vocação santa, que envolvia pureza, responsabilidade, bom testemunho, zelo e amor. Os olhos da nação estavam dia e noite sobre os “pormenores” da vida dos sacerdotes; afinal de contas, eles representavam o povo diante de Deus. Eles eram de fundamental importância para a sociedade: Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca devem os homens procurar a instrução, porque ele é mensageiro do SENHOR dos Exércitos (Ml 2:7). Porém, havia algo de errado acontecendo: ... vós vos tendes desviado do caminho (2:8). Todo sacerdote tinha absoluto conhecimento de como deveria proceder em seu ministério, contudo, o declínio de tão nobre vocação era evidente. “Os sacerdotes haviam perdido todo e qualquer respeito pelo nome de Deus, e em sua avidez só ofereciam sobre o altar animais doentes e defeituosos” [WILKINSON, B. &; BOA, K. Descobrindo a Bíblia. São Paulo: Candeia, 2000 pag. 323]. Estes haviam esquecido de que com Deus não se brinca! Haviam trocado a honestidade pela injustiça, a vida pela morte, a luz pelas trevas. Os líderes do povo de Deus não mais se contentavam em seguir os caminhos do Senhor com fidelidade. O deus deste século lhes cegou o entendimento (II Co 4:4). Agora, nada mais eram do que meros cegos guiando a outros para o precipício.

2. Tendes feito tropeçar a muitos: O desvio dos sacerdotes da lei de Deus culminou no desvio do povo. “Já era terrível os sacerdotes estarem transgredindo a lei, mas, além disso, estavam levando outros a tropeçar (Ml 2:8)” [WIERSBE, W. W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Santo André: Geográfica, 2006, Vol. 4 pag. 593]. À semelhança do que muito acontece em nossos dias, o veneno mortífero da mentira destilava dos lábios de quem deveria pronunciar a palavra de Deus, que é a fonte ilimitada da verdade. Observe a repreensão de Deus: ... por vossa instrução, tendes feito tropeçar a muitos (2:8). A situação era muito grave. Não se deve, em hipótese alguma, fazer uma só pessoa tropeçar e se afastar de Deus, porque, ao culpado, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e se submergisse na profundeza do mar (Mt 18:6). Querendo ou não, todo líder influencia de forma positiva ou negativa seus liderados. Cristo deixou isso muito evidente ao afirmar: Porque eu vos dei exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também (Jo 13:15). Seguindo o mesmo raciocínio, Paulo escreveu a Timóteo: Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza (I Tm 4:12). Precisa-se de exemplos, aliás, de bons exemplos! Bons exemplos os pastores devem ser; os professores da Escola Bíblica devem ser; os líderes das crianças, da mocidade, das senhoras e dos senhores devem ser; bom exemplo é o que cada cristão, líder ou não, deve ser. Sejamos bons exemplos!

3. Violastes a aliança de Levi: Os levitas, em seus vários ramos, receberam a incumbência de zelar, exclusivamente, pelas coisas concernentes ao sacerdócio. É nisso que consiste a aliança proferida em Malaquias 2:5: Minha aliança com ele foi de vida e paz. Somente os descendentes de Arão (um ramo dos levitas) podiam ser sacerdotes (Lv 1:5). Os outros ramos serviam como assistentes, realizando tarefas servis, sujas e difíceis (Nm 18:2-4) [CHAMPLIN, R. N. O Antigo Testamento interpretado: versículo por versículo. São Paulo: Candeia, 2000, Vol 5. pag. 3708]. Portanto, como sacerdotes ou como auxiliares, os levitas tinham de zelar, fielmente, pelo pacto que haviam feito com Deus. Nas “cláusulas” do pacto, havia deveres, tais como: obediência, temor e zelo. Seguir esses princípios significava vida e paz por parte de Deus (Ml 2:5; Nm 25:12-13). Entretanto, a aliança de Levi foi violada, diz o Senhor dos exércitos (Ml 2:8). O verbo “violar” significa corromper moralmente (Gn 6:12), destruir (Ml 3:11) [BALDWIN, J. G. Ageu, Zacarias e Malaquias: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1982 pag. 198]. Os sacerdotes haviam se corrompido e tornado em pedaços a aliança de Levi. “A casta sacerdotal foi criada para servir ao povo, em questões espirituais, não para servir a si mesma, aumentando riquezas e praticando prazeres proibidos. Os sacerdotes ‘profanaram’ o culto e a eles mesmos, violando a legislação mosaica pela qual deveriam ter dirigido sua vida” [CHAMPLIN, R. N. O Antigo Testamento interpretado: versículo por versículo. São Paulo: Candeia, 2000, Vol 5. pag. 3708]. Eles escolheram o caminho mais curto; porém, o mais perigoso para se promoverem. Muitos imaginam que praticando o pecado às escondidas, não serão punidos; afinal de contas, ninguém saberá. Mas Deus tudo vê. Ninguém pode enganá-lo! Deus os punirá.

4. Eu vos fiz desprezíveis: De tudo o que vimos, até aqui, podemos entender que tais sacerdotes já não mais estavam no nível de representar o Deus Santo, pois suas mentes eram más, seus pés caminhavam tortuosamente, suas mãos eram manchadas de propinas e seus lábios, contaminados com falsidade. Eles “acrescentaram a perversão do seu ofício como juízes do povo, aceitando subornos, pisando os pobres e fracos, favorecendo os ricos e poderosos, dando e aceitando julgamentos falsos nas cortes, apoiando a causa dos injustos, ignorando as causas justas, aprovando os maldosos e perseguindo os justos” [CHAMPLIN, R. N. O Antigo Testamento interpretado: versículo por versículo. São Paulo: Candeia, 2000, Vol 5. pag. 3708]. Por isso e muito mais, Deus não somente os desprezou como também os fez desprezíveis (Ml 2:9). A classe sacerdotal ficou desacreditada perante a sociedade. As pessoas passaram a entender que os sacerdotes não mais eram dignos de confiança. Seus nomes estavam “sujos na praça”. Deus nunca vai dar honra a quem o desonra; nunca beneficiará o injusto e nem promoverá a quem passa por cima de suas ordens; não elogiará os repreensíveis. Infelizmente, “estamos vivendo uma crise moral na liderança evangélica brasileira: pastores caindo em adultério, pastores abandonando a sã doutrina, escândalos de toda sorte irrompendo dentro das igrejas” [LOPES, H. D. Malaquias: a igreja no tribunal de Deus. São Paulo: Hagnos, 2006 pag. 56]. Há muitos pastores e líderes sérios e zelosos na obra de Deus que merecem crédito. A estes, Deus não despreza, mas honra, por meio de um ministério frutífero. Na vida cristã, há uma palavra que merece destaque: cuidado. Todos, independentemente de sermos líderes ou liderados, de sermos pastores ou ovelhas, devemos nos acautelar para não nos desviarmos do caminho. Tomemos o devido cuidado para não sermos o principal motivo do afastamento das pessoas; para não descumprirmos o compromisso que fizemos com o nosso Deus, a fim de que tenhamos vida e paz; para não nos tornarmos desprezíveis a Deus e à sociedade. A vida dos sacerdotes da geração de Malaquias reflete muito bem a vida de muitas pessoas da nossa geração. Mas ainda dá para mudar! Ainda é possível o arrependimento!

