quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O Pecado Quer Ser Seu Amigo

Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: "Estou sendo tentado por Deus". Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta.Cada um, porém, é tentado pela própria cobiça, sendo por esta arrastado e seduzido.Então a cobiça, tendo engravidado, dá à luz o pecado; e o pecado, após ter-se consumado, gera a morte. (Tiago 1:13-15)

Por Tim Challies

Um amigo meu tem ministrado aulas baseadas no meu livro The Next Story (A próxima história). Ele me mandou um email há uns dias atrás para dizer que estava se preparando para ensinar “Privacidade e Visibilidade”, duas áreas nas quais o mundo digital trouxe grande transformação nas nossas vidas. Antes de ir dar sua aula ele se deparou com mais uma triste história de outro pastor que destruiu seu ministério para seguir seus desejos. Isso foi uma exata ilustração das novas realidades nesse novo mundo. Também foi uma ilustração de algo que transcende o mundo digital.

Até a terça-feira, Jack Schaap era pastor da Primeira Igreja Batista de Hammond, fora de Chicago. A Primeira Batista era a maior igreja no Estado com algo em torno de 15.000 pessoas comparecendo a cada domingo. O pastorado de Schapp veio a um brusco e vergonhoso fim na terça-feira. Jack Schaap deixou seu celular no púlpito e um diácono viu e pegou para devolver a ele” Trisha Kee, que mantém um grupo de ex-membros da congregação no Facebook, disse à emissora: “Pelo que entendemos, o diácono viu uma mensagem vinda de uma adolescente da igreja e era uma foto de Jack Schaap e a garota se beijando.

Oficiais da igreja anunciaram que ele foi demitido por “um pecado que o fez perder o direito de ser nosso pastor”. Desde então Schapp confessou que estava envolvido com uma garota de dezesseis anos que veio até ele para um aconselhamento.

O que se destaca para mim nessa história não é nem tanto que Schapp tenha se aproveitado da jovem garota, que ele tenha abusado da sua posição de autoridade, ou ele arriscar seu casamento cometendo adultério. Todas essas coisas são horrendas, mas tristemente, de modo doentio, todas muito comuns. Há uma longa e crescente história de homens que usam o pastorado na intenção de satisfazer seus desejos pecaminosos e egoístas. O que se destaca pra mim nesse caso é a maneira como o pecado do pastor foi descoberto.

O pecado faz tantas promessas. O pecado promete alegria, promete realização. O pecado quer ser amigo. Quando você encontra um novo amigo, você revela pequenas porções de quem você é, no que você acredita, o que é importante pra você. Mas com o tempo, se essa amizade crescer, é preciso revelar mais e mais de si mesmo, você precisa se ​​abrir. A amizade cresce na vulnerabilidade de permitir que outra pessoa veja quem você realmente é por baixo da superfície educada. O pecado pede para você dar um pedaço de si a ele o tempo todo. Só mais um pouco. E depois, só mais um pouco. Mas com o tempo o pecado vem dominar você. Ele vem para saber tudo que há para saber sobre você. E então ele te apunhala pelas costas e ri de satisfação enquanto você é deixado agonizando, humilhado e destruído. Ele ri enquanto seu casamento é destruído, enquanto sua igreja é envergonhada, enquanto seus amigos são traídos. Esse é o tipo de amigo que ele é.

Consegue enxergar o pecado dando sua ultima risada aqui? Schaap não tinha que deixar o telefone no púlpito. O diácono não tinha que pegá-lo. A garota não tinha que mandar a mensagem de texto naquele momento. A mensagem não tinha que conter nada explícito. O diácono não tinha que ser um homem de integridade que iria tornar o fato conhecido para o restante da igreja. Nenhum dessas coisas tinha que ter sido do jeito que foi. Mesmo assim foi exatamente como a história se desenrolou. O diácono pegou o telefone, olhou a mensagem que apareceu e viu a foto do pastor e a garota. E o pecado se rebentou em gargalhadas. O pecado se alegrou quando seu amigo foi exposto como hipócrita, um adúltero, uma fraude. O pecado riu por último.

Isso é o que o pecado faz. Isso é o que o pecado é. O pecado é o amigo pior que o inimigo.

(Apêndice: Aqui o anel de Tolkien (O Senhor dos Anéis) é uma poderosa ilustração do pecado. No momento em que uma pessoa coloca aquele anel no dedo, o anel o domina e o destrói. O anel tem mente própria, uma mente empenhada na destruição. O anel será satisfeito somente quando ele tiver certeza que seu portador está dominado, oprimido e destruído. Todas as suas promessas levam meramente a um tipo maior de escravidão que leva à morte)

Traduzido por Débora Batista | iPródigo.com | Original aqui | Compartilhado no PCamaral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PCamaral, Palavra de Deus, Teologia, Estudos, Evangelho, Reflexões, Bíblia Sagrada, Estudos Bíblicos, Mensagens Bíblicas

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de publicá-los ou não caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.