quarta-feira, 7 de julho de 2010

Seis Motivos para Devolvermos o Dízimo e Ofertar na Casa de Deus [2] Gratidão a Deus

Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo; (Efésios 5:20)

Da série - Seis Motivos para Devolvermos o Dízimo e Ofertar na Casa de Deus – O primeiro motivo abordado nesta série foi a Adoração a Deus no artigo anterior do dia 5 de julho. Hoje falarei sobre Gratidão a Deus.

O segundo motivo para entregarmos os dízimos e as ofertas à igreja de Cristo é o sentimento de gratidão a Deus. A contribuição financeira é uma das formas de expressarmos nosso agradecimento a Deus por tudo que nos faz.

Ao ofertarmos, revelamos a Deus nossa atitude de reconhecimento pelas grandes bênçãos recebidas de suas mãos; pelo dom da vida, pela salvação eterna, através da morte do Senhor Jesus Cristo na cruz, pela igreja, pela saúde, pela família, pelo trabalho, pelo pão de cada dia, por tudo o que temos e somos.

Deus fez por nós o que ninguém poderia fazer, e não existe a menor possibilidade de lhe pagarmos por esse favor imerecido. Podemos, entretanto, agradecer-lhe de todo o nosso coração, e de várias formas, como: obedecendo à sua Palavra, aproximando-nos dele, através da oração, evangelizando e contribuindo, por meio dos dízimos e das ofertas.

O salmista Davi tinha consciência desse sagrado dever cristão, conforme lemos no Salmo 116:12-14: Que darei ao Senhor por todos o benefícios que me tem feito? Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do Senhor. Cumprirei os meus votos ao Senhor, na presença de todo o seu povo. Por sua vez, o apóstolo Pedro desejou que ficássemos sabendo que não foi por coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fomos resgatados do nosso fútil procedimento que nossos pais nos legaram, mas pelo precioso sangue do cordeiro, sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo (I Pe 1:18-19).

Diante de tão grande favor, agradecer a Deus, com nossos dízimos e nossas ofertas é o mínimo que podemos fazer. O cristão que assim procede atrai mais bênçãos para sua vida, conforme Deus promete, em Malaquias 3:10-12: Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e provai-me, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós benção sem medida. Por vossa causa repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o Senhor dos Exércitos. Todas as nações vos chamarão felizes, porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o Senhor dos Exércitos.

Amém!

***

DEC - PC@maral

20 comentários:

  1. Muitos usam de Malaquia para pedir dízimo, chegando até a constranger muitos dentro dos Templos, pois chamam quem não pode ou não quer dar o dízimo de ladrão!


    Bom Irmãos, Malaquias foi escrito dentro do contexto do Pacto do Sinai. É o último livro do Velho Testamento. Quem quiser realmente compreender o texto de Malaquias deve ler Neemias e Esdras, seus contemporâneos. Em Neemias encontra-se muito mais sobre dízimo do que Malaquias.

    Havia turmas de sacerdotes e levitas que serviam no templo. Cada turma ficava uma semana no templo. Os dizimistas entregavam dízimo aos levitas e esses, por sua vez, separavam o dízimo dos dízimos (que tinha que ser a melhor parte dos dízimos recebidos por eles) e levavam a uma câmara do templo, chamada casa do tesouro, onde eram depositados os mantimentos (alimentos) para o sustento da turma da semana no serviço do templo. Acontece que os levitas não entregavam o melhor muitas vezes. E os sacerdotes não queimavam a melhor parte das ofertas que eles recebiam, conforme a lei e ainda roubavam alimentos. Havia, desta forma, grande desleixo e irresponsabilidade. Vejam o texto de Malaquias e confiram como Deus repreende os sacerdotes e levitas. Não é o povo que não entregava dízimo. Não é que o povo não estivesse ofertando. Os vilões desta história são os da tribo de Levi.