PRATICANDO A PALAVRA DE DEUS

Ensinemos corretamente a palavra do Senhor - Os sacerdotes, sem sombra de dúvida, eram exímios conhecedores da palavra do Senhor; porém, não a ensinavam corretamente. Eles a usavam não para levar as pessoas ao arrependimento, mas, sim, para se beneficiar. Eles deturpavam o ensino e ludibriavam o povo. Não incorramos no mesmo erro! Ensinemos a palavra do Senhor corretamente e sem segundas intenções! Ensinar a palavra de Deus com motivações erradas constitui-se um terrível pecado. Se quisermos ver Deus agir nas pessoas, é necessário que lhes ensinemos a verdade do evangelho.

Sejamos comprometidos com a palavra do Senhor - Os sacerdotes contemporâneos a Malaquias foram responsáveis pelo afastamento de muita gente dos retos caminhos de Deus. Eles tinham conhecimento da Palavra e tinham livre acesso a ela, mas faltava-lhes comprometimento com a mesma. Para eles, importava mais ter dinheiro (propina) no bolso do que bom nome na praça. É preciso que haja cristãos comprometidos com a palavra de Deus e com o Deus da palavra; cristãos que não aceitem nenhum tipo de propina para mudar os rumos da pregação; cristãos que, antes de obedecer a homens, obedeçam a Deus. Quem são esses cristãos? Somos nós! Sejamos comprometidos!

Sejamos irrepreensíveis na palavra do Senhor(...) sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza (I Tm 4:12). Esse é o conselho de um pastor para uma ovelha e de uma ovelha para um pastor, de um pai (na fé) para um filho, de um amigo para o outro, de irmão para irmão. Paulo estava alertando a seu nobre companheiro, Timóteo, a não cair na “mesmice” e a não ficar preso às cadeias da “teoria”. Ser cristão autêntico não é apenas portar uma Bíblia nas mãos e ir à igreja, mas é deixar-se levar por ela! É ser um modelo de vida que agrade a Deus. O que as pessoas têm imaginado ao olharem para você? O seu nome está limpo na praça? Você ainda está vivendo da teoria ou praticando o cristianismo autêntico? Fuja do caminho do desvio. Seja irrepreensível na palavra. Pense nisso.

CONCLUSÃO

É possível que, você tenha se lembrado de alguma(s) pessoa(s) ou imaginado a si mesmo em algum período da sua vida. Há muitos beirando o abismo do desvio. Há muitas pessoas desiludidas por causa dos falsos cristãos, os quais são “péssimos exemplos” nesta geração. Infelizmente, o “vírus” do descrédito está adoecendo a muitos. Porém, há uma cura! Há um “antídoto” contra a falta de princípio e de valores morais: Jesus Cristo! Pela sua Palavra é possível haver firmeza espiritual nas pessoas; é possível haver líderes preocupados em temer a Deus; é possível haver uma igreja santa, servindo ao Deus santo.

Que Deus nos ajude e nos abençoe!


LEIA + SOBRE O LIVRO DE MALAQUIAS AQUI

***

DEC - PC@maral

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Milagre em Palermo na Itália! Milagre!

Nenhum comentário:
No Estádio Renzo Barbera, em Palermo o impossível acontece entre os espectadores da partida de futebol.

Levantar-se de uma cadeira de rodas já está virando milagre comum. Acontece até em partidas de futebol na Itália. Valdemiro que se cuide e mude seu repertório urgentemente!



DEPOIS FALAM MAL DE BRASILEIROS... QUE SÃO 171...

***

O Ensino da Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus, a Espada do Espírito!

Um comentário:
Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; (Efésios 6:17)

Os sacerdotes devem ensinar a verdade a meu respeito, e todos devem pedir conselho a eles para saber o que é direito, pois os sacerdotes são os mensageiros do Senhor Todo Poderoso. (Ml 2:7 - NTLH)

A palavra ensino é derivada do hebraico towrah, ou Torah, Torá, תּוֹרָה que significa lei, orientação, instrução. Em Malaquias 2:7, ensino refere-se a um conjunto de orientações ou instruções dadas por Deus aos sacerdotes. O sacerdócio não é um trabalho, mas um chamado divino. Hoje, essa função importantíssima é exercida pelos pastores. O pastor cristão, para realizar essa tarefa santa com fidelidade, precisa ter uma experiência real de salvação pela fé em Cristo, um chamado ministerial real de Cristo, um amor genuíno e um conhecimento profundo da palavra de Cristo. A verdadeira instrução sai da boca do sacerdote fiel a Deus. A Bíblia revela que Esdras “ensinou fielmente a lei de Moisés durante a Festa dos Tabernáculos no outono, de acordo com as determinações deuteronômicas (Dt 31.9-11; Ed 8.1) [HARRIS, R. L. (org.) Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998 pag. 661]. Como Esdras, há muitos exemplos na Bíblia. Todavia, nem sempre é assim. Houve muitos sacerdotes infiéis a Deus, que ensinaram mentiras por dinheiro, conforme declara Miquéias: Os seus cabeças dão a sentença por suborno, os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro (3:11). Para combater esse abominável pecado, Malaquias 2:7 nos oferece as seguintes instruções:

1. Os sacerdotes devem ensinar a verdade: O sacerdote tem o dever de ensinar a palavra de Deus ao povo adequadamente. Malaquias denunciou o relaxo dos sacerdotes de seu tempo, que estavam ensinando perversidade, que profanavam a lei do Senhor em palavras e atos, e assim, roubavam do povo a esperança em Deus. “Eram anjos (mensageiros) de Deus e de Sua luz, mas tornaram-se agentes da escuridão” [CHAMPLIN, R. N. O Antigo Testamento interpretado: versículo por versículo. São Paulo: Candeia, 2000, Vol 5 pag. 3708]. Tais sacerdotes perverteram “o conhecimento da lei, transformando o positivo em negativo, e o negativo em positivo. Cf. Lev. 10.10,11; Deu.24.8; Jer.18.18” [CHAMPLIN, R. N. O Antigo Testamento interpretado: versículo por versículo. São Paulo: Candeia, 2000, Vol 5 pag. 3708]. Perderam o temor e a reverência a Deus (cf. Ml 1:10-16). A Bíblia declara que todos os salvos são sacerdotes (Ap 1:6, 5:10), todavia, o pastor é o sacerdote maior. É por ele que o povo conhece os ensinos divinos. Para tanto, além de orar e jejuar, o pastor precisa estudar e examinar acuradamente a palavra de Deus, pois não pode dizer qualquer coisa “em nome do Senhor”. Ele tem que conhecer bem a verdade para poder ensiná-la ao povo. E mais: antes de ensinar a verdade de Deus, ele tem que internalizá-la, ter experiência com ela, caso contrário, o povo perceberá que tal ensino lhe é estranho, desconhecido, e, portanto, sua instrução é incoerente e ineficaz. Há de ser diferente! De seus lábios deve fluir a verdade divina (cf. Dt 17:9-11).

