sexta-feira, 4 de maio de 2012

Sou um sacerdote sujo: lava-me, Senhor!

Sou sujo porque tenho fugido da cruz e fingido amá-la.

Publicado originalmente em Revista Ultimato edição 334 Janeiro/fevereiro 2012

Davi não foi a única pessoa a clamar: “Lava-me!” (Sl 51.2). Antes e depois dele, na história bíblica e na história eclesiástica, muitos têm dobrado os joelhos e feito a mesma súplica, tanto pessoal como representativa.
O jornal católico “O Lutador”, em agosto de 2011, publicou um belo texto escrito pelo frei Patrício Alessandro Sciadini, de 64 anos, frade carmelita nascido na Itália, missionário no Brasil, conhecido como pregador de retiros espirituais e tradutor de algumas obras clássicas de espiritualidade. Embora use a primeira pessoa do singular, Sciadini certamente não está se referindo apenas a sua própria sujeira. Trata-se antes de uma confissão representativa que todos deveríamos assinar. A palavra “sujo” aparece várias vezes, como se pode ver em seguida:

Toda Quinta-Feira Santa, sinto-me como sacerdote pequeno-grande, “sujo”, um pouco traidor e medroso como os apóstolos no Cenáculo.

Sinto-me “sujo” por fora e por dentro. Tenho caminhado pelas estradas do mundo e tenho me deixado contaminar por tanta sujeira; pela sujeira do relativismo teológico e moral.

Sou sujo porque tenho fugido da cruz e fingido amá-la.

Estou “sujo” pelos meus pecados e pelos pecados dos outros, por todas as vezes que não tenho dado bom exemplo e não tenho falado a verdade por medo dos outros; tenho mimetizado e dulcificado o evangelho de Jesus para não perder amigos e amigas.

Tenho o coração “sujo” porque não sei amar, ou amo fazendo particularidades e separando a humanidade em bons e maus, deixando de lado tantos irmãos e irmãs que vivem ao meu redor e que são, sem dúvida, melhores do que eu.

O coração está “sujo” porque apegado às coisas da terra, e não sei olhar para o céu.

Senhor, sinto-me “sujo”. É por isso que em cada Quinta-Feira Santa quero que tu me laves, não os pés, mas todo o corpo, a alma, o coração, para que possa sentar-me na Ceia e ser digno de comer do teu corpo e beber do teu sangue. Sei que voltarei a sujar a minha vida, mas sei também que a tua misericórdia me chamará de novo para ser purificado.

Não há como duvidar, Senhor, que todo pecado é traição do teu amor, mas que os pecados dos teus ministros sacerdotes, bispos de tua Igreja, e mesmo do papa, por mínimos que sejam, são sempre grandes porque todos os olhos do povo peregrino, nômade, sofrido nas noites escuras, fixam-se em nós, procurando em nós o rosto de Cristo.

Que te posso dizer, Senhor? Sou um sacerdote sujo: lava-me, purifica-me e torna-me capaz de derramar sobre os outros, pelo sacramento da confissão, o teu sangue que lava e dá nova vida a todos os pecadores. Deixa, Senhor, que eu desça de meu pedestal e imite a ti, não só uma vez, no rito de Quinta-Feira Santa, no lava-pés, mas todos os dias eu saiba me cingir de toalhas e lavar os pés dos outros e enxugá-los!

Fonte: “O Lutador”, 11-20 ago. 2011, p. 13. Via Revista Ultimato compartilhado no PCamaral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.