    ResponderExcluir
  2. "Trazei todos os dízimos à casa do tesouro" foi escrito para os levitas, pois a eles somente cabia levar dízimos a essa câmara (Neemias 10:38). E como vimos, casa do tesouro não era o templo, muito menos é hoje o prédio da congregação, mas um depósito apenas.

    Devemo ter muita cautela para não chamarmos nossos irmãos de ladrões, para que não tenhamos do que nos envergonhar depois. Lembres de que há uma grande diferença entre Antigo Testamento e Novo Testamento.

    O Novo Testamento começa com a morte de Jesus.

    Os Defensores do dízimos usam sempre a passagem de MT 23.23 para defenderem o dízimo no Novo testamento vejamos então:

    Jesus disse certa vez: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas." (Mateus 23 : 23).

    E só uma questão de interpretação de texto. "fazer essas coisas, e não omitir aquelas"
    -------------------------------------------------------------------

    Realmente interpretação. O Novo Testamento só começa quando Jesus morre na cruz. Antes disso, estava em vigor a Lei Mosaica. O dízimo fazia parte da Lei...era mandamento para os judeus. Jesus não mandaria eles pararem de dizimar estando ainda em vigor a Lei. Jesus os admoestou porque observavam zelosamente os aspectos exteriores da Lei, mas não a sua essência. O ato de dizimar não provocara neles um crescimento espiritual quanto a fé, justiça e misericórdia. Eram hipócritas, pois dizimavam até os temperinhos do quintal, mas eram duros de coração.

    Já no âmbito do Novo Testamento, nas cartas apostólicas e em Atos, jamais vimos um cristão dizimar. Dízimo era parte do judaísmo, servindo para sustento do ministério levítico. Este tipo de sacerdócio foi substituído, bem como todo o aparato que o servia, ou seja, as 614 leis, ordenanças, mandamentos, pertinentes a ele.

    No novo testamento, até mesmo um levita (que na Lei recebia dízimos), vende uma propriedade e entrega aos apóstolos para que estes, por sua vez, distribuísse aos pobres e irmãos em dificuldades. O dízimo foi substituído pela oferta voluntária como sustentáculo econômico da obra de Deus. E mais: o templo no Antigo Testamento era mantido por impostos e ofertas em dinheiro. O dízimo era dado sempre em alimentos, embora o dinheiro já existisse desde Gênesis. Na época de Cristo, Israel chamava-se Judéia e era uma província romana. Pagavam impostos em dinheiro e o dinheiro tinha a efígie de César. Dízimo eram alimentos para levitas, órfãos, viúvas e estrangeiros (Dt 14:22-29).

    Se quiser dar o dizimo fique a vontade, mas não é para nós, era para os Judeus!

    O Dízimo é exclusivo para Israel, “O dizimo sempre foi estabelecido para Israel para o sustendo da ordem levítica para manutenção do templo, para distribuição aos pobres”; “Se alguém te chamar de ladrão dentro dos Templos Evangelicos irmãos, não aceitem, se te amaldiçoarem também não aceitem. Contribua sim, não deixe de ajudar a obra se ela for mesmo de Deus, mas com ofertas e com o que propõe o seu coração e com alegria nunca através de terror, sendo que se voçê não der será amaldiçoado, isto se chama "persuasão", "Persuasão é uma estratégia de comunicação que consiste em utilizar recursos lógico-racionais ou simbólicos para induzir alguém a aceitar uma idéia," não aceite, faça tudo segundo propõe o seu coração! E você o que acha? devemos contribuir com amor ou por terror? O Dízimo é mandamento cristão ou não?? Paz sejam com todos!
    http://mulheresabias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Irmão me perdoe , não precisa publicar meu comentário, afinal de contas não foi um comentário foi um post que esta em meu blog. Me perdoe, não queria contrariar sua postagem. paz querido.

    ResponderExcluir


  4. Muito obrigado pelos comentários, eu publiquei todos e vou responder assim que puder com mais calma, afinal são muitas questões.

    Que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por não levar a mal. Paz seja contigo!