2. Todos devem pedir conselhos a eles: Para ensinar em Israel, o sacerdote tinha que conhecer a lei (Dt 33:8-10). Se o sacerdote não sabe a Palavra, o povo se perde (Os 4:6). Mas, se ele conhece a lei do Senhor e a explica com clareza, o povo aprende a obedecer a Deus (cf. II Cr 17:7-10; Ne 8:7-11). “Malaquias concede ao sacerdote o papel de conselheiro, procurado por pessoas que precisam de orientação em situações especiais, e para isso era essencial ter uma experiência pessoal com Deus e conhecimento da sua lei.” [BALDWIN, J. G. Ageu, Zacarias e Malaquias: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1982 pag.197]. O sacerdote é procurado porque é um mensageiro de Deus, e como tal, tem sempre uma orientação divina a dar. Ao ser procurado, o pastor não pode negligenciar a palavra de Deus e a verdade de Deus. Deve estar com ela na “ponta da língua”. Não deve ter medo de se “queimar”, de se “desgastar”. Há de proferi-la com educação, com sabedoria, com respeito, mas, sobretudo, com firmeza e convicção. A Palavra é a única chance de cura da ovelha. E o pastor a tem dentro de si, pois vive na presença de Deus. É seu dever ensinar! De seus lábios, em vez de iniqüidade, sai à palavra de Deus. A ovelha ouve, se edifica e se alegra. Assim fizeram Judas e Silas, que eram também profetas, consolaram os irmãos com muitos conselhos e os fortaleceram. (At 15:32)

3. Para saber o que é direito: Toda a pregação de Malaquias pode ser considerada como uma mensagem forte, grave e contundente. Ocorre que o profeta sabe que o povo perdeu a noção do que é certo e reto, a nação israelita está em franca desobediência e ainda pergunta a Deus em que o desobedece, o aborrece, o rouba. Um cinismo tomou conta do povo eleito. Como isso pôde acontecer? Os sacerdotes se tornaram desonestos no ensino e na prática da lei de Moisés, destruíram “a aliança divina com Levi” e por isso, “o povo transgredia mais generalizadamente através do casamento com pagãos, abandonando suas esposas para poderem se casar novamente” [PFEIFFER, F. C. & HARRISON F. E. Comentário Bíblico Moody: Isaías a Malaquias. São Paulo: IBR, 2001, Vol. 3, pag.380]. Malaquias afirma que o povo de Deus só sabe o que é certo quando os sacerdotes são fiéis. Estes foram designados para apresentar o conhecimento e a vontade de Deus. Que honra! É por isso que o profeta declara: da sua boca devem os homens procurar a instrução. Apesar do fracasso da maioria dos docentes (professores), o povo não deveria deixar de buscar o conhecimento divino, pois sempre há verdadeiros e fiéis sacerdotes no meio dos falsos. Haverá sempre aqueles que andam com Deus (Gn 5:22,24; 6:9). E quando o povo encontra um fiel pastor, até mesmo os murmuradores hão de aceitar [a] instrução. (Is 29:24)

4. Pois os sacerdotes são mensageiros do Senhor: Quando a desobediência e o mau exemplo vêm de cima, isto é, da liderança, o povo perde a referência espiritual e se perde. Com o tempo, aqueles que foram separados para ensinar a sabedoria e a vontade de Deus, deixam de ser vistos como homens de Deus e passam a ser percebidos como pessoas comuns. Em alguns casos, até inferiores a líderes seculares. Ao ver esse declínio do sacerdócio em Israel, Malaquias profetizou afirmativamente:
“[O sacerdote] é mensageiro do Senhor dos Exércitos. E todos deveriam saber isto: a função principal do sacerdote é instruir conforme a lei moral que é fundamentada na verdade de Deus. O povo, porém, reconhece o sacerdote como legítimo mensageiro de Deus, muito mais pelo viver dele de acordo com a lei que ensina e por sua real comunhão com Deus. Isto quer dizer que o pastor de hoje deve viver a palavra e ter o Senhor Jesus Cristo como modelo de fé e conduta cristã. Jamais o povo deve confundir o pastor com um empresário, um profissional liberal, um funcionário público. Não! O pastor fiel é mensageiro divino, é transmissor do pacto eterno, e como Malaquias, é capaz de esquadrinhar “profundamente os problemas de hipocrisia, infidelidade, casamentos mistos, divórcio, falso culto e arrogância.” [WILKINSON, B. &; BOA, K. Descobrindo a Bíblia. São Paulo: Candeia, 2000 pag.320].
Pelo exposto acima, se vê que o quanto é importante o ensino verdadeiro das Escrituras Sagradas para o povo de Deus, o quanto é fundamental que aqueles que ensinam sejam fiéis a aliança feita por Deus com seu povo. Se o sacerdote for infiel, o povo o será. “Tal sacerdote, tal povo!” (cf. Os 4:4 e 9). Por tudo isso, a função sacerdotal ou pastoral é incrivelmente influente, seja para o bem, seja para o mal. Se o sacerdote for infiel no ensino da palavra, o povo se perderá; se for fiel, o povo se achará e será salvo, pois o próprio Deus é quem falará e se revelará por intermédio do ministro.

PRATICANDO A PALAVRA DE DEUS

O conhecimento bíblico precisa ser guardado - Malaquias profetizou: Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento. Quantos sermões bíblicos você já ouviu? Quantas Lições Bíblicas já estudou? Quantas palestras bíblicas já escutou? Quantas vezes você já leu a Bíblia? Seguramente, o Espírito Santo tem ensinado a você os caminhos de Cristo. Você é um sacerdote (Ap. 1:6; 5:10). Quanto ensinamento já recebeu não é verdade? Nessa condição, é seu dever guardar esse conhecimento, ou seja, você deve praticá-lo, vivenciá-lo, aplicá-lo em sua vida diária. É pecado conhecer e não praticar (cf. Tg 1:22-25). Guarde o ensino e seja um crente maduro, em nome de Jesus (Ef 4:11-14).

A orientação correta precisa ser oferecida - Malaquias profetizou: ... da sua boca devem os homens procurar a instrução. De fato, na boca do pastor fiel os salvos acham direção, caminho seguro. Depois de ter pregado muitos sermões bíblicos, depois de já ter ministrado muitas Lições Bíblicas, depois de já ter ensinado muitos temas espirituais, que balanço você faz? De sua boca, saiu mais ensino que conduzirá os fiéis à vida ou à morte? Lembre-se: é da língua dos mestres que saem os ensinos certos que levarão à obediência e às bênçãos ou os ensinos errados que conduzirão à desobediência e às maldições divinas (cf. Tg 3:1-12; Dt 28). Portanto, se você prega, ensina ou ministra a palavra, faça-o com fidelidade e verdade (cf. II Tm 2:5; Tt 1:1).

A mensagem divina precisa ser anunciada - Malaquias profetizou: ... porque ele é mensageiro do Senhor dos Exércitos. Paulo costumava repetir: “Estou certo!” Ele tinha segurança no que cria e ensinava. Sabia de quem o tinha recebido. Era um mensageiro do Senhor! Como sofreu! Mas se dispôs. Atenção: a verdade de Cristo precisa ser anunciada. Mas como ouvirão, se não há quem pregue? (Rm 10:14). Você, que há muito tempo conhece a aliança eterna, por que se calou? Cansou de ensinar? Levante-se, em nome de Jesus! Disponha-se outra vez. Volte à docência. Você é um mensageiro do Senhor! Coloque a mensagem de novo em ação, ao alcance dos crentes, ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado (Mt 28:20).

