segunda-feira, 14 de maio de 2012

O Dono da Glória

E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus, dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém. (Apocalipse 7:11-12)

Em todos os tempos e em todos os lugares, os cristãos têm declarado solenemente a Deus: “Teu é o reino, e o poder, e a glória para sempre” (Mt 6.13).

A rigor, essas palavras finais da oração do Pai-Nosso tornam imprópria qualquer autoglorificação. Uma passagem do Antigo Testamento reforça esse comportamento: “Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte na sua força, nem o rico na sua riqueza, mas quem se gloriar, glorie-se nisto: em compreender-me e conhecer-me [...]. Pois é dessas coisas que me agrado” (Jr 9.23-24).

Os cristãos precisam levar a oração dominical e o oráculo de Jeremias a sério, tanto na teologia como na prática diária. Ainda mais que há outro oráculo taxativo: “Não darei a minha glória a nenhum outro” (Is 48.11, NVI). Outras versões preferem dizer: “Eu não “reparto” a minha glória” (NBV) ou “Não “cedo” a minha glória” (BP).

Nabucodonozor, por 43 anos rei da Babilônia (de 605 a 562 a.C.), não se saiu bem ao perder as estribeiras e se autoelogiar: “Como é grande a cidade de Babilônia! Com o “meu” grande poder eu a construí para ser a capital do “meu” reino, a fim de mostrar a todos a “minha” grandeza e a “minha” glória” (Dn 4.30). Ele ainda estava falando quando veio uma voz do céu que disse: “Sua autoridade real lhe foi tirada [e] você será expulso do meio dos homens, viverá com os animais selvagens e comerá capim como os bois”. A sentença sobre Nabucodonozor cumpriu-se imediatamente: o homem dos jardins suspensos da Babilônia (uma das sete maravilhas do mundo) começou a comer capim como os bois, a dormir no relento, a deixar cabelos e unhas crescerem. Essa tremenda humilhação durou sete anos. Então, sua mente voltou a funcionar como mente de homem e ele fez uma notável profissão de fé: “Agora, eu, Nabucodonozor, louvo, exalto e glorifico o rei dos céus porque […] tem poder para humilhar aqueles que vivem com arrogância” (Dn 4.31-37).
***

Fonte: Revista Ultimato compartilhado no PCamaral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.