    ResponderExcluir


  6. Respondendo

    Primeiro: O dízimo não é uma instituição exclusiva do povo de Israel ou uma regra do Pacto do Sinai. Lembre-se: Abraão nem era povo, nem nação ainda, tinha apenas a promessa do Senhor, mas ao retornar da batalha contra os reis deu o dizimo ao sacerdote Melquisedeque:
    “Após voltar Abrão de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele, saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma no vale de Savé, que é o vale do Rei. Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo; abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo.” (Genesis 14:17-20)

    Repare: Deus nem havia trocado ainda o nome de Abraão. Devolver o dízimo era uma prática tanto para os que serviam ao Deus Altíssimo como para os pagãos do principio das civilizações.

    Jacó também não era nação ainda e promete dar o dizimo ao Senhor: “Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me vista, de maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então, o SENHOR será o meu Deus; e a pedra, que erigi por coluna, será a Casa de Deus; e, de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo. (Gênesis 28:20-22)

    Segundo: Correto sobre a administração dos dízimos pelos levitas: “Também falarás aos levitas e lhes dirás: Quando receberdes os dízimos da parte dos filhos de Israel, que vos dei por vossa herança, deles apresentareis uma oferta ao SENHOR: o dízimo dos dízimos.” (Números 18:26).

    Mas então o que estava acontecendo? Existe uma ordem clara em Malaquias “Trazei todos os dízimos” A expressão sugere, no contexto do livro, que algumas pessoas haviam deixado de levar seus dízimos. Essa expressão no hebraico pode ser também traduzida como o “dizimo inteiro” significando que o povo estava retendo uma parte do dizimo que deveria ser entregue.
    Lembrando que os dízimos forneciam sustento dos que trabalhavam no templo. Quando isso não acontecia muitos levitas desistiam do ministério e iam ganhar seu sustento na agricultura. Foi o quadro que Neemias encontrou na época: “Também soube que os quinhões dos levitas não se lhes davam, de maneira que os levitas e os cantores, que faziam o serviço, tinham fugido cada um para o seu campo.” (Neemias 13:10) Isso acontecia porque os dízimos não estavam sendo entregues como deveriam.

    Terceiro: Quanto a chamar o povo de ladrões, não somos nós (homens) que chamamos, mas Deus declara literalmente isso. Está escrito em todas as Bíblias. O problema é que muitos usam fora de contexto e se aproveitam para tirarem proveito próprio sem dar a menor atenção ao grave problema espiritual envolvido na questão.

    Quarto: Na passagem de Mateus 23:23 Jesus não condena o dizimo mas a importância exagerada dada pelos fariseus ao dizimo em detrimento de outras atitudes importantes que deveriam tomar em suas vidas. Jesus diz claramente: Devem observar o juízo, a misericórdia e a fé da mesma maneira como observam a entrega dos dízimos e ofertas [parafraseando].

    continua....

    ResponderExcluir
  7. continua...

    Quinto: No caso das ofertas e venda de propriedades no NT em Atos devemos levar em consideração que nenhuma carta apostólica havia sido escrita ainda. A expectativa era da volta imediata de Jesus Cristo para buscar a sua igreja. Eles estavam extremamente felizes e ansiosos por esse motivo deliberadamente vendiam suas propriedades e ofertavam para ajudar aos irmãos mais necessitados e dar suporte a igreja primitiva. Essa ofertas foram muito importantes para o trabalho missionário de Paulo, Pedro, Barnabé, Silas e muitos dos evangelistas daquela época. Lembre-se, a obra missionária desses homens eram sustentada pelas ofertas das igrejas que eram implantadas.

    Sexto: Discordo de você em que o dizimo seja uma coisa exclusiva do povo de Israel [nação]. Da maneira como foi colocada. Sabe por quê? Porque nós, eu e você, fazemos parte do povo Israel [espiritual]. Somos o ramo enxertado na videira, alguns ramos foram tirados para que nós pudéssemos participar da arvore, lembra? “Se, porém, alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo oliveira brava, foste enxertado em meio deles e te tornaste participante da raiz e da seiva da oliveira” (Romanos 11:17).