CONCLUSÃO

Está na hora de os verdadeiros sacerdotes, os verdadeiros pastores, os verdadeiros mestres, os verdadeiros professores do evangelho de Cristo entrarem em ação, tendo como arma a espada do Espírito, que é a palavra de Deus (Ef 6:17). A hora é agora! Os ouvintes estão sedentos e precisam receber a verdadeira instrução, os verdadeiros conselhos divinos, para que, finalmente, saibam viver de forma que agrade a Deus. A verdadeira guerra espiritual é esta: a luta da verdade contra a mentira. Cujo alicerce da verdade encontra-se numa das promessas mais robusta de Jesus: ... e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (Jo 8:32).

Ensinar a verdade: é a missão de sua vida, irmão. Amém!

Que Deus nos abençoe!

LEIA + SOBRE O LIVRO DE MALAQUIAS AQUI

***

DEC - PC@maral

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Assim Caminha a Humanidade [34]

Nenhum comentário:
Ana Paula Padrão pagando mais um mico no Jornal da Record

Detonando Celso Freitas em rede nacional - Celso Freitas, hoje tem, 57 anos. Ana Paula tentou consertar mas já era.... só não deu para ver a cara vermelha de vergonha por conta da maquiagem!

Tome Uma Atitude Diante de Deus

Um comentário:
A verdadeira instrução esteve na sua boca, e a injustiça não se achou nos seus lábios; andou comigo em paz e em retidão e da iniqüidade apartou a muitos. (Ml 2:6)

Malaquias condenou a quebra da aliança feita por Deus com os levitas, e, por conseqüência, todo o povo estava enfrentando uma das mais graves crises de sua história religiosa. Crise moral, espiritual e de relacionamento. O livro de Malaquias está densamente recheado de advertências, exortações e repreensões do começo o fim. Ao contrário disso, porém, o texto que encabeça este estudo, como uma rara exceção, trata de coisas boas, de exemplos que podem e devem ser imitados. Ele mostra o padrão de sacerdócio ideal, tão negligenciado na época de Malaquias.

O artigo anterior sobre Malaquias, publicado dia dezoito de outubro com titulo “O Temor do Senhor é o Principio da Sabedoria”, tratou da aliança feita por Deus com os levitas, tendo enfatizado a necessidade de temor por parte daquele povo, como prova do seu interesse pela manutenção da referida aliança. O de hoje destaca a atitude daqueles que foram fiéis a Deus, no seu modo de agir. A igreja da atualidade precisa urgentemente de líderes assim! Estamos vivendo uma crise moral e espiritual no meio evangélico: líderes perdidos emocionalmente e confusos doutrinariamente. “Há uma nuvem imensa de pastores e líderes que têm deitado no colo das Dalilas e acordado tarde demais, sem visão, sem força e sem ministério” [LOPES, H. D. Malaquias: a igreja no tribunal de Deus. São Paulo: Hagnos, 2006, pag. 52]. Malaquias 2:6, descreve algumas atitudes do ministro ideal. Analisemos este texto.

1. A verdadeira instrução esteve na sua boca: Ao dizer isto, o Senhor está se referindo àqueles sacerdotes que assumiram com responsabilidade o papel que lhes foi atribuído, como líderes espirituais do povo. Por intermédio deles, o povo foi instruído a temer e respeitar a Deus. Vejamos como exemplo o testemunho que Deus dá a respeito de Fineias: Finéias, filho de Eliazar, o filho de Arão sacerdote, desviou a minha ira de sobre os filhos de Israel, pois zelou o meu zelo no meio deles; de modo que no meu zelo não consumi os filhos de Israel. Portanto dize: Eis que lhe dou o meu concerto de paz (Nm 25:11-12). Com base nesse exemplo, a lição que fica é a seguinte: A igreja e seus ministros têm como dever instruir as pessoas (Mt 28:19-20): A quem anunciamos, admoestando a todo o homem, e ensinando a todo o homem em toda a sabedoria; para que apresentemos todo o homem perfeito em Jesus Cristo (Cl 1:28). O verdadeiro ministro “está mais interessado em ser fiel do que em ser bem-sucedido. A verdade é mais importante do que o sucesso. Fidelidade é mais importante que popularidade. Importa mais agradar a Deus do que ser louvado pelos homens. A glória de Deus é melhor do que os aplausos humanos” [LOPES, H. D. Malaquias: a igreja no tribunal de Deus. São Paulo: Hagnos, 2006, pag. 54].

2. E a injustiça não se achou em seus lábios: Deus tem grande prazer em ver seus servos amando, vivendo e ensinando a justiça. Ele é exemplo disso: justo e reto ele é (Dt 32:4; cf. Sl 11:7). E há até mesmo uma importante promessa da parte dele, para aqueles que usam seus lábios para ensinar: Os entendidos, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas sempre e eternamente (Dn 12:3). Neste sentido, Jó nos deixou um importante exemplo: As minhas razões sairão da sinceridade do meu coração, e a pura ciência dos meus lábios (Jó 33:3). No texto em análise, o Deus de Israel se revela sensível bastante para reconhecer e aprovar as atitudes daqueles que lhe são fiéis, pois dá testemunho daqueles sacerdotes que guardaram a aliança com ele. Como é maravilhoso ver o próprio Deus elogiando-os seus servos! Isto ele já o tinha feito no tocante a Jó, quando disse a seu respeito: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero e reto, temente a Deus, e desviando-se do mal (Jó 1:8). A esta altura, pergunto: Que temos feito para merecermos de Deus as mesmas referências dadas por ele a respeito daqueles sacerdotes?

3. Andou comigo em paz e em retidão: O significado da expressão “andar com Deus”, neste caso, é: “fazer o que é reto aos olhos de Deus”. Quando lemos que Enoque “andou” com Deus (Gn 5:24), é este o significado, ou seja, Enoque fez o que era reto aos olhos de Deus. A mesma coisa é dita sobre Noé: Noé era varão justo e reto em suas gerações; Noé andava com Deus (Gn 6:9). Foi ainda com este significado que Deus a usou quando falou com Abraão: Eu sou o Deus Todo poderoso; anda em minha presença e sê perfeito (Gn 17:1). Na oração de Ezequias o verbo “andar” não foge a este significado (cf. Is 38:3). Andar com Deus é mais importante do que trabalhar para Deus. O Senhor da obra é mais importante do que a obra do Senhor. Jesus chamou os doze apóstolos para estar com ele. Só então os enviou a pregar (Mc 3:14). Deus está mais interessado em quem nós somos do que em que nós fazemos. Ele não quer ativismo vazio, quer vida no altar [LOPES, H. D. Malaquias: a igreja no tribunal de Deus. São Paulo: Hagnos, 2006, pag. 53]. Conscientes disto, que atitudes temos adotado para merecermos a aprovação de Deus? Talvez precisemos orar como Davi: Ensina-me, Senhor, o teu caminho e andarei na tua verdade; une o meu coração ao temor do teu nome (Sl 86:11).

