segunda-feira, 2 de julho de 2012

Em busca de relacionamentos saudáveis

Publicado originalmente em Igreja Batista do Povo

“Não abandone o seu amigo, nem o amigo de seu pai”- Provérbios 27:10.

Parece-me que vão longe os tempos em que os relacionamentos eram duradouros. Amizades verdadeiras e antigas são joias raras nestes dias em que os interesses pessoais têm mais valor do que o próximo. A geração pós-moderna é chamada de “desenraizada” porque tem rompido com os vínculos mais importantes da existência humana: da família, da cultura e dos amigos. Estes valores fundamentais vão sendo substituídos pelos estudos, pelo trabalho, pelo dinheiro e, como consequência, têm gerado indivíduos solitários, sem amor, fechados em si mesmos, grosseiros no trato, interessados apenas em si mesmos e no seu futuro. Portanto, faz-se necessário considerarmos o conselho da Palavra de Deus, como no texto acima e, quem sabe, revermos a nossa conduta considerando que “O olhar do amigo alegra o coração” - Pv 15.30 e que “O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade” – Provérbios 17.17 NVI.

A verdadeira amizade não se firma na ausência de conflitos, mas na disposição de mútua cooperação entre as partes em busca do aperfeiçoamento de cada um. “Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro” – Pv 27.17. Em qualquer relacionamento humano o conflito está necessariamente presente como um elemento positivo para o crescimento, do contrário a relação será de dominador-dominado. Num relacionamento saudável a ideia de dominação é inadmissível, pois ela anula a personalidade, criando indivíduos “desalmados”, semimortos, sujeitos a tiranos implacáveis. Exemplo disso é a mulher que sempre diz sim para o marido, não por concordar com ele, mas porque não tem o direito de discordar sem que sofra. Na verdadeira amizade, estão presentes valores que sobrepujam todas as dificuldades, que servem como remédio para as feridas, oxigênio para a vida, ânimo para a alma; são eles: respeito, sinceridade, paciência, amabilidade... Diz o sábio: “Como o óleo e o perfume alegram o coração, assim, o amigo encontra doçura no conselho cordial” – Pv 17.9.

O apóstolo Pedro resume assim: “Sede, todos... fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes, não pagando mal por mal ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo...” – I Pe 3.8. Tenho certeza de que semearemos os mais saudáveis relacionamentos se nos detivermos no que o nosso irmão Paulo ensina em Romanos 12.9-21. Leia isso! Não podemos, ainda, nos esquecer de que um dos maiores segredos do bom relacionamento é saber reconciliar-se com o próximo. Já que, todos, somos imperfeitos, obrigatoriamente, todos temos que corrigir quando erramos uns com os outros. Aí nos deparamos com dois textos-chaves nas Escrituras que certamente nos ajudarão: Mateus 5.21-26 e 18.15-20. No primeiro Jesus ordena: “Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão...”.

No segundo texto, o Senhor dá os passos para resolvermos os problemas mais graves que atingem os relacionamentos humanos: 1º. Uma tentativa particular de acerto; 2º. O envolvimento de mais uma ou duas pessoas que possam contribuir para a reconciliação; 3º. Não havendo sucesso nas duas primeiras tentativas, reconhecer publicamente que a pessoa errada não quer, definitivamente, a reconciliação. No último caso, o texto ensina o distanciamento para que a situação não se agrave, talvez, transformando-se numa inimizade com consequências imprevisíveis. Nossos relacionamentos serão saudáveis se forem orientados pela por princípios éticos saudáveis, sobretudo, pela Palavra de Deus. Façamos muitos amigos. Cuidemos bem dos nossos relacionamentos.

Pr. Jonas Neves em Batista do Povo

Fonte: Meninas do Reino compartilhado no PCamaral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PCamaral, Palavra de Deus, Teologia, Estudos, Evangelho, Reflexões, Bíblia Sagrada, Estudos Bíblicos, Mensagens Bíblicas

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de publicá-los ou não caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.