    Por adoção somos filhos - “nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade” (Efésios 1:5), e povo de Deus, “vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia” (I Pedro 2:10).

    Ou seja: nós todos, crentes em Jesus Cristo, fazemos parte da Israel Espiritual, pois todos nós somos:

    “vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel” (Êxodo 19:6)

    “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (I Pedro 2:9)

    continua....

    ResponderExcluir
  8. continua...

    Sétimo: Devemos contribuir com amor ou por terror? – Respondendo a essa questão: devemos contribuir por amor. Os que fazem terrorismo com a Palavra de Deus receberão seu devido castigo.

    O dízimo é mandamento cristão ou não? Respondendo: Sim! É mandamento cristão também!

    Minhas considerações:

    Deus é dono de todas as coisas, “Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam.” (Salmo 24:1), eu costumo dizer que a única coisa que eu tenho direito legal de receber de Deus é a morte eterna. Sem Jesus Cristo esse é o meu direito legal. Mas, graças a Deus, Jesus subiu naquela cruz e tomou o meu lugar e pagou a minha divida para com Deus. O sangue de Jesus, derramado naquela cruz, naquele dia, lavou minhas vestes de todos os meus pecados, passados, presentes e futuros. Graças a Ele! Única e exclusivamente por Ele! Seria IMPOSSÍVEL para mim, na minha condição humana retribuir esse imerecido favor.

    Se a obra de Deus aqui na terra precisa ser sustentada para que mais e mais pessoas possam ser alcançadas por essa graça, e mais e mais pessoas sejam mantidas, nada mais justo do que contribuir com uma parte daquilo que Deus me dá para administrar, afinal, tudo pertence a Ele.

    Eu posso declarar aqui diante de Deus e de todos os que lêem o PC@maral: Sou dizimista fiel e contribuo com ofertas para a Casa de Deus. Claro que como consagrado da igreja e membro do Conselho fiscalizo, junto com os irmãos, o destino da renda, mas não devolvo o dizimo ou dou ofertas por causa do pastor da igreja, faço isso porque amo a Deus com toda a minha força e entendimento e a meu próximo como a mim mesmo. Faço por amor a obra de Deus. Em extrema gratidão pelo sacrifício de Jesus Cristo na cruz. E posso garantir: nunca me faltou nada em minha casa, muito pelo contrário, há abundancia de provisão porque nosso Deus é Fiel e honra os seus servos fiéis.

    Agora, se o entendimento de algumas pessoas é de que não se deve dar o dizimo, entendo, isso é uma questão de escolha. Para mim está claro que devo contribuir com dízimos e ofertas e incentivo que outros façam o mesmo, não por terror, mas por amor a esse Deus Maravilhoso.

    Que Deus continue nos abençoando e nos ajudando em nossa caminhada!

    Amém!

    ResponderExcluir
  9. Meu querido amigo PC.
    O dizimo de Abrão era de dispojo de guerra, e os outros 90% ele devolveu ao rei de Sodoma.
    Vamos pensar um pouco!
    Os dízimos de Abraão
    Ao contrário do que se pensa quando Abrão deu seus dízimos a Melquisedeque rei de Salem, não tem nada haver com uma doação voluntária, nem com Melquisedeque como muitos afirmam usando tal para colocar os dízimos como sendo uma ordenança, antes da Lei, muito pelo contrário, foi simplesmente por causa da Promessa de D-us.
    Argumento infundado pelos cristãos como propósito de fé, no ensinamento dos dízimos, pois sendo tal verdadeiro, também seriam os cristãos obrigados a circuncidar-se ao oitavo dia, então vem um questionamento, se a circuncisão não é aceita como, pode então somente a aplicação de dízimos?

    Isso é descartar o que não interessa, como várias vezes é ensinado de maneira errada sobre Malaquias e considerar o que lhe interessa.