4. E da iniquidade apartou a muitos: De duas maneiras pode o ministro de Deus afastar as pessoas da iniquidade: com palavras e com exemplo. Com palavras: Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, e tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos (II Tm 2:25-26); com exemplo: Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade (Tt 2:7). Torna-te padrão dos fiéis na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza (I Tm 4:12). Da mesma maneira que o ministro do Senhor afasta as pessoas da iniquidade, quando ama e pratica a justiça, pode induzi-las ao erro, quando lhes dá mau exemplo. Por isso, a Escritura recomenda: Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho (I Pe 5:2-3). É isso que ele espera de cada um, mas, principalmente, dos seus ministros: “... responsabilidade de levar outros ao Senhor e paixão por falar da palavra de Deus a outros que precisam ouvi-la.” [WIERSBE, W. W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Santo André: Geográfica, 2006, Vol. 4. pag. 595].

Um dos papéis mais importantes da igreja e dos seus ministros consiste em instruir as pessoas no conhecimento da palavra de Deus, para que sejam edificadas espiritualmente. Deus tem grande prazer em ver seus servos vivendo e ensinando a justiça, tendo preparado para aqueles que assim fizerem uma recompensa especial (Dn 12:3). “Andar” com Deus significa “fazer o que é reto”; e que, o nosso bom exemplo, pode influenciar positivamente as pessoas para o bem.

PRATICANDO A PALAVRA DE DEUS

Preservando a justiça no falar - Um dos temas bastante destacados nas Escrituras é o que diz respeito ao falar do crente em Jesus. “As palavras são uma amostra do caráter” [BALDWIN, J. G. Ageu, Zacarias e Malaquias: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1982 pag. 197]. Aquele que é integro em sua conduta e pratica o que é justo, que de coração fala a verdade e não usa a língua para difamar (...) Quem assim procede nunca será abalado! (Sl 15:2-3, 5b; cf. Pv 12:17, 18:4). A justiça no falar é uma das marcas dos ministros que agradam o Senhor. Deles o Senhor dá testemunho, dizendo: A verdadeira instrução esteve na sua boca, e a injustiça não se achou nos seus lábios (Ml 2:6). Assim quer o Senhor que andemos na sua presença.

Cultivando a retidão no andar - Um dos significados da expressão “andar com Deus” é: “viver em retidão” ou “fazer o que é reto diante de Deus”. Enoque, Noé e Abraão são algumas das pessoas que andaram com Deus. Como continuadores da obra que estes homens realizaram, temos o dever de imitá-los. Portanto, em nossas relações com Deus e com os homens, na família, na escola, no trabalho, na igreja, no transporte, aonde quer que estivermos, devemos cultivar a retidão. Essa virtude precisa estar sempre presente em nosso viver, porque muitas pessoas se espelham em nós.

Mostrando compaixão no viver - É grande o número daqueles que, consciente ou inconscientemente, estão no caminho largo, que leva à morte eterna. Por isso, são dignos de compaixão. Se ninguém os afastar desse mau caminho, o seu desfecho será infeliz. Portanto, temos o dever de contribuir, de alguma forma, para a salvação deles. Judas recomenda: Salvai alguns arrebatando-os do fogo; tende deles misericórdia (Jd 23). Tiago também afirma: Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados (Tg 5:20). Como poderemos fazer isso? Paulo responde: Atente bem para sua própria vida e para a doutrina, perseverando nestes deveres, pois, agindo assim, você salvará tanto a si mesmo quanto aos que o ouvem (I Tm 4:16)

CONCLUSÃO

A importância do falar, do andar e do viver do crente. Dignos de menção são aqueles líderes religiosos que usam os seus lábios para instruírem os que sabem menos; que andam no caminho da justiça, fazendo o que é reto diante de Deus, e vivem aquilo que ensinam. Sobre isso, a palavra de Deus diz: Assim falai, e assim procedei (Tg 2:12); aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou (I Jo 2:6); e mais: vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo (Fp 1:27).

Contra essas coisas, não há lei.

Que Deus nos ajude e abençoe!

LEIA + SOBRE O LIVRO DE MALAQUIAS AQUI

***

DEC - PC@maral

domingo, 24 de outubro de 2010

Agnus Dei - Cordeiro de Deus

4 comentários:
Só para quem não se cansa de Louvar ao Senhor!

Michael W. Smith - Agnus Dei



DOXOLOGIA

Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados. Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus. (Colossenses 1:13:20)

GLÓRIAS A DEUS! LOUVADO E EXALTADO SEJA O NOME DO SENHOR JESUS CRISTO!
***

PC@maral

Um Dia após ter me tornado Ombudsman no Genizah

4 comentários:
A todos que expressaram alegria sincera pela noticia, meu muito obrigado!

A internet é um espaço vasto e cheio de opções e ofertas de todos os tipos. Dentro de temas como: evangélicos, cristãos, gospel, religião, e seus derivados. Podemos encontrar muitos blogs, muitos escritores expondo seu conhecimento, seus textos, suas idéias. Acredito que todos busquem um mesmo objetivo que é o de ser ouvido, e o principal; ser aprovado. Já li muitos textos de cristãos blogueiros que se decepcionaram na rede mundial de computadores por conta de suas idéias, colocadas na tela, serem contestadas e criticadas.

Outros que, em algum lugar do país ou do mundo, deu de cara [tela], com outro blogueiro que não concordou com o exposto em seu blog porque seu pensamento não combinava com o texto que havia publicado anteriormente e, que, agora navega junto com o seu [as vezes, o próprio vizinho de prédio], dando opção, que ele não queria dar, de “seus” leitores poderem encontrar e analisar uma segunda opinião.

Muitos surgem, muitos são reconhecidos e crescem, muitos param no meio do caminho, outros caminham juntos, outros destilam veneno. Uns defendem o evangelho, outros, defendem doutrinas, outros defendem costumes. Alguns criticam a vida cristã, outros criticam os cristãos, outros criticam a igreja. Outros fazem humor, outros desdenham. Alguns abraçam causas polêmicas e outros abraçam, com unhas e dentes, uma causa e, inflexivelmente, não abrem mão de seus conceitos, mesmo que seja comprovado que estão errados em suas colocações. Enfim, são inúmeras a opções e cada um navega e segue o seu comum, o seu par, o seu eco, o seu reflexo, a sua própria voz.

O grande problema que identifico é o daqueles que encontram um eco para sua voz mas não se contentam em apenas compartilhar. Estes se mobilizam e insistentemente atacam e difamam os que de outra forma pensam. Querem ser respeitados e exigem respeito, mas, infelizmente, não respeitam ninguém, a não serem seus iguais!

Eu, PC@maral, não sigo a homem nenhum, sou crente bereano, verifico sempre se as coisas são bem assim e sugiro ao meu próximo que faça o mesmo, inclusive sobre minhas falas. Sempre analiso tudo e retenho o que é bom e que for útil para edificação. Eu não aceito testemunho que seja humano. Para mim, o único testemunho que eu credito como válido é o testemunho que Deus, Todo Poderoso que está no céu. dá de mim. Se minha vida, meus atos, minhas ações, minha mente, minha fala glorifica a Deus em todos os sentidos eu, certamente, sinto isso através das bênçãos que Deus derrama sobre mim. E conforme testemunhei no meu perfil no blog Genizah , onde agora, pela misericórdia de Deus, humildemente colaboro, “é ou não é uma bênção a minha vida?”

Dou graças a Deus todos os dias por isso. Reconheço que sou falho, imperfeito, que erro, e que necessito da misericórdia do Senhor todos os dias para permanecer de pé! O que me causa estranheza, e ao mesmo tempo surpresa, é ler em minha caixa de email, e em comentários no blog PC@maral, pessoas que se dizem cristãs, convertidas e servas do Senhor, que batem o pé dizendo-se fiéis a Palavra da Verdade, a Palavra de Deus, usando de palavras torpes e de baixo calão para se referir a minha posição, e ao blog do qual agora sou colaborador. Logo eu que sou tão pequeno até no nome, Paulo [pequeno].

Nada acontece por acaso. Deus está no controle de tudo. Se algumas pessoas não crêem nisso, problema delas. Deus vai continuar no controle de todas as coisas, querendo elas ou não! Concordando elas ou não! Gostando elas ou não! É Deus quem opera tanto o querer como o realizar! E nenhum de seus propósitos pode ser frustrado.

A Palavra que escrevo em meu blog, não é minha, é de Deus. Ele mesmo nos mandou pregar para os da minha casa, para os da minha rua, meu bairro, minha cidade, meu país e para o mundo. O que faço é pregar. Não faço uso de doutrinas cheias de palavra difíceis de se entender, nem arrumadas teologicamente para parecer que sou incrivelmente sábio e inteligente. O evangelho é simples, e é poder de Deus para salvação de todo aquele que crer. Os homens é que acham que precisa de algo mais. Deus, na Sua Eternidade, concebeu o evangelho que é eficaz de Gênesis a Apocalipse, ou seja: é eficaz da Criação do mundo até a Volta do Senhor Jesus. Eu creio nisso e prego isso.

Ao invés de usar o espaço da internet para me xingar nos comentários ou falar que eu sou isso ou aquilo por email, ou até profetizar o que vai acontecer ao longo do tempo, faça uma coisa boa e leia a Palavra do Senhor Jesus. Prega a palavra, o evangelho verdadeiro, peça a Deus que lhe dê oportunidades de falar do evangelho da verdade para o maior numero de pessoas que você puder. Se coloque nas mãos de Deus como instrumento para o reino.

Lembre-se, meu irmão, das palavras de Senhor: Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão. (I João 4:20-21).

Daqui para frente volto as minhas publicações normais no PC@maral. Precisei jogar no lixo muita “palavra de crente” [?] [custo a acreditar que sejam realmente crentes] e orar para que o Senhor não permitisse que meu coração se contaminasse com o fermento dos fariseus e de Herodes.

Que Deus nos ajude em todos os nossos dias, para que possamos estar firmes e de pé naquele Dia quando o Senhor voltar para buscar a Sua Igreja!

Toda honra e toda glória sejam dadas ao Senhor Jesus!

***

PC@maral

sábado, 23 de outubro de 2010

PC@maral é o mais novo colaborador do Genizah!

5 comentários:
EXTRA! EXTRA!
PC@maral é o mais novo membro da gang do Genizah!
Sua função é ser Ombudsman do site! Não meu irmão não confunda as coisas!


DEFINIÇÃO: Ombudsman é um profissional contratado por um órgão, instituição ou empresa que tem a função de receber críticas, sugestões, reclamações e deve agir em defesa imparcial da comunidade. A palavra passou às línguas modernas através do sueco (ombudsman significa representante). De fato, em 1809, surgiram na Suécia normas legais que criaram o cargo de agente parlamentar de justiça para limitar os poderes do rei. Atualmente, o termo é usado tanto no âmbito privado como público para designar um elo imparcial entre uma instituição e sua comunidade de usuários. Nos países de língua portuguesa as palavras "ouvidor" e "provedor" (bem como "ouvidoria" e "provedoria") são mais utilizadas como substitutas ao nome estrangeiro (por exemplo, em empresas estatais brasileiras como a Sabesp, instituições financeiras como o Banco do Brasil ou portuguesas como a RTP). Na Espanha usa-se o termo "Defensor do Povo".

Aqui no Genizah, querendo reclamar, xingar, jogar praga ou maldição gospel... De agora em diante, deixe na página do PC que tratará dos despachos de todos com a maior boa vontade, risos. Tirante isto a outra principal função do PC é fazer as suas tiras ESCULACHANDO e DESCENDO O CACETE UNGIDO na própria galera do GENIZAH, de maneira se cumpra na integra:
Da forma como esculachares sereis esculachados e do jeito que zoares sereis zoados.

Para que ninguém aqui esqueça que o pau que dá um Chico, também da em Francisco.
Já tem gente repensando sobre ser colaborador do blog, risos.

Vinte e quatro horas após ser anunciada a minha humilde participação no Genizah como colaborador volto a postar aqui no PC@maral, me recobrando das investidas dos “mui amigos” que não pararam de me zoar no twitter e em outros canais, além das mensagens por email. Já tinha até fila para comprar qualquer informação que eu tivesse de futuras publicações no Genizah - será que era gente do Marcão querendo outra entrevista? Gente eu não sei de nada! Eu não vi nada! Eu não falei nada!

Vejam só o que esse “bando” de twitteiros fez nesta madrugada de sexta-feira [22]:


[TEM MUITO MAIS - MAS FICARIA MUITO GRANDE O POST]

O que posso adiantar é que já está no forno, prontinha para ir ao ar, mais uma revelação dos bastidores do Genizah: “Teu Passado Te Condena e Você Nem Sabia”. E “Eu Sei o que Você Fez no Teu Blog Passado”

Aguardem

***

Fonte: Genizah e PC@maral

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Kadosh

Nenhum comentário:
Para fechar o dia adorando ao Senhor Deus Todo Poderoso que Vive e Reina Eternamente!
Louvado e Exaltado seja o nome do Senhor Jesus! Glórias a Deus!




Cantamos desta forma no nosso Coral da Igreja.

Kadosh

Kadosh, Kadosh, Kadosh
Kadosh, Kadosh, Kadosh
Adonai Elohim tz'va'ot
Adonai Elohim tz'va'ot

Santo, Santo, Santo
Santo, Santo, Santo
É o Senhor dos Exércitos
É o Senhor dos Exércitos

Que era, que é, e que há de vir
Que era, que é, e que há de vir

Asher hayah V'hoveh v'yavo
Asher hayah V'hoveh v'yavo
Que era, que é, e que há de vir
Que era, que é, e que há de vir
Que era, que é, e que há de vir
Que era, que é, e que há de vir

Que era, que é, e que há de vir


De Paul Wilbur

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

A Regeneração

Nenhum comentário:
A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo. O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito. Então, lhe perguntou Nicodemos: Como pode suceder isto? Acudiu Jesus: Tu és mestre em Israel e não compreendes estas coisas? (João 3: 3-10)

Em seu diálogo com Nicodemos. Jesus expressa a grande importância do novo nascimento, ao afirmar: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo (Jo 3:3). Regeneração e novo nascimento têm o mesmo significado. Portanto, podemos definir a regeneração como sendo um ato único de Deus, através do qual ele nos concede nova vida espiritual. Jesus deixa claro que o ato de nascer de novo é uma necessidade humana; Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo. (Jo 3:7). O texto de Efésios 2:1 é enfático ao declarar: Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados. É isso mesmo que você leu: estávamos mortos! A regeneração é uma questão de vida ou morte para o pecador.

O QUE É REGENERAÇÃO? POR QUE É TÃO NECESSÁRIA PARA OS SERES HUMANOS?