    Reflita um pouco sobre isso.
    Fica uma questão muito interessante na obrigatoriedade cristã com relação aos dízimos, vamos então pensar um pouco, vejamos.

    Se os dízimos que as igrejas cristãs cobram de seus fiéis são os que são por eles atribuídos a Abraão e a Jacó, e como já foi demonstrado não tem nada haver com uma obrigação, nem com ordenança, mas sim com a vontade de D-us, logo os dízimos citados por JC deveriam então ser observados por JC como Judeu, falando e ensinando para Judeus, como sendo como os de Abraão e os de Jacó, certo?

    Logo somos levados a crer que ele falava de dízimos antes da Lei, como alguns afirmam, então as pedras que Jacó ergueu e chamou de Casa de D-us, são na verdade o verdadeiro templo também, então os dízimos estariam sendo entregues desde Jacó na base das pedras; mas a questão é para quem?, pois Jacó estava sozinho na Noite em que D-us promete guardá-lo e abençoá-lo, logo o voto de Jacó foi para que se D-us cumprisse, Jacó assim faria, basta analisar o contexto.

    Então somos levados a crer que Malaquias profeta da Lei de D-us, que falava a Israel pela Lei de D-us, é inválido pois o que interessa agora são os dízimos de Abraão e Jacó.
    Logo, se JC ensinava tal, o mesmo é na verdade contraditório quanto a Lei, pois ele mesmo disse que não veio abolir a Lei de D-us, muito menos os profetas, então se não aboliu e ainda ensinou a cumprirem tal, que chegou a referenciar como um caminho estreito que conduz a vida, então fica uma questão a ser pensada, pois se ele ensina os Dízimos de Abraão e Jacó, logo vai contra a Ordenança de D-us com relação aos Dízimos, sendo assim, JC é mentiroso?

    Muito bom questionamento.
    Outro ponto importante... Deus ordenou a entrega dos dízimos da caça, da pesca, de alimentos produzidos fora de Israel e de prosélitos?

    ResponderExcluir
  10. Jesus Cristo (carpinteiro), Pedro (pescador) e Paulo (tecelão) estavam qualificados para serem dizimistas?

    A qualificação a que me refiro não é por causa da importância econômica da profissão, mas ao fato de não tirarem o sustento da terra.

    Eu gostaria de saber, caso tu possas me ajudar, em quais passagens bíblicas fala-se que uns dizimavam dos alimentos e outros da renda (dinheiro). Sei que pode haver na tradição judaica mais recente argumentos para isso. Mas, respeitosamente, devem ser vista com ressalvas pelo cristão. Mas se Deus dá esse mandamento, deve haver algum texto que evidencie isso. Ou não?

    Um dos pilares do engano
    Estou a cada dia mais convencida de que a Igreja vem falhando em ser "luz e sal" como deve ser, por causa da distorção que fazem com o dízimo. Obviamente que é um pacto com Israel e não com os gentios. Em Atos dos Apóstolos, cap. 15, alguns cristãos judeus ensinavam aos gentios convertidos ao cristianismo que estes deveriam circuncidar-se e guardar a Lei Mosaica. Os judaizantes, como ficaram conhecidos, foram repreendidos pelos apóstolos. Leiam o capítulo 15 de Atos e confiram. E, como diz o nosso amigo judeu logo acima, se Malaquias torna-se indefensável como argumento ao dízimo atual, cita-se logo o dízimo de Abraão. Ora, ou é um ou outro. Se formos ter como exemplo o dízimo de Abraão devemos dar uma vez apenas, como ele fez.
    Em Hebreus lemos que Melquisedeque é figura de Jesus. Deus sempre cuidou dos pobres. Em Mateus 25:31-45 Jesus disse que quem auxiliasse o pobre e o necessitado estaria fazendo para Ele. Jesus toma esses cuidados com os necessitados como algo pessoal, feito para Ele próprio. Melquisedeque receberia dízimos assim hoje, creio eu.

    O dízimo é bíblico, mas não mandamento ao cristão
    Deus faz alianças. Fez uma com Noé. Fez outra com Abraão. Fez outra com o povo de Israel no Sinai. Fez conosco, por Jesus Cristo.

    A aliança com Abraão não tinha como mandamento o dízimo, mas sim a circuncisão. O dízimo dado a Melquisedeque foi voluntário. Além de voluntário, foi dado uma única vez. Além de voluntário e dado uma só vez, foi a partir de despojos de guerra. Além de tudo isso, os outros 90% Abraão devolveu ao rei de Sodoma. O QUE TEM ESSE DÍZIMO A VER COM O QUE SE DÁ TODO MÊS NAS IGREJAS?

    A aliança que Deus fez com ISRAEL no Sinai tinha como ordenança a prática de dizimar. Era a base de sustento do sacerdócio levítico e também promovia a justiça social (Deuteronômio 14:23-29). Peço atenção especial ao último versículo deste texto indicado. A promessa de prosperidade estava CONDICIONADA ao fato de o dizimista abençoar a vida do pobre e do deserdado. Era a condição para a bênção divina.
    Apenas os LEVITAS e os POBRES tinham autoridade para receber dízimos. MAIS NINGUÉM, nem os sacerdotes.

    O QUE ESSE DÍZIMO TEM A VER COM AQUELE QUE É ENTREGUE TODOS OS DOMINGOS NAS IGREJAS?

    Dízimo é veterotestamentário
    Não há o menor indício de prática de dízimo pela Igreja na Bíblia. Ao contrário, o dízimo, no contexto de Malaquias, é da Lei Mosaica. No contexto de Abraão é anterior à Lei, mas não foi dado da renda de Abraão, mas do que foi roubado na guerra contra o rei de Sodoma. Os outros noventa por cento Abraão devolveu ao rei de Sodoma. Em parte alguma da bíblia Abraão é exemplo para incentivar o dizimista judeu a dizimar.

    Leia Deuteronômio 14:22-29 e me diga se o que se faz hoje é dizimar!!!

    Desculpa mas não resisto um debate de dízimos srrsr paz queridoo!

    ResponderExcluir


  11. Olha nós aqui de novo. [risos]. Li seus comentários rapidamente para publicar.

    Em breve te mando minha posição sobre estas novas questões. Fique com Deus! A propósito, o debate está bom!

    ResponderExcluir
  12. OK querido, acho que gostei de seu blog, desculpa te chamar de judeu ta bom? rsrs é que não resisto rssr uma brincadeira!

    ResponderExcluir
  13. Vou convidar uns amigos para cá ok

    ResponderExcluir
  14. Amigos, prezado PC, sugiro que abra um Fórum mesmo para debates. Blogs não são lugar bom para se debater.

    ResponderExcluir
  15. Bem, creio que a Rô dissecou bem o tema. Dízimo é o maior anacronismo que existe no cristianismo. Existem outros.

    É claro que todo pastor nunca vai se convencer do óbvio: que o dízimo bíblico foi instituído dentro do aspecto maior da aliança feita por Deus com seu povo Israel. Os dízimos tinham um alvo claro: O Templo de Jerusalém que nada tem a ver com as nossas catedrais.

    Mas creio que esse erro é cometido devido a uma leitura equivocada da teologia bíblica e das tradições do AT. Outros, que sabem interpretar corretamente as tradições bíblicas sabem do anacronismo mas um já me confessou: "Se eu não pregar o dízimo desse jeito o povo não coopera. Tem que dizer que quem não dá o dízimo é ladrão, não vai ser abençoado, etc".

    Lamentável, não?

    um abraço.

    ResponderExcluir
  16. Se o sr. ainda me permiti, creio ser um maior absurdo ver o dízimo como uma forma de gratidão a Deus pelo simples fato que Deus não precisa ser ofertado em nada pois ele não é homem para ficar agradecido com dinheiro que se dá não a ele, mas a uma instituição gerida nem sempre por pessoas idôneas e honestas. Por favor, não estou me referindo a você, visto que nem o conheço, estou apenas no campo das ideias, ok?