Desde o dia em que Adão pecou, a humanidade tornou-se escrava de uma natureza perversa, que denominamos “natureza pecaminosa”, esta é a causadora do distanciamento das pessoas em relação a Deus. Não é à toa que Paulo se refere a essa natureza da seguinte maneira: Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte? (Rm 7:24). Se ela tende a nos dominar, como enfrentá-la? Por meio da regeneração! Ela nos é a garantia de que podemos servir a Deus. Apesar de estarmos na presença do pecado, não somos mais dominados por ele.

QUEM É O AGENTE DA REGENERAÇÃO E ATRAVÉS DE QUAL INSTRUMENTO ELA É REALIZADA?

Porém devemos questionar: podemos regenerar a nós mesmos? Somos nós os agentes da regeneração? A resposta é não! Não somos capacitados a efetuar a regeneração. O agente dessa obra divina é o Espírito Santo; O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. (Jo 3:6). É certo que a salvação foi um plano do Pai, havendo sido consumada pelo Filho (Jo 3:16). Contudo, é o Espírito Santo quem nos convence do pecado; Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: (Jo 16:8), capacitando-nos a responder positivamente ao chamado do evangelho de Cristo; Por isso, vos faço compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus afirma: Anátema, Jesus! Por outro lado, ninguém pode dizer: Senhor Jesus!, senão pelo Espírito Santo. (1 Co 12:3). Logo, a nossa participação na regeneração é somente passiva, ou seja, sofremos a ação regeneradora do Espírito Santo.

O principal instrumento usado por Deus na regeneração é a palavra, conforme afirma Pedro, em sua primeira carta: Vocês foram regenerados, não de uma semente perecível, mas imperecível, por meio da palavra de Deus viva e permanente (I Pe 1:23). Através da pregação da palavra, o pecador torna-se alvo da ação regeneradora do Espírito Santo de modo que, por ouvir a pregação, a fé vem ao seu coração (Rm 10:17). A pregação da palavra é o primeiro passo rumo a vivificação espiritual do pecador, pois, quando regenerado, ele se torna uma nova criatura e tudo de faz novo em sua vida; E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; {criatura; ou criação} as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas. (2 Co 5:17).

QUAIS OS RESULTADOS DA REGENERAÇÃO?

Mesmo sendo a regeneração uma obra realizada no interior do ser humano pelo Espírito Santo, seus resultados são manifestados através de uma nova maneira de viver da pessoa regenerada. Dessa forma, ficará evidente a mudança de caráter; E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; {criatura; ou criação} as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas. (2 Co 5:17), de mente; E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rm 12:2) e de coração; Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. (Ez 36:26).

Quem é regenerado, não mais se mostra dominado pelo pecado (I Jo 3:9). Antes, luta contra ele porque recebe forças para crescer na santificação pessoal. O misericordioso ato da regeneração produz em nós o desejo de termos maior cumplicidade com Cristo e sermos fiéis a ele.

Veja que verdade emocionante: Não estamos mais mortos espiritualmente (Ef 2:5). Fomos agraciados com a dádiva divina da regeneração, ou seja, somos novas criaturas. Um dia, o Espírito Santo nos convenceu, por meio da palavra, de que éramos completamente perdidos. Ele mesmo nos regenerou e, hoje, somos filhos de Deus; Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; (Jo 1:12).

Agora andamos em novidade de vida; Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. (Rm 6:4). Antes éramos cegos de entendimento, mas , hoje, enxergamos o mundo pela ótica espiritual. A falsa ilusão do mundo já não prende nossa mente, porque a verdade do evangelho nos libertou e cativou o nosso coração; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. (Jo 8:32).

CONCLUSÃO

Apesar de não termos mérito algum, Jesus não hesitou em dar a sua vida, tornando-se, portanto, o nosso Salvador e Mediador! Em nossa condição de homens e mulheres caídos, ele nos concedeu uma nova chance: a de nascer de novo! O milagre da regeneração aconteceu e é obra realizada pelo Espírito Santo em nós!

LEIA + SOBRE REGENERAÇÃO AQUI

***

DEC - PC@maral

Não Confio em Político Evangélico!

Nenhum comentário:


Que ninguém confia em político já é um fato, o mais incrível é que na hora do voto, no momento em que o eleitor pode mudar esse quadro, ele vota no mesmo corrupto que votou antes e o decepcionou, tipo: ultima chance. Ou vota em pessoas totalmente desqualificadas para o cargo em todos os sentidos, exemplo: Tiririca. Seja por indicação ou por mera falta de opção ou porque não se dá ao trabalho de procurar saber alguma coisa sobre o passado daquele ou do outro candidato ao cargo público.

Que políticos fazem promessas mirabolantes todos sabem. Curioso é que quando estão no governo não cumprem grande parte delas, e o povo, nem se lembra e nem faz questão de lembrar, não querem assinar atestado de “trouxa” por que votaram naquele “sujeito” [agora é sujeito, antes era o salvador da pátria]. Foram tantas promessas que seu candidato fez nos palanques e debates que falha a memória agora. É o lapso!

Outro fato curioso são as denuncias de irregularidades quando estão em campanha. Como aparecem não é? Uma avalanche! Mas, as irregularidades foram cometidas nas campanhas ou quando estavam atuando no governo como representantes do povo? Se estavam no governo, por que não foram investigadas e punidas como manda a lei? E se existem denuncias por que concorrem a cargos? Então você pode alegar que: Sim! Existe investigação, mas eles se beneficiam de “fórum privilegiado” e dificilmente, raramente, são condenados, exemplos assim existem aos milhares neste país, além disso, neste país “ninguém é culpado até que se prove o contrário”. [se aplica aos ricos, pois, de pobre inocente a cadeia está cheia].

Eu sei que existe toda uma “máquina”, [parece até conspiração secreta], que movimenta política, corrupção, poder e impunidade neste país. E, ávidos para entrar e fazer parte desta “máquina” surgem no cenário político “pastores evangélicos”. Com justificativas mais deslavadas possíveis, conduzem o povo ao erro convencendo-o de que Deus precisa tomar parte nas decisões da nação. De que somente com o povo de Deus no poder acabará com toda essa corrupção e desmandos e omissões e aprovação de leis das mais absurdas e que só favorecem uma minoria ou categoria especifica. “Homens de Deus” estufam o peito, “é a solução”. Parece que a coisa não é bem assim. A grande maioria tem usado o púlpito como trampolim para Brasília. E os testemunhos são os piores possíveis.

Eu, particularmente, tenho minhas reservas em relação a políticos evangélicos. Eu, não aprovo levantar uma bandeira evangélica no governo visando “salvar a pátria”. Político evangélico para mim é pior do que político natural. Político evangélico que usa Deus como trampolim para candidatura e manipula o rebanho para abocanhar votos é pior do que políticos do mundo. Quando não são pegos em mamatas estão carimbando seus passaportes para “paraísos fiscais” e para o inferno, pois conhecem a vontade de Deus, “deveriam conhecer”, mas dão sinais completamente contrários.

Claro que existem raras exceções. E cristãos fiéis a Deus e a Sua Palavra encontram barreiras enormes e na grande maioria das vezes tem seu trabalho limitado e direcionado para áreas de assistência social. Projetos polêmicos, tipo o que está em evidência no cenário político atual, principalmente nesta eleição, que trata do homossexualismo e aborto, e que, logo, logo serão aprovados, apesar de toda “bancada evangélica”, desculpe dizer, mas é inevitável. Na minha opinião, o povo evangélico está lutando na trincheira errada, deveria atacar a causa e não o resultado do problema, ou seja, a família, que está sendo destruída por Satanás em seus princípios e valores.

Evangélico em cargo de governo mundano sabe muito bem que na política vai, a qualquer momento, abrir mão de princípios e até mesmo da Verdade [Verdade de Deus], para se chegar a um resultado. A opressão e a desigualdade no favorecimento de classes distintas são evidentes e a troca de favores maior ainda. Pode um político “verdadeiramente cristão” sobreviver num terreno desses? Se for fiel, realmente, ouve a voz do Senhor que diz “sai do meio deles”. Se estiver atrás de vantagens e benefícios próprios tapa os ouvidos e deixa o barco navegar no mar da corrupção. Um olho no céu e um olho no diabo, que mal sabe ele, já colocou uma argola no seu pescoço.

Concluindo; para mim, política e religião não combinam, e crente, que se diz temente a Deus, misturar púlpito com campanha visando benefícios para a igreja é pior ainda. É dizer claramente que não confia em Deus. E deixa claro que perdeu o foco, Jesus Cristo, há muito tempo, descambando para o mundo, e estão atrás de glória pessoal. Os políticos profissionais têm culpa? Claro que não! Eles fazem o que lhes é natural Eles fazem o que é natural de um político fazer. Manipulam e fazem uso das armas a sua disposição. São profissionais. Os "evangélicos" - "pastores" [que apascentam a si mesmos] são os maiores culpados do estado lastimável em que se encontram muitas igrejas que se dizem cristãs. E o rebanho segue a “onda” para que a sua igreja “cresça” e fique mais “bonita”.

Esqueceram eles, que quando Jesus voltar, tudo isso vai queimar?

***

PC@maral

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Jesus Cristo Salvador E Mediador Da Humanidade

Um comentário:
Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (Jo 3:16)

Que o ser humano é pecador e mortal, todos sabemos. A nossa imperfeição é evidente, quando falamos, pensamos ou praticamos aquilo que é contra os princípios morais ensinados na Bíblia Sagrada. Contudo, acreditamos piamente, pela palavra de Deus, na restauração, na regeneração e na salvação do ser humano, mediante a um único ato de amor e misericórdia: o sacrifício vicário - [Do latim vicariu. Vicarius é uma palavra latina, que significa substituir ] de Jesus Cristo. Esse evento torna-se o “marco zero” da nossa vida, quando aceitamos Jesus como o nosso Senhor, ou seja, antes dele, éramos criaturas dilaceradas pela queda. Mas, depois da intervenção de Cristo em nossa história, as coisa mudaram. Hoje, temos perspectiva de vida.

A NECESSIDADE HUMANA DE UM SALVADOR:

Alguém tinha de pagar o preço. Era essa a condição para que a humanidade fosse reconciliada com Deus e, desse modo, fosse livre da sua ira. Sendo que o ser humano, através, da sua transgressão à ordem divina, contraiu uma enorme divida diante do Senhor, somente uma pessoa imaculada, sem pecado algum, poderia quitá-la. Literalmente, ainda estava para nascer um homem assim! Não havia nenhum ser humano justo capaz de pagar a nossa divida: como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. (Rm 3:10-12). É aí que Jesus se manifesta amorosamente por meio da sua encarnação, ou seja, tornando-se homem, sem pecado.

É evidente necessidade humana de um Salvador, Desde o momento em que o primeiro homem caiu, o pecado tornou-se o nosso senhor, e nós, seus escravos; Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos {isentos; isto é, no original, forros} em relação à justiça. (Rm 6:20). Se não fosse a intervenção salvífica de Cristo em nossa história, estaríamos eternamente condenados a morte; porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rm 6:23). O Eterno, então, tornou-se mortal. Deus se fez homem e, como tal, encarou a arrogância e a maldade humana, como também a vergonha da cruz: antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. (Fp 2:7-8). Por sua morte, fomos libertos e salvos. Hoje, somos escravos não mais do pecado, mas de Deus: e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. (Rm 6:18).

A SINGULARIDADE DE JESUS COM SALVADOR BASEADO EM ATOS 4:12

O texto de Atos 4:12 nos evidencia a singularidade do Salvador: E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre homens, pelo qual importa que sejamos salvos. Os dois negativos (nenhum outro e nenhum outro nome) proclamam a singularidade positiva do nome de Jesus. Sua morte e sua ressurreição, sua exaltação e sua autoridade fazem dele o único Salvador. Ninguém mais, dentre os homens, possui tais qualificações, a não ser Jesus Cristo, o Salvador da humanidade [Stott (2008:107)]. Ele é a razão e a certeza da nossa salvação.

POR QUE JESUS É O ÚNICO CAPACITADO A EXERCER TAL FUNÇÃO ENTRE DEUS E NÓS?

Jesus Cristo, além de Salvador, é também o nosso Mediador; Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos. (I Tm 2:5-6). “Um mediador é um intermediário, a pessoa que se acha no meio, que efetua a reconciliação entre duas partes em rivalidade” [Stott (2004-67)]. A inimizade, portanto, foi extinta por meio de Cristo. Ele nos livrou de padecermos pela ira de Deus; Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; (Rm 5:8-10).

Quem faz o papel de intermediário entre duas partes, deve agir de modo flexível. No Antigo testamento, não havia um árbitro com condições de intervir na mediação entre Deus e nós; Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos. (Jó 9:33). No entanto, no Novo testamento, Jesus se mostra o perfeito mediador pelo fato de ser tanto Deus quanto homem (Jo 1:1,14). Logo, tem autoridade para intervir entre as partes em questão.

Antes do sacrifício salvífico de Cristo, o sumo sacerdote fazia a função de mediador entre Deus e os homens, por meio de sacrifícios. Porém, tanto o sumo sacerdote quanto os sacrifícios para remissão de pecados eram imperfeitos; Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação, não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção. Portanto, se o sangue de bodes e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto à purificação da carne, muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo! (Hb 9:13) .

O texto de I Tm 2:5 declara que o Jesus homem é o mediador. Por essa razão, ele se tornou o perfeito sumo sacerdote da humanidade, pois era necessário que fosse semelhante a nós. Em Hebreus 2:7, Jesus é descrito como um sumo sacerdote que representa o homem diante de Deus, desvia a ira de Deus, cura o coração do quebrantado, ergue o caído e ministra às necessidades do seu povo [Kistemaker (2003:113)].

Não há mais separação entre nós e Deus. Sem merecer, fomos salvos e reconciliados pelo sacrifício vicário de Cristo! Se você está em Cristo, não haverá condenação para a sua vida (Rm 8:1). Você foi salvo mediante o sangue dele! Os muros de separação que havia entre Deus e você foram destruídos! Até mesmo o véu do templo, que separava o lugar santo do santíssimo, se rasgou em dois de alto a baixo (Mt 15:38), abrindo-lhe caminho, a fim de que você tenha livre acesso ao Pai. Agora, temos paz com Deus por Jesus Cristo (Rm 5:1).

Alegre-se: temos um Salvador e mediador ao nosso lado! Louvado seja Deus!

***

DEC - PC@maral