    Quem gosta muito de ser bajulado com oferendas são os deuses dos cultos afros. Iemanjá Adora receber flores. Mas creio que devemos ter uma ideia mais elevada de Deus.

    Obrigado pela atenção, desculpe-me se falei alguma palavra que o ofendeu, essa não foi minha intenção.

    ResponderExcluir
  17. Você acredita Edu, que tem gente que diz que se você não der o dízimo vc não é salvo rsrsr

    ResponderExcluir
  18. SER DIZIMISTA É UMA QUESTÃO DE FÉ, AMOR A DEUS E AMOR AO PRÓXIMO. NÃO QUE QUEM AINDA NÃO ESTEJA DEVOLVENDO O DIZIMO NÃO AME A DEUS E NEM AO PROXIMO E NEM TENHA FÉ, NÃO FALO SOBRE ISO, FALO DE ESTAR COMPLETO - INTEIRO - ESPIRITUALMENTE NAQUELE QUE NÃO DIZIMA EXISTE UM INCÔMODO QUE NÃO SABE EXPILICAR - ISSO NADA MAIS É DO QUE O ESPIRITO SANTO CHAMANDO ATENÇÃO DO CRENTE.

    SEJA DIZIMISTA NA CASA DO SENHOR - É VOCÊ COM ELE E MAIS NINGUEM - GARANTO QUE NADA TE FALTARÁ E VOCÊ SERÁ MUITO MAIS FELIZ!

    ResponderExcluir
  19. Rô tudo bem ?

    Olha agradeço a vc por todo esclarecimento de fatos históricos e bíblicos aqui publicados mais
    olha continuarei sendo dizimista , pois só entende o valor espiritual que tem o dízimo quem o dar de coração e com alegria de fato posso te afirmar com toda convicção a respeito daquela máxima que diz : O senhor ama quem dá com alegria.
    Eu me sinto amado desde a hora que me acordo até a hora que vou dormir .
    Não sei bem explicar mas depois que me tornei dizimista é como se algo bom estivesse sempre me acompanhando e me dando proteção.
    Então gostaria de te fazer uma sugestão com todo respeito e amizade por que vc que é uma pessoa tão instruida e inteligente não procura fazer o caminho oposto ao invés de perseguir o dízimo não se torna uma dizimista e faz também esta experiência de fé

    Abraços e tudo de bom pra vc


    Alan.

    ResponderExcluir
  20. Muitas pessoas esquecem completamente o que o Senhor declara no Salmo 24:1 "Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam".

    Tudo é do Senhor! Ele nos dá tudo o que precisamos. Dá a cada um segundo a sua capacidade para administrar! Devolver o dizimo é um ato de fé, de amor a Deus e amor ao próximo. É se desvencilhar do dinheiro, é compartilhar, é amar na prática.

    Muitas pessoas não devolvem o dizimo na igreja porque acham que o pastor rouba! Problema do pastor, ele ajustará contas com Deus! Eu não devolvo dizimo para pastor, devolvo para Deus, é eu com Deus, o que fazem com o dinheiro trará suas consequencias, boas ou más para o que administra o dinheiro que é do Senhor!

    O mundo vive na miséria porque as pessoas não compartilham suas riquezas. Riquezas estas, dadas por Deus.

    O cristão tem essa oportunidade de ser diferente do mundo e de reconhecer, publicamente, que tudo o que tem foi dado por Deus! Por esse motivo, por gratidão e amor a Deus e ao proximo, compartilha tanto devolvendo o dizimo como ofertanto de coração grato.

    Que Deus nos ajude sempre a sermos fiéis mordomos de Sua obra!

    ResponderExcluir

PCamaral, Palavra de Deus, Teologia, Estudos, Evangelho, Reflexões, Bíblia Sagrada, Estudos Bíblicos, Mensagens Bíblicas

Todos os comentários serão moderados. Me reservo ao direito de publicá-los ou